Agenda – Dezembro de 2018 – Teatro em Cena
Em Cartaz

Agenda – Dezembro de 2018



220 Cartas de Amor
Espetáculo documental a partir de cartas trocadas entre um casal de namorados entre 1956 e 1962. Ele morava em Porto Alegre. Ela, em Santa Maria. Mesmo cinco décadas depois, ao abrir e ler as cartas, é possível perceber que o amor segue lá, vivo e turbulento como costuma ser. E traz consigo outras histórias. Histórias de uma época em que as distâncias pareciam maiores e o tempo era realmente outro. Com Gaby Haviaras e Renato Farias. Com direção de Rafael Sieg. Da Cia. de Teatro Íntimo. SERVIÇO: ter e qua, 21h. R$ 40. 80 min. Classificação: livre. Até 12 de dezembro. Teatro Poeirinha – Rua São João Batista, 104 – Botafogo. Tel: 2537-8053.

70? Década do Divino Maravilhoso – Doc. Musical
São mostrados momentos marcantes dos anos 1970 em diversas esferas: acontecimentos da política, moda, comportamento, esportes e artes em geral são embalados por mais de 250 sucessos das músicas brasileira e internacional, divididos em duas partes, como num disco de vinil, em lado A (1970-1976) e lado B (1977-1979). De forma cronológica, depoimentos, fotografias e vídeos vão desfilar no grande telão que tomará conta do centro do palco nesta superprodução, com 24 jovens talentos, uma orquestra de dez músicos, 20 cenários, 300 figurinos, toneladas de luz e som, e mais de 100 profissionais dedicados a criar o espetáculo. Com As Frenéticas e grande elenco. Roteiro de Marcos Nauer, com direção de Frederico Reder. SERVIÇO: qui e sex, 20h30; sáb 17h e 21h; dom, 18h. R$ 40,50 a R$160 (qui e sex), R$ 40,50 a R$ 220 (sáb), R$ 40,50 a R$ 200 (dom). 150 min. Classificação: 14 anos. Até 16 de dezembro. Theatro Net Rio – Rua Siqueira Campos, 143 – Copacabana. Tel: 2147-8060 / 2148-8060.

Acabou o Pó
Inspirado em situações cotidianas, a peça, parte da seleção de histórias do dia-a-dia de duas donas de casa do subúrbio carioca, Nena e Kelly que, em meio aos afazeres domésticos, encontram tempo para fofocar. Observar a vida como uma espécie de voyeur é ainda hoje uma das manifestações mais comuns na humanidade e nossas protagonistas, donas de casa, não fogem à regra. São moradoras do subúrbio carioca e entre os afazeres domésticos, o trabalho e os cuidados com os filhos, reservam o seu tempinho para se divertir. Com Anderson Cunha e Celso André. Texto de Daniel Porto, com direção de Daniel Dias da Silva. SERVIÇO: sex e sáb, 20h. R$50. 60 min. Classificação: 12 anos. Até 23 de dezembro. Teatro Candido Mendes – Rua Joana Angélica, 63 – Ipanema. Tel: 2523-3663.

Adeus, Palhaços Mortos
A obra expõe de maneira provocativa e impactante três velhos palhaços de circo que acidentalmente se reencontram, depois de muitos anos, na antessala de uma agência de empregos. Eles sabem que só um será escolhido. Então suas amizades, memórias, segredos, pequenezas e vilanias serão expostos, criando, dessa maneira, uma ode ao ofício do ator e uma profunda reflexão sobre os fundamentos filosóficos da carreira artística. A sala de espera desse teste de casting, que nunca acontece, se revela um não-lugar, um limbo onde estas três figuras se veem condenadas a rever suas escolhas éticas e estéticas, num exercício infinito de reflexão sobre a resiliência do artista, a urgência da Arte e a sacralidade do ofício. Com Laíza Dantas, Maurício Schneider e Paula Hemsi. Texto de Matei Visniec, com direção de José Roberto Landim. SERVIÇO: sex e sáb, 19h; dom, 18h. R$ 40. 60 min. Classificação: 12 anos. Até 16 de dezembro. Caixa Cultural – Teatro Nelson Rodrigues – Avenida República do Chile, 230 – Centro. Tel: 3980-3815/ 3509-9600.

ÀKILOQNOSKALA
Um território não especificado onde personagens vivem histórias que se intercruzam e problematizam as relações humanas e institucionais. Cinco temas estão presentes nesse teatro- dança: “Família”, “Fome”, “Religião”, “Feminino” e “Medo”. O espetáculo revela uma comunhão com o público na busca de uma reflexão sobre o nosso povo. Com Ana Paula Penna, Carmen Kawahara e outros. Texto de criação coletiva, com direção de Carmen Kawahara. SERVIÇO: seg, 20h30. R$ 40. 80 min. Classificação: 18 anos. Até 10 de dezembro. Solar de Botafogo – Rua General Polidoro, 180 – Botafogo. Tel: 2543-5411.

