.Plantão

6 peças com temática LGBT em cartaz no Rio de Janeiro

Betto Marque e Hugo Bonemer: par romântico em “Yank” (Foto: Divulgação)

Junho é o mês internacional do Orgulho LGBT. São Paulo sediou sua 21ª Parada no domingo (18/6), e o Rio de Janeiro desfruta de uma programação teatral especial. São diversos os espetáculos em cartaz tratando de temáticas gays, lésbicas, bissexuais e transexuais. Questões referente à sexualidade e à identidade de gênero estão em voga na pauta artística.

O musical “Yank!”, por exemplo, conta a história de um correspondente de guerra e um soldado que se apaixonam em plena Segunda Guerra Mundial. Leandro Terra, ator e idealizador do espetáculo, em cartaz no Teatro Serrador, comemora a boa aceitação no início da temporada, com média de 200 espectadores por sessão, segundo ele. “O público está bem diversificado, mas são os gays que se emocionam e se identificam mais. Quando agradeço e falo outras coisas no final, consigo perceber muitos olhos marejados”, ele conta ao Teatro em Cena. É um off-Broadway, com potencial para atrair ainda mais gente nas próximas semanas.

Em uma sala menor, “Uma Janela Para Dentro” faz temporada no Teatro Gonzaguinha, na Cidade Nova. O projeto é de um xará, Leandro Nicolau, que adaptou o texto e está no palco como um artista plástico crossdresser, discriminado até pela mãe. A peça trata das pressões do ambiente familiar, a rejeição na escola e o enfrentamento social que três personagens têm que passar por conta da sexualidade. “Não é uma peça gay. É uma peça que fala de como a sociedade tem tratado a questão LGBT”, destaca Leandro, que propõe um bate papo com a plateia no fim da apresentação. É um momento rico para a reflexão.

– Recentemente, temos observado diversas questões envolvendo o público LGBT, seja em relação à violência, que vem atingindo números alarmantes, bem como o preconceito. Eu quis mostrar que o grupo LGBT pode amar, ser feliz e exercer sua cidadania. Na peça, quero mostrar todas essas questões até mesmo para servir de pauta para diversas discussões e esclarecimentos.

Leandro Nicolau, Pedro Oliveira e Waldecir de Oliveira: elenco de “Uma Janela Para Dentro” (Foto: Divulgação)

No ambiente universitário, Victor Fontoura dirige “Nascituros”, com entrada franca na Sala Glauce Rocha da UNIRIO, na Urca. A peça estreou no fim de semana passado, em uma situação curiosa: a sinopse fala de um “casal forçado a se separar”, sem revelar que é um casal homoafetivo, vivido por dois homens e duas mulheres. O público, então, foi surpreendido. “De cara, o título do espetáculo não entrega a temática abordada. Assim o público vai descobrindo a história durante a encenação”, conta o autor John Marcatto, “como os assuntos abordados no espetáculo são universais, uma vez que tratam das relações humanas, o público então vai se reconhecendo e os gays, mais permeáveis, vão mergulhando naquelas relações, naquele universo, levando alguns a momentos de catarse, tamanha a identificação que vivenciam”.

A peça vai fundo na questão da homofobia, e há quem relate a sensação de soco no estômago. “Essa foi a frase que mais se repetiu entre os comentários que recebi dos amigos ao fim do espetáculo”, atesta o diretor Victor Fontoura, “refletindo sobre o termo ouvido, é uma metáfora que traz a dor de muitas vítimas de ataques homofóbicos, no sentido literal. E não é sobre isso que estamos falando?”. Para debater o tema, na sexta (23/6), haverá um bate-papo com ativistas de movimentos LGBTQ após a sessão. Dica dada!

Bruno Marques e John Marcatto em cena de “Nascituros” (Foto: Danillo Sabino)

Confira os espetáculos com temática LGBT em cartaz:

Alair
Em seu apartamento/estúdio em Ipanema, o fotógrafo Alair Gomes recebe um jovem para uma sessão de fotos. O encontro deflagra um turbilhão de lembranças e pensamentos de Alair sobre amor, arte, beleza e morte. A ação se passa em três épocas distintas -anos 50, 80 e 90 – através de idas e vindas da memória do personagem-título. Com Edwin Luisi, Andre Rosa e Raphael Sander. Texto de Gustavo Pinheiro, com direção de Cesar Augusto. SERVIÇO: qua a sáb, 21h; dom, 20h. R$ 60. 70min. Classificação: 14 anos. Até 2 de julho. Casa de Cultura Laura Alvim – Avenida Vieira Souto, 176 – Ipanema. Tel: 2332-2015.

