O clima esquentou nas redes sociais nesta semana, com troca de acusações entre a dupla de diretores Charles Möeller e Claudio Botelho e a produtora Renata Borges, da Fábula Entretenimento. O time trabalhou junto na montagem de “Cinderella”, de Rodgers & Hammerstein, que foi um sucesso em São Paulo e no Rio de Janeiro em 2016. A ideia era dar continuidade na parceria em “Peter Pan” em 2017, mas os diretores foram substituídos por Miguel Falabella (de “Mulheres À Beira de um Ataque de Nervos”) – até então, sem maiores explicações. Mas as causas foram expostas na noite de terça (14/2), sem grandes sutilezas. Pelo Facebook, Möeller e Botelho acusaram a Fábula de inadimplência há mais de seis meses, no que refere ao pagamento de direito autorais do musical “Cinderella”. Já Renata, também pelo Facebook, rebateu dizendo que a informação não procede e que os dois foram afastados de “Peter Pan” por não terem atendido às demandas do projeto junto ao Ministério da Cultura: “decisão tomada por mim e que gerou e-mails ‘desagradáveis’ quando eles foram informados que não seria mais os diretores de Peter Pan e que outro diretor havia sido convidado. Triste ver coisas expostas dessa forma”.

Charles Möeller e Renata Borges em tempos de paz (Foto: Reprodução / Geoge Magaraia)

Tudo veio à tona por conta de uma matéria do colunista Lauro Jardim no jornal O Globo, que vinculou o nome de Möeller e Botelho a “Peter Pan” inadvertidamente. A notícia tratava da captação de R$ 17,3 milhões via Lei Rouanet para levantar o musical. Quando viram essa matéria, os diretores publicaram uma nota de esclarecimento online, explicando que não estavam mais envolvidos no projeto e expondo as causas. “Em absoluto desacordo com a maneira como a produtora vinha conduzindo as negociações com a dupla, Möeller e Botelho consideram que seu nome já deveria estar desligado oficialmente deste projeto desde o 24 de dezembro de 2016, quando se desligaram do mesmo em definitivo. Qualquer uso dos nomes de Charles Möeller & Claudio Botelho ligado a PETER PAN é inapropriado e definitivamente feito com má fé”, diz trecho do texto, respondido ali mesmo por Renata Borges. A produtora disse no espaço para comentários que a nota “vai contra toda a verdade” e que a Fábula foi exposta de maneira covarde: “Vale lembrar que NUNCA precisei ‘usar’ o nome de diretor nenhum para captar. ‘Cinderella’ foi todo captado exclusivamente por mim, sem diretor. Não preciso dos nomes dos ‘Reis’”, escreveu.

Ofendida, Renata expôs o print de um processo que corre no TJRJ e publicou sua própria nota de esclarecimento. No texto, ela diz que Möeller e Botelho distorcem a realidade e causam uma difamação desnecessária, e avisa que vai entrar com “medidas judiciais cabíveis”. Segundo ela, a dívida a qual os diretores se referem se deve às duas últimas bilheterias – valor bloqueado judicialmente justamente para que todos os envolvidos no projeto recebessem corretamente. “Como profissional sempre prezo pela ética! Desejo sucesso a dupla criativa, mas acima de tudo discernimento e responsabilidade com o que tange a verdade a dupla criativa”, conclui.

(Foto: Reprodução )
(Foto: Reprodução )