+ TeatroColuna Social

Ator causa polêmica ao comentar fim do MinC: “já foi tarde!”

Enquanto a classe artística se une em abaixo-assinados e cartas abertas pedindo a autonomia do Ministério da Cultura, um ator aparece na contramão. Sandro Rocha, mais conhecido pelo filme “Tropa de Elite”, fez um post polêmico no Facebook. Ao comentar a unificação do Ministério da Cultura com o da Educação, que é visto como o “fim do Minc”, ele disparou: “como artista, posso falar: já foi tarde! Só serviu para contribuir com inúmeras mamatas de seis ou sete!”.

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

No texto, compartilhado mais de mil vezes na rede social, Sandro Rocha diz que, para conseguir aprovar um projeto [na Lei Rouanet, que ele não menciona], é necessário conhecer alguém ou “pagar propina”. “Eu mesmo desisti várias vezes! Uma ilusão! Uma farsa! Não vai fazer falta e vai ajudar a economizar para o Brasil!”, escreveu. “Quem está gritando é quem comia dessa fonte! Acabou! Quer ganhar dinheiro? Vai trabalhar, vagabundo!”. Entre as mais e 300 respostas que recebeu, vários aplausos (em forma de emoji) e muito apoio pelo posicionamento.

A fundição do MinC com o Ministério da Educação foi uma das primeiras providências tomadas pelo presidente interino Michel Temer (PMDB), sob alegação do corte orçamentário. O nomeado para a pasta foi o deputado Mendonça Filho (DEM), investigado pela Operação Lava Jato. Em sua reunião de apresentação com profissionais da Cultura, o novo ministro recebeu vaias e leu cartazes de protesto. No Rio, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) admitiu publicamente que o corte do ministério foi um erro. “Como ator político, acho que a gente devia ter mantido a pasta da Cultura. Não precisava ter integrado ao Ministério da Educação”, declarou.

Comentários

comments