Crítica

Crítica: Através da Iris

Nathalia Timberg está em cartaz com o monólogo “Através da Iris”, que antecipa as comemorações de seu 90º aniversário, a ser completado em 2019. É o quarto espetáculo que ela emenda em três anos, sucedendo “33 Variações” (2016), “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?” (2017) e “Chopin ou o Tormento do Ideal” (2018). A alta produtividade é regra em toda sua carreira, com mais de 40 trabalhos no teatro, 50 na TV e 20 no cinema, que fizeram dela um ícone reconhecido pelo público e respeitado pela crítica. “Através da Iris”, contudo, não a encontra em seu melhor estado.

(Foto: Rodrigo Lopes)

Na sessão assistida, a atriz aparentou insegurança durante todo o espetáculo, sem real domínio do texto. Logo em uma das primeiras cenas, se atrapalhou com as falas e pediu para recomeçar. Assim o fez, dando o texto todo de novo. Pouco depois, outro branco, esse não contornável. Foi necessário que um membro da equipe entrasse no palco e entregasse a peça impressa nas mãos de Nathalia para que ela a lesse e prosseguisse – um momento constrangedor e triste de ver. Foi uma apresentação muito infeliz.

No espetáculo, Nathalia Timberg interpreta a designer de interiores americana Iris Apfel, uma divertida senhora de 97 anos que se tornou ícone fashion por se vestir de forma criativa, libertária e extravagante. Ela foi tema de exposição no Metropolitan Museum em Nova York em 2005, de livro de moda em 2007 e de documentário em 2014. A peça teatral segue o formato documental, com relatos de Iris, como se ela estivesse concedendo uma entrevista em sua casa. O texto, assinado por Cacau Hygino (de “Deu a Louca na Branca”), peca na apresentação da personagem, tratando-a como alguém mais famosa do que realmente é no Brasil. A grande verdade é que a maioria do público brasileiro nunca ouviu falar de Iris Apfel e está no teatro por conta de Nathalia Timberg. A peça, porém, parte para minúcias da vida da retratada – como o desinteressante relacionamento com o marido, já falecido – e trata com superficialidade o essencial: o porquê se falar dessa mulher. Além disso, deveria haver mais figurinos (de Tatiana Brescia) para que a plateia tivesse a real noção de quem é Iris. Nathalia faz apenas uma troca de roupa – razoável para a duração do espetáculo mas insatisfatório para construção da personagem.

Iris é mesmo uma figura interessante e curiosa, mas a dramaturgia, a atuação e os figurinos são incapazes de convencer a plateia disso – justamente as ferramentas mais óbvias para tal. Por outro lado, impressiona a concepção cênica, a cargo de Maria Maya (de “Adorável Garoto”), que é grandiosa e trabalha com dois planos – o físico e o virtual. Nathalia, além de estar no palco em tempo integral, aparece representando em vídeos pré-gravados. Híbrida de linguagens, a montagem contorna com o dinamismo do audiovisual a falta de atores e de locomoção da atriz. É um belo trabalho. O cenário criado por Ronald Teixeira e Guilherme Reis apresenta a sala da fashionista e recebe projeções minuciosas, com suporte do desenho de luz de Adriana Ortiz. A trilha sonora, de Marcello H., causa desconforto quando Nathalia Timberg segue outro ritmo em sua atuação dissonante, como se atuação e trilha fossem eventos separados.

Por Leonardo Torres
Mestre em Artes da Cena e especialista em Jornalismo Cultural.

(Foto: Rodrigo Lopes)

Ficha técnica
Texto:Cacau Hygino
Direção:Maria Maya
Elenco:Nathalia Timberg
Diretor Assistente:Michel Blois
Figurinista:Tatiana Brescia
Assistente de Figurino: Wercy
Confecção de Figurino:Dani Tereza
Confecção de Figurino e bordados:Emília Reily
Croquis:Allan Azevedo
Cenografia e Direção de Arte: Ronald Teixeira e Guilherme Reis
Assistente de Direção de Arte:Caroline Amaral
Cenotécnico:Humberto Júnior e equipe
Aderecista e Pintor de Arte:Gabriel Barros
Projeções Cênicas:Rico Vilarouca e Renato Vilarouca
Desenho de Luz:Adriana Ortiz
Assistente de Luz:André Martins
Trilha Sonora:Marcello H
Fotos:Rodrigo Lopes
Videomaker TV:Johnny Luz
Visagismo:Vavá Torres
Criação da Arte:Tua Agência
Diretor de Produção:Wesley Telles
Diretora Executiva:Bruna Dornellas
Produtor Executivo EUA:Victor Barroco
Produtor Executivo e Social Media:Deivid Andrade
Designer Gráfico:Ellen Trevizan
Assistente de Produção:Aline Gabetto
Coordenadora do Projeto:Letícia Napole
Assessoria Jurídica:Luana Petry e Priscila Benincá
Assessoria Contábil:Leucimar Martins
Marketing Cultural e Assessoria em Mídia:Rodrigo Medeiros
Realização:WB Produções
Apresentado por:Ministério da Cultura e Renner
Patrocínio:Porto Seguro
Assessoria de Imprensa:JSPontes Comunicação – João Pontes e Stella Stephany

_____
SERVIÇO: qui, 17h; sex e sáb, 19h30; dom, 18h. R$ 80. 70 min. Classificação: 12 anos. Até 16 de dezembro. Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antônio Carlos, 58 – Centro. Tel: 2544-2533.

Comentários

comments