Artistas relembram histórias com Marília Pêra – Teatro em Cena
+ TeatroColuna Social

Artistas relembram histórias com Marília Pêra

Marília Pêra (1943-2015) morreu no no início da manhã de sábado (5/12), chocando o público e a classe artística. A atriz e diretora está no ar na série “Pé na Cova” (temporada gravada) e nunca havia confirmado as notícias de que sofria de câncer. A doença só foi divulgada oficialmente (câncer no pulmão, diagnosticado há dois anos) com sua morte. Neste ano, ela se dedicou também à peça “A Atriz”, que ensaiou com Bibi Ferreira, mas não chegou a estrear, e à direção de “Depois do Amor”, com Danielle Winits e Carolina Ferraz, que estrearam em turnê justamente no sábado.

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

O velório da artista aconteceu no Teatro do Leblon, onde há uma sala com seu nome. O teatro também teria sido sede de seu último espetáculo, “A Atriz”. Na época, Bibi Ferreira declarou: “Infelizmente, Marília saiu, o que me deixou muito triste. Mas é porque ela não está bem de saúde, não está 100% bem para ficar uma peça inteira em cena, quase uma hora e meia em pé, sem sair. É muito pesado. Acho que foi isso”.

Na Internet e na imprensa, amigos e colegas de trabalho fizeram questão de expressar seu luto e relembrar momentos vividos com a estrela. “Tínhamos uma relação quase amorosa. Ter o prazer de estar com ela no palco foi uma das maiores honras da minha vida”, disse Miguel Falabella, que dividia cena com ela em “Pé na Cova” e também foram par romântico no musical “Alô, Dolly!”.

Danielle Winits, que estreou a peça dirigida por Marília no sábado (5/12), falou: “Marília deu vida para o espetáculo, e não gostaria que eu deixasse de fazer, em virtude de qualquer percalço pelo meio do caminho. Mesmo com a saúde debilitada, ela fez questao de montar o espetáculo até o final. Acho que isso faz toda a diferença, e eu vou ter a força dela para começar a trajetória que ela traduziu tão bem, dentro da genialidade dela e todas as diretrizes que pôde se dedicar no último trabalho”.

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Confira outros depoimentos:

“São tantas as justas homenagens q achei q a minha não faria diferença. Mas hoje é um dia triste pro teatro. E reverencio, como muitos, e para sempre, a grande Marília. As homenagens nunca são demais. Minha admiração total a ela q, além de tanto talento foi conhecida no inicio da carreira ( me contou minha mãe) como ‘ a bela Pera’. Além de tudo era linda” – Silvia Buarque.

“Irma Vap foi minha 1ª peça com ela dirigindo,nunca esqueci do seu 1º telefonema,levei um susto era 2 da manhã ,fui indicado por Aderbal Freire Filho para ajudá-la na peça,depois disso fiz com ela umas 10 às vezes como atriz às vezes dirigindo,ela sabia tudo de teatro ,me ensinou que a luz,para quem está em cena,tem que ajudar no jogo de contracenar,o ator tem que ver o olho do outro ator,ela me disse uma vez e nunca esqueci,sempre lembro disso quando faço uma luz,ela foi uma mestra para mim” – Maneco Quinderé.

“Acabei de saber da partida da sempre linda, elegante e muito generosa Marília Pêra Tive a honra de trabalhar com ela e cada cena era uma grande escola pra mim! Ela sempre delicada e muito generosa em cena e principalmente fora dela! ❤️ Querida, tenho certeza que nesse momento você já foi muito bem recepcionada! Cumpriu lindamente seu papel por aqui, no palco e fora dele! Por você minha eterna admiração, respeito e saudade! Eternos aplausos!” – Sthefany Brito.

“Eu me lembro de entrar em cena pra substituir um outro ator, errar 60% das coisas devido à falta de ensaio e na saída, na beira da coxia, tomar uma bolsada na cabeça dessa senhora e em seguida um sorriso de afeto e benção. Três meses depois eu me despedia desse espetáculo pra alçar novos vôos e essa mesma senhora veio até mim e disse triste que ela nao queria que eu os abandonasse e me deu um abraço leve. Essa foto foi do trabalho que eu tive a SORTE de dividir com os dois profissionais que eu mais admirei no eixo TV-Teatro Musical: Miguel e Marília, que se partiu nessa manhã e partiu meu coração. Ela me ensinava noite após noite sobre técnica, amor e comprometimento com o teatro e eu jamais vou me esquecer do que vivi naqueles 4 meses de casa lotada ao lado dela. Não vou esquecer do nosso ensaio privé exigido por ela, 7h antes do espetáculo, para garantir que eu segurasse a mão dela com o suporte que ela precisava” – Victor Maia.

“Tive o prazer de conviver com a Marília Pêra em Pé na Cova. Além de ser uma atriz incrível e generosa, ela era uma pessoa super do bem, sempre disposta a ajudar. Nunca vou esquecer o dia em que estava super insegura pra fazer uma cena. Ela pegou minha mão nos bastidores e olhando nos meus olhos disse: Vai lá e arrasa. Vai ser uma linda cena, confia em você. Gratidão a essa linda mulher pela sua arte. Sentiremos saudades!” – Eline Porto.

“Penso em tantas coisas que passei junto a você… Tantos momentos inesquecíveis… Tanto aprendizado e benevolência, que Só tenho uma palavra a dizer neste momento… OBRIGADA” – Leilah Moreno.

” Não tenho palavras pra dizer o que estou sentindo agora… Marília era minha ídola, virou uma amiga e foi uma HONRA trabalhar com essa diva do teatro, cinema e televisão. Seu profissionalismo era admirável e seu carinho e generosidade com todos era LINDO. Nunca vou esquecer os seus conselhos e momentos com você. Te amo. Vai com Deus! BRAVO MARÍLIA! Que vida LINDA!” – Lorena Comparato.

“ESTAMOS TRISTES, TRISTES, TRISTES. Todos nós os colegas, o país, os fãs. No nosso caso, tristes todos aqui de casa onde conctruímos uma família com ela e Bruno, desde que Florence, a buldogue mais famosa da Lagoa, saiu daqui e foi morar com eles.
Vocês por aí, homegeem-na, celebrem-na, cantem seus feitos, seu talento, sua genialidade. Ela era – pasmem – insegura e precisava de ser lembrada do óbvio o tempo todo: que é uma das mais fascinantes artistas do mundo!
O PIB do país, que já está em baixa, caiu a quase zero hoje. Perdemos um tesouro” – Claudio Botelho.

“É como perder alguém da família. Conheci a Marília há muito tempo, ainda era um garoto, e sempre a admirei bastante. Depois de trabalharmos em Gloriosa, viramos amigos de viajar juntos para Nova York para assistir espetáculos, de sair para jantar… Passei até Natal na casa da Marília. Sempre nos divertimos muito juntos, tínhamos um humor parecido. Era um afeto muito forte” – Charles Möeller.

“Eu tava na plateia no dia em que, estando rouca, Marília ofereceu o dinheiro de volta. Isso em cena. A resposta? Um NÃO ensurdecedor do público. Aquilo não interessava, certamente. O importante era ELA. Foda! Plena! Mesmo sem algumas notas, naquele dia Marília foi rainha! Grande atriz, grande perda” – Felipe Frazão.

Comentários

comments