Alethea Dreams
Mulher em crise recorre a inovador e misterioso experimento que promete transformar sua vida: o Procedimento Alethea. A partir daí questões como verdade, desvelamento e identidade se misturam a aulas de golfe criando uma espiral de acontecimentos irreversíveis. A trama chama a atenção para a fixação das pessoas em se enquadrarem nos estereótipos tidos como ideais a qualquer custo, a ponto de ignorar as consequências, que muitas vezes podem ser irreversíveis. Com Francine Flach, Henrique Manoel Pinho e outros. Texto e direção de Rafael Souza-Ribeiro. SERVIÇO: qua e qui, 20h. R$ 50. 75 min. Classificação: 12 anos. Até 20 de dezembro. Casa de Cultura Laura Alvim – Avenida Vieira Souto, 176 – Ipanema. Tel: 2332-2016.

AMAZONA
Thriller itinerante leva o público para uma saga no enterno da Igreja da Candelária. A peça conta a história de uma guerrilha de mulheres que tenta fazer a vingança da terra sobre a cidade. Com Anna Clara Carvalho, Camila Costa, Chris Igreja, Marcéli Torquato e Victor Seixas. Texto e direção de Ricardo Cabral. SERVIÇO: qua a sex, 19h. Contribuição voluntária. 70 minutos. Classificação: livre. Espetáculo de rua itinerante. Rua da Quitanda, Centro. Tel: 99106-2335.

Angela Maria – Lady Crooner
O musical apresenta a relação da temperamental cantora Carina Breton e seu camareiro Olavo – fã incondicional da cantora Ângela Maria, durante apresentação de um show composto por 26 sucessos gravados pela eterna Rainha da Rádio Nacional em seus 70 anos de uma vitoriosa carreira. Com Lilian Valeska e Mauricio Baduh. Texto e direção de Francis Mayer. SERVIÇO: qui a dom, 19h. R$ 30. 90 min. Classificação: 10 anos. Até 23 de dezembro. Centro Cultural Correios – Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro. Tel: 2253-1580 / 2219-5165.

Através da Iris
Nathalia Timberg está em cena como a empresária e designer de interiores Iris Apfel dando uma entrevista – ela abre sua casa e divide, com uma suposta equipe jornalística, suas histórias e opiniões sobre os mais variados assuntos, sem papas na língua. Através das ideias arrojadas e do humor algo ácido de Iris Apfel, a peça é um elogio à liberdade de ser e de se expressar, em qualquer tempo da vida. Apfel, hoje aos 97 anos, inspira e surpreende artistas e criadores mundo afora com sua autenticidade e pensamento. Suas ousadas misturas ao se vestir, seus acessórios exuberantes, os óculos gigantes e roupas multicoloridas falam sobre a independência a que todos tem direito. Sobre experimentar – e se experimentar – sem medo do julgamento. Texto de Cacau Hygino, com direção de Maria Maya. SERVIÇO: qui, 17h; sex e sáb, 19h30; dom, 18h. R$ 80. 70 min. Classificação: 12 anos. Até 16 de dezembro. Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antônio Carlos, 58 – Centro. Tel: 2544-2533.

Batalha
Doze atores e doze máscaras se confrontam no palco em uma apresentação. Já na chegada, o público é convidado a sugerir temas a serem sorteados e depois improvisados. A plateia vota, torce e participa. Tudo pode acontecer. As equipes são distribuidas sob a batuta do espectador. É dada a partida, times divididos, o mestre de cerimônia expõe as regras. Da Cia. dos Bondrés. Direção de Fabianna de Mello e Souza. SERVIÇO: sáb a seg, 21h. R$ 30. 60 min. Classificação: livre. Até 3 de dezembro. Espaço Cultural Sérgio Porto – Rua Humaitá, 163 – Humaitá. Tel: 2535-3846 e 2535-3927.

O Caso do Novilho Furtado
O espetáculo é o segundo ato da peça “A Pena e a Lei”. Toda a concepção do espetáculo é feita a partir do universo da cultura popular nordestina, inspirada na figura do brincante: artista popular dedicado aos folguedos tradicionais, que canta, dança e toca instrumentos. As personagens, reunidas, dialogam sobre temas, tais como: exploração do trabalhador, as relações de poder, o suborno e a justiça, ou a falta dela. Para isso, fundem-se referências, que vão da farsa ao elemento circense, passando pela música e pela dança. Com Luísa Linhares, Alex Amorim e outros. Direção de Dárdana Rangel e Elda Storani. SERVIÇO: ter, 20h. Entrada franca. 60 min. Classificação: livre. Até 18 de dezembro. Centro Cultural Paschoal Carlos Magno – Rua Lopes Trovão, s/n – Campo de São Bento – Niterói. Tel: 2610-5748.