Dandara Através do Espelho
A peça, criada a partir do diário da atriz transexual Dandara Vital, narra o sonho de Dandara de fazer um filme sobre a sua vida contando os desafios e alegrias que viveu no seu processo de transição. Com a ajuda de Pedro, um estudante de teatro, assumem o desafio de tirar a ideia do papel. Com uma câmera na mão as memórias e o espaço se mesclam numa mistura de realidade e ficção. Com Dandara Vital e Pedro Bento. Texto de Peter Franco, com direção de Diêgo Deleon. SERVIÇO: ter e qui, 20h. R$ 30. Classificação: 16 anos. Até 22 de junho. Sede das Cias – Escadaria Selarón – Rua Manoel Carneiro, 12 – Lapa. Tel: 2137-1271.

Gisberta
A obra mistura política, história, música, teatro, poesia e ficção para falar de Gisberta, brasileira vítima da transfobia que teve morte trágica em 2006 no Porto, em Portugal, após ser torturada por um grupo de 14 menores de idade. Gisberta atravessou o oceano para buscar um território livre, mas morreu no fundo do poço, afogada em ódio e água. Com Luis Lobianco. Texto de Rafael Souza-Ribeiro, com direção de Renato Carrera. SERVIÇO: sex a dom, 19h30. R$ 40. 90 min. Classificação: 14 anos. Até 2 de julho. Teatro Dulcina – Rua Alcindo Guanabara, 17 – Centro. Tel: 2240-4879.

Uma Janela Para Dentro
Adaptação do drama de Victor Ribeiro Lima. A peça conta situações e vivências que um artista plástico, um fotógrafo e um esportista enfrentam por conta de sua orientação sexual. As pressões do ambiente familiar, a rejeição na escola e o enfrentamento da sociedade, se apresentam como obstáculos a serem superados. Até onde nossos valores para com o outro não se tornam nossos próprios valores e se transformam em hipocrisia? O amor verdadeiro não aponta, não segrega. Ele é cego e incondicional. Leandro Nicolau, Pedro Oliveira e Waldecir de Oliveira. Texto de Leandro Nicolau e Waldecir de Oliveira, com direção de Juliana Ferreira e Victor Grimoni. SERVIÇO: sex e sáb, 20h; dom, 19h30. R$ 20. Classificação: 16 anos. Atpe 25 de junho. Teatro Municipal Gonzaguinha – Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian – Rua Bendito Hipólito, 125 – Cidade Nova. Tel: 2224-5747.

Nascituros
Após um incidente um casal é forçado a se separar. Dez anos depois, quando uma das partes decide escrever uma peça sobre seu passado, a fim de expurgar suas aflições, a outra reaparece na tentativa de impedir a exposição dessa história, pois contém segredos que podem acarretar mais problemas. A trama é contada utilizando diversas linguagens teatrais através de dois planos simultâneos onde revelam o presente e o passado dos personagens. Com Bruno Marques, John Marcatto e outros. Texto de John Marcatto, com direção de Victor Fontoura. SERVIÇO: sex e dom, 19h. Entrada franca. Até 25 de junho. UNIRIO – Sala Glauce Rocha (Sala Cinza) – Avenida Pasteur, 436 – Urca.

YANK! – O Musical
Carta de amor aos filmes e musicais dos anos 1940. O espetáculo conta a história de Stu, um correspondente de guerra, e Mitch, um soldado do exército, que se apaixonam e lutam pela sobrevivência num tempo e lugar onde as circunstâncias estão contra eles. Com Hugo Bonemer, Betto Marque e outros. Texto de David Zellnik, com tradução e versões de Vitor Louzada e Menelick de Carvalho, que assina a direção. SERVIÇO: qua a sáb, 19h30. R$ 40. 120 min. Classificação: 16 anos. Até 1º de julho. Teatro Serrador – Rua Senador Dantas, 1 – Centro. Tel: 2220-5033..

Comentários

comments

Share: