Com duas peças em cartaz, ator passa 6 horas em cena aos sábados – Teatro em Cena
Plantão

Com duas peças em cartaz, ator passa 6 horas em cena aos sábados

(Foto: Andrea Rocha / ZBR)

(Foto: Andrea Rocha / ZBR)

Sábado de sol, dia de praia, água de coco, mergulho no mar, caminhada na orla… Só que não. Aos sábados, o ator Pedro Henrique Lopes tem trabalho dobrado. Enquanto a maioria das pessoas curte o dia de folga, ele faz três sessões no teatro, dividindo-se entre o infantil “Luiz & Nazinha – Luiz Gonzaga Para Crianças” de manhã, no Espaço Tom Jobim, e “Chacrinha – O Musical” à tarde e à noite, no Teatro João Caetano. Às 7h, ele já está de pé e só para de trabalhar às 22h30. No total, ele passa seis horas em cena por sábado. Está bom para você? “Eu juro que na prática é mais tranquilo do que parece quando a gente vai contando passo a passo!”, ele ri. “Desejo muito mais trabalho!”.

Ele soube que seu verão seria assim em novembro do ano passado. Já estava em cartaz com “Chacrinha”, interpretando Benito de Paula, quando recebeu o convite para fazer “Luiz & Nazinha” no Jardim Botânico. “Fiquei preocupado porque não sabia qual seria o horário”, lembra o ator em entrevista ao Teatro em Cena. “Mas quando eles disseram que o hábito de infantil lá é matinal, fiquei tranquilo porque daria para conciliar tudo!”. O espetáculo do Luiz Gonzaga é uma criação dele, que estreou na dramaturgia aos 14 anos. Ele se interessou por apresentar a obra do Rei do Baião para as crianças em 2012, quando houve o centenário do artista. Na época, leu sobre a história de amor com Nazinha e viu ali um “Romeu e Julieta no sertão nordestino”. “Eu brinco que esse é o meu filho mais novo. O mais velho é ‘Meu Sangue Ferve Por Você’. Como todo filho caçula, a gente fica babão e cuidando com muito carinho até que ele consiga andar sozinho. Acho que o ‘Luiz e Nazinha’ está começando a caminhar sozinho, a ganhar o mundo. Estou muito satisfeito com a repercussão que o espetáculo está tendo!”.

Pedro Henrique Lopes, como Luiz Gonzaga, com o elenco do infantil (Foto: Andrea Rocha / ZBR)

Pedro Henrique Lopes, como Luiz Gonzaga, com o elenco do infantil (Foto: Andrea Rocha / ZBR)

No musical do Chacrinha, Pedro Henrique também é o sub de Leo Bahia (de “Ópera do Malandro”), que interpreta Abelardo Barbosa na juventude. Então, de vez em quando, assume a responsabilidade de protagonizar o primeiro ato, na pele desse outro nordestino. “É uma experiência alucinante! Você vai sendo conduzido junto com o público pela história e, quando a ficha cai, você está virando o Chacrinha!”, se entusiasma. “O personagem exige uma concentração muito grande e uma conexão com o público para que embarquem na história. Além disso, é uma honra e um prazer contracenar e ser conduzido na história pelo queridíssimo Stepan Nercessian!”

Para dar conta dessa honra e desse prazer são necessários certos cuidados. Ele precisa beber muita água, nebulizar ao acordar e ao dormir, fazer muito aquecimento vocal e corporal, e cuidar da alimentação. Afinal, são duas temporadas simultâneas. No total, são mais de 13 horas em cena por semana. “Saber descansar é muito importante. Além disso, a concentração para usar a voz e o corpo de forma consciente é extremamente necessária”, diz o ator de 28 anos. “Como a gente brinca sempre, pra fazer musical tem que ser atleta! A rotina é bastante puxada”.

Como Benito de Paula em "Chacrinha - O Musical" (Foto: Juliana Cerdeira)

Como Benito de Paula em “Chacrinha – O Musical” (Foto: Juliana Cerdeira)

_____
LUIZ & NAZINHA – LUIZ GONZAGA PARA CRIANÇAS: sáb e dom, 11h. R$ 60. 60 min. Classificação: livre. Até 15 de março. Teatro Tom Jobim – Rua Jardim Botânico, 1008 – Jardim Botânico. Tel: 2274-7012.

CHACRINHA, O MUSICAL: qui e sex, 20h; sáb, 16h e 20h; dom, 19h. De R$ 50 a R$ 120. 135 min. Classificação: 12 anos. Até 1º de março. Teatro João Caetano – Praça Tiradentes, s/nº – Centro. Tel: 2332-9257.

Comentários

comments