Cérebro_Coração
Em cena, a atriz encena o que definiu como ‘aula-performance’, ao borrar a fronteira entre o teatro e a sala de aula. Motivada pela leitura de ‘Em Busca do Tempo Perdido’, de Proust, e por uma série de acontecimentos pessoais, a atriz começou a pesquisar, improvisar e escrever sobre memória, linguagem e neurologia. A versão final do texto foi construída no período de ensaios. Atuação e dramaturgia de Mariana Lima, com direção de Renato Linhares e Enrique Diaz. SERVIÇO: qui a sáb, 21h; dom, 19h. R$ 70. 70 min. Classificação: 14 anos. Teatro Poeira – Rua São João Batista, 104 – Botafogo. Tel: 2537-8053.

Com Amor, Vinicius — Ou Como Sobreviver Nesta Selva Oscura e Desvairada
A partir dos anos 70, quando os shows de música migraram em definitivo das boates para os teatros, Vinicius de Moraes adota um formato de apresentação que seria sua marca até morrer, em 1980. O grande poeta e compositor subia o palco tendo a companhia de um exímio violonista e de uma cantora de timbre marcante. Esse formato de apresentação não era algo engessado. Tinha um quê de informalidade. Vinicius cantava, dizia poemas e tinha com o público uma conversa franca sobre temas que julgava pertinentes. E esse clima é justamente levado à cena pelos autores e pela direção. Com Marcos França, Luiza Borges, André Siqueira e Matias Zibecchi. Roteiro de Hugo Sukman e Marcos França, com direção de Ana Paula Abreu. SERVIÇO: sex e sáb, 20h; dom, 19h. R$ 50. 80 min. Classificação: livre. Até 16 de dezembro. Casa de Cultura Laura Alvim – Avenida Vieira Souto, 176 – Ipanema. Tel: 2332-2016.

O Condomínio
O condomínio precisa se reunir. A reunião vai começar. No palco, apenas dois atores para interpretar todos os personagens. Sendo 1, 2, 3, 5, 10 personagens ao mesmo tempo. No centro da trama está Domenico, um cantor e compositor de bossa nova contemporânea, prestes a lançar o seu primeiro show solo. Domenico quer apenas silêncio para compor suas canções. Não é pedir demais. Ele paga seus impostos, respeita as leis (quase totalmente), dá bom dia para todos no prédio, evita entrar em discussões políticas, se considera um cidadão de bem. Acredita que merece ter um pouco de silêncio. Mas hoje em dia isso parece impossível. Em qualquer condomínio, mesmo na rua Domingos Ferreira, a situação é de tensão. De barulho. De guerra. Com o desenvolvimento da história e a chegada do investigador Raymond – que também compõe músicas nas horas vagas. O que era bufo vai ficando sinistro. E Domenico precisa fazer seu show de bossa nova no sábado. Tem que ser um sucesso. Mas como cantar sobre barquinhos quando há gritos e latidos ensurdecedores no corredor? Com Pedroca Monteiro (revezando com Alcemar Vieira) e Sávio Moll. Texto de Pedro Brício, que divide a direção com Alcemar Vieira. SERVIÇO: sáb a seg, 20h. R$ 50. 80 min. Classificação: 12 anos. Até 10 de dezembro. Teatro Ipanema – Rua Prudente de Morais, 824 – Ipanema. Tel: 3518-5220.

Confissões de um Senhor de Idade
Deus encarna no corpo de um simples mortal para propor um estranho pacto ao ator Flavio Migliaccio: se ele ajudar a desvendar um caso estranho que está acontecendo no céu, receberá a recompensa da vida eterna. Num diálogo bem humorado com Deus, Flávio conta suas histórias, suas experiências, suas memórias, saudades e até tristezas, tudo com o bom humor que sempre foi a sua marca. Detalhes da vida íntima do artista também serão revelados – uma forma de presentear o público, em agradecimento ao carinho recebido pela comemoração dos 60 anos de carreira. Com Flavio Migliaccio e Luciano Paixão. Texto e direção de Flavio Migliaccio. SERVIÇO: ter e qua, 21h. R$ 60. 55 min. Classificação: 10 anos. Até 12 de dezembro. Teatro Poeira – Rua São João Batista, 104 – Botafogo. Tel: 2537-8053.

Deflora-te
Classificada pela autora como uma “orgia aos sentidos”, a peça totalmente interativa, convida o público a passear pelo espaço cênico e experimentar uma série de sensações e emoções. Inