Especial Festival de Curitiba

Destaques da cena teatral carioca estarão no Festival de Curitiba

Divulgada a programação do 27º Festival de Teatro de Curitiba

“Tom na Fazenda” (Foto: José Limongi)

Com estreia marcada para 27 de março, a 27ª edição do Festival de Teatro de Curitiba terá mais de 400 atrações em mais de 90 espaços da capital paranaense. Dentre os destaques, estão várias produções cariocas. Na mostra principal, com curadoria de Guilherme Weber e Marcio Abreu, constam dois espetáculos premiados da safra recente no Rio de Janeiro: o musical “Suassuna – O Auto do Reino do Sol”, homenagem da Cia. Barca dos Corações Partidos a Ariano Suassuna (1927-2014), e o drama “Tom na Fazenda”, montagem brasileira do texto canadense de Michel Marc Bouchard, com produção dos protagonistas Armando Babaioff (de “Na Solidão dos Campos de Algodão”) e Gustavo Vaz (de “Sobre Ratos e Homens”). A peça trata de preconceito, violência e opressão motivados por homofobia.

Ainda na mostra principal estão o monólogo “Colônia”, escrito inspirado no manicômio mineiro onde morreram 60 mil internos, e o drama “O Jornal – The Rolling Stone”, baseado na publicação que promoveu uma caça a homossexuais na Uganda. “Insetos”, novo espetáculo da Cia. dos Atores, estreia no fim de março no Rio e já fará apresentações no Festival de Curitiba em abril. A programação do evento vai até 8 de abril.

Guilherme Weber e Marcio Abreu, os curadores (Foto: Annelize Tozetto)

– A primeira frase do laudo da perícia médica sobre o assassinato de Pier Paolo Pasolini é a inspiração para a criação e organização do terceiro ano de nossa curadoria para o Festival de Curitiba. Definido pelo sociólogo José Guilherme Pereira Leite como “cadáver de tensões imensuráveis”, o assassinato do artista e ensaísta italiano ajusta o adjetivo pasoliniano para definir também uma estética de sacralização dos corpos, uma moral radicalmente humanista, a tensão entre centros e periferias, o papel da cidade como agente transformador do corpo e sua narrativa, a memória como método potencialmente transformador de consciências, e o corpo que além de confessar, fabula encontrando assim seu valor também como ficção. Em seu ensaio “Corpo contra consumo, corpo consumido”, Pereira Leite assinala a conveniência de lembrar este assassinato num momento em que o Brasil “parece renovar suas bodas com a violência como forma de resolução de conflitos políticos e ideológicos”. – dizem os curadores do festival.

Outros espetáculos cariocas que irão compor a programação, fora da mostra principal, são “Nefelibato”, peça de Regiana Antonini (de “Feliz Por Nada”); “Super Moça”, comédia de Márcio Azevedo (de “Corta!”; e “EUS”, solo que marca o retorno de Maria Adélia ao Brasil. Além disso, montagens que passaram recentemente pela cidade também estarão em Curitiba: “Boca de Ouro”, com Malvino Salvador (de “Chuva Constante”); “Grande Sertão: Veredas”, com Caio Blat (de “A Tragédia Latino-Americana”; e “Preto”, com Renata Sorrah (de “Krum”).

“Suassuna – O Auto do Reino do Sol” (Foto: Rhavinne Vaz)

“O Jornal – The Rolling Stone” (Foto: Ana Branco)

“Colônia”, com Renato Livera (Foto: Patrick Sister)

Os ingressos para o festival já estão à venda e custam até R$ 70 na mostra principal. Mas há espetáculos para todos os bolsos. A democratização da arte é uma das bases do evento: estão programadas 384 sessões gratuitas e 138 no sistema “pague o quanto vale”, em que o público escolhe o quando paga. “Colônia” é uma dessas atrações gratuitas. Além disso, 79 espetáculos farão apresentações nas ruas de Curitiba, onde são esperados mais de 30 mil espectadores ao todo. Para conferir a programação completa, clique aqui. A compra das entradas também pode ser feita neste link.

Comentários

comments

Share: