Foram 350 inscrições para as audições da adaptação musical da peça “Eles Não Usam Black Tie”, de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), com inclusão de canções de Caetano Veloso e Gilberto Gil. O espetáculo será montado em caráter acadêmico, e o diretor Julio Angelo (de “A Very Potter Musical”) teve a dura missão de selecionar dez atores desse monte de gente. Mas o martelo está batido e o elenco, já definido, começou a ensaiar, com estreia marcada para novembro. O papel principal será do ator Caio Pasqualini (de “Diário de um Louco”).

Caio Pasqualini (Foto: Divulgação)
Caio Pasqualini (Foto: Divulgação)

Ele interpretará Tião, o operário que decide se casar com a namorada ao saber que ela está grávida e trava uma briga com o pai e sua comunidade em um morro carioca. O motivo é uma greve dos metalúrgicos, que ele não adere, por estar mais preocupado com seu futuro com a namorada e o bebê do que com a luta de classes. Na montagem original da peça, não-musical, em 1958, o próprio Gianfrancesco foi Tião. Na adaptação para o cinema, estreada em 1981, o papel foi de Carlos Alberto Riccelli.

Na montagem de Julio Angelo, com direção musical de Gabriel Gravina, o pai será interpretado por Jeff Fernandéz (de “A Very Potter Musical”) e a namorada vivida por Isabella Villalba (de “Trilogia da Terra”). Completam o elenco Laura Braga (de “O Que Podemos Contar”), João Canedo (de “Um Amigo Diferente?”), Antonia Medeiros, Diego Fonseca (de “Lua de Cristal – O Musical”), Rodrigo Serphan (de “Into the Woods”), Rudson Martins (de “As Festas da Tia Ciata”) e Luísa Zanni.

Jeff Fernandéz e Isabella Villalba (Fotos: Divulgação)
Jeff Fernandéz e Isabella Villalba (Fotos: Divulgação)

– Todos com uma grande atitude e vontade de dar voz ao espetáculo, e com o desejo de criar coletivamente, principalmente. Temos um material muito rico, tanto o texto de Guarnieri, quanto as canções de Caetano e Gil, todos gênios da nossa cultura, formam o nosso grande desafio de lidar com os responsáveis de uma verdadeira identidade brasileira. Investiremos nas potências de cada membro desse projeto para contarmos nossa versão desta história. Por isso, já aceitamos nossas condições de verdadeiros artistas operários nesta construção. – Julio diz ao Teatro em Cena.

“Eles Não Usam Black Tie” foi um sucesso popular no fim da década de 1950, ficando mais de um ano em cartaz. A peça foi um marco para o Teatro de Arena, que visava tratar de temas mais próximos do cidadão brasileiro, em oposição ao consagrado Teatro Brasileiro de Comédia. A adaptação cinematográfica, com Fernanda Montenegro (de “Viver Sem Tempos Modernos”), foi impedida de ser exibida pela ditadura, mas ganhou o Leão de Prata no Festival de Veneza.