Censura de novo? Espetáculo com Jesus travesti pode ser cancelado no Rio – Teatro em Cena
Plantão

Censura de novo? Espetáculo com Jesus travesti pode ser cancelado no Rio

(Foto: Tiago Lima)

A apresentação do espetáculo “O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” no Rio de Janeiro periga não acontecer. A organização da Mostra Corpos Visíveis, marcada para os dias 8, 9 e 10 de junho no Parque de Madureira, recebeu uma notificação da Secretaria Municipal de Cultura (SMC) na segunda (4/6) com uma negativa para a realização do evento. O informe da SMC, contrariando todos os e-mails anteriormente trocados, veio dias depois do prefeito Marcelo Crivella, bispo licenciado, tomar ciência da ida do espetáculo para a Arena Carioca Fernando Torres e postar um vídeo no Facebook dizendo que a peça “ofende a consciência dos cristãos (…) Na minha administração, nenhum espetáculo ou exposição vai ofender a religião das pessoas. Eu não vou permitir”. Ele já vetou a ida da exposição Queermuseu para o Museu de Arte do Rio (MAR) no ano passado.

“O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu” provoca o espectador a pensar sobre a opressão e intolerância vividas por pessoas trans. É um monólogo no qual a atriz Renata Carvalho, uma travesti, interpreta Jesus Cristo. O mote da peça, escrita por Jo Clifford, é justamente este: “e se Jesus vivesse nos tempos de hoje e fosse uma mulher transgênero?”. Em sua turnê nacional, a montagem já sofreu duas tentativas de censura – em Jundiaí (SP) e em Salvador (BA), gerando abaixos-assinados pela liberdade de expressão artística. Em ambos os casos, conseguiu se apresentar. No Rio, ainda é uma incógnita o que acontecerá.

Estava prevista uma apresentação única no sábado (9/6) dentro da Mostra Corpos Visíveis. Os organizadores do evento, inclusive, mantiveram a divulgação nas redes sociais nos últimos dias. O prefeito, por sua vez, se referiu a uma notícia sobre a peça como “fake news”. “Essa arena está fechada, houve um problema na licitação e quem perdeu fica plantando notas na coluna de um jornalista que não apura. Desculpa, mas que desqualifica a profissão de jornalismo. Venho aqui mais uma vez para dizer que é fake news”, afirmou. No domingo (3/6), após a divulgação do vídeo, Renata apareceu no Instagram para desmentir: “não é boato, nós vamos nos apresentar lá sim, contamos com vocês”.

Leia também: ARTISTAS INTERNACIONAIS COMENTAM ATOS DE CENSURA À ARTE NO BRASIL

Em nota oficial, a organização da mostra afirma estar em contato com a gestão da arena e a SMC desde o ano passado para a realização do evento de três dias, “tendo e-mails que comprovam a articulação e a ciência da programação”. No texto, os produtores se mostram surpresos com a notificação da SMC, “que se manteve alinhada e apoiando o evento” até o prefeito se manifestar, faltando poucos dias para a mostra. “A produção da Corpos Visíveis se reuniu com a subsecretária de cultura, Rachel Valença, porém segue sem respostas que garantam a plena execução da Mostra. A produção da Corpos Visíveis garante que a peça não busca ofender cristãos, mas cria um questionamento sobre a falta de tolerância e respeito nos tempos atuais, e busca diálogo com os envolvidos, na tentativa de encontrar a melhor solução conjunta, que garanta a realização do evento”, diz. O Teatro em Cena entrou em contato com a assessoria de Secretaria Municipal de Cultura, mas não recebeu resposta até o fechamento desta matéria.

Protesto no Castelinho do Flamengo em 2017 (Foto: Reprodução / Rodrigo Agrellos)

Não é a primeira vez que um aparelho da prefeitura impõe obstáculos para apresentações teatrais por conta de sua temática durante o governo de Marcelo Crivella. No ano passado, a programação do “outubro da diversidade” – com exposição e espetáculos com nudez e temática LGBT – no Castelinho do Flamengo foi cancelada por conta de uma suposta pane elétrica, que na verdade não aconteceu. Indignados, os artistas viram luzes acesas, Wi-Fi ligado e computadores funcionando, o que deu início a um protesto que durou vários dias. A programação só foi retomada por pressão da classe e da mídia e, ainda assim, o espetáculo paulista “Bicha Oca”, um dos alvos centrais, foi transferido para outro espaço.

ATUALIZAÇÃO 2h00: a organização da Mostra Corpos Visíveis já usa a palavra censura para se referir ao caso. Os artistas convocam todos para um protesto “contra a censura de Crivella” na Conferência Municipal de Cultura, na Praça do Leão Etíope, no Méier, nesta terça (5/6) às 13h.

Comentários

comments