Crítica

Crítica: Quebrando Regras – Um Tributo a Tina Turner

As cantoras-atrizes Kacau Gomes (de “Ao Som de Raul Seixas – Merlin e Arthur, um Sonho de Liberdade”) e Evelyn Castro (de “Vamp, o Musical”) são admiradoras da americana Tina Turner. No novíssimo e original “Quebrando Regras – Um Tributo a Tina Turner”, as duas têm a oportunidade de cantar seus sucessos em uma divertida comédia escrita por Stella Maria Rodrigues, atriz que faz sua estreia na dramaturgia com ótimas qualidades. A direção do musical é de João Fonseca (de “A Vida Não É um Musical”).

(Foto: Divulgação)

Essa não é uma biografia. O espetáculo conta a história fictícia de duas fãs de Tina que não conseguiram entrar no icônico show da cantora no estádio do Maracanã em 1988. De fato, há referências à história da estrela do rock – como as agressões sofridas pelo marido e sua conexão com Deus – mas sempre como recurso narrativo para construção e desenvolvimento dessas duas personagens. Barradas na porta do estádio, porque perderam seus ingressos, elas se tornam amigas de perrengue e vivem uma noite inesquecível, compartilhando experiências. De maneira mais ou menos aprofundada, a peça trata de alcoolismo, violência doméstica, empoderamento, assédio sexual e violência urbana. Stella escreve ótimas cenas cômicas – que, no palco, comprovam-se o forte de Kacau e Evelyn. A parte mais dramática do espetáculo é descompassada, quase inverossímil de tão pouco natural, como se as duas personagens competissem para ver quem tem a história mais pesada. Mas todo o resto é muito acertado. A história prende.

João Fonseca concebeu uma montagem relativamente simples, mas que não deixa faltar nada. A maior parte da trama se desenrola ao redor da estátua do jogador Bellini, que fica na frente do Maracanã. A cenografia de Nello Marrese recria o monumento e estiliza as colunas da entrada do estádio. O resultado é modesto e funcional, com o próprio elenco manuseando elementos cenográficos para atender às necessidades do espetáculo. A luz de Paulo Cesar Medeiros não traz nada de excepcional. Com os figurinos de Marcelo Marques e o visagismo de Beto Carramanhos, o espetáculo consegue recriar a moda dos anos 1980 com olhar generoso. As canções de Tina Turner, em inglês, se integram à dramaturgia, também colaborando para a ambientação temporal, assim como para o embasamento da adoração das personagens.

Kacau e Evelyn são duas supervozes do teatro musical carioca e, neste espetáculo, têm espaço e contexto para mostrar isso. Elas aproveitam todas as oportunidades para impressionar a plateia. Toda a simplicidade da direção contribui para que o carisma e as vozes preencham o palco. Mesmo quando esquecem e se embolam com o texto, o que precisa ser melhorado, elas divertem a plateia, o que é a missão primordial ali. A direção musical de Tony Lucchesi (de “Bibi, Uma Vida em Musical”) valoriza e endossa as qualidades das protagonistas. As coreografias de Alex Neoral não são tão elaboradas. Quando elas cantam, é a performance vocal o centro das atenções. O elenco traz ainda um terceiro elemento, de grande importância, Saulo Segreto (de “Ao Som de Raul Seixas – Merlin e Arthur, um Sonho de Liberdade”), que dá conta dos diversos personagens masculinos, mostrando-se um ator de vastas possibilidades. Ele também tem um número musical, mais para o fim. Os três, juntos, constroem em cena algo que tem tudo para cativar a plateia e ser bem sucedido no boca a boca.

Por Leonardo Torres
Mestre em Artes da Cena e especialista em Jornalismo Cultural.

(Foto: Divulgação)

Ficha técnica

Autora: Stella Maria Rodrigues

Direção: João Fonseca

Direção Musical: Tony Lucchesi

Atrizes/Cantoras: Evelyn Castro e Kacau Gomes

Ator: Saulo Segreto

Coreografias: Alex Neoral

Designer de Luz: Paulo Cesar Medeiros

Figurinos: Marcelo Marques

Cenário: Nello Marese

Visagismo: Beto Carramanhos

Produtor: Edésio Mota

Produtor Assistente: Filipe Goulart

Fotografia, vídeo e mídias sociais: Dan Coelho

Projeto Gráfico:Letícia Andrade

Assessoria de Imprensa: Julyana Caldas – JC Assessoria de Imprensa

_____
SERVIÇO: ter e qua, 20h30. R$ 80. 90 min. Classificação: 16 anos. Até 26 de junho. Teatro Clara Nunes – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2274-9696.

Comentários

comments