(Foto: Carolina Vianna)
Depois do enorme sucesso de “Incêndios” e da boa recepção também de “Céus”, o ator e produtor Felipe de Carolis decidiu trazer outra peça do dramaturgo franco-libanês Wajdi Mouawad para o Brasil. Ele planeja montar “Sede” em 2018. O texto trata de juventude e memória a partir de um protagonista que é antropólogo forense, ou seja, um médico responsável por desvendar a causa da morte das pessoas e até mesmo a identidade de um corpo.

Intitulada originalmente “Assoiffés”, a peça estreou na França em 2007. Na história, o antropólogo forense Boon reconhece o corpo de um colega misteriosamente desaparecido em 1991, o que leva sua cabeça a viajar no tempo.

Antes de “Sede”, no entanto, Felipe de Carolis dará continuidade à temporada paulista de “Céus”. O espetáculo seguirá em cartaz no Teatro Vivo, em São Paulo, em 2018. “Céus é um sucesso retumbante em São Paulo, graças a Deus”, diz o ator, que trabalha com o diretor Aderbal Freire-Filho (de “Incêndios”) pela segunda vez, “o teatro lota, lota, lota e a gente teve a proposta de ficar depois do Ano Novo. Eu aceitei, porque não é todo dia que você tem uma proposta para extensão da temporada de uma tragédia de 2h20 de um autor franco-libanés, né?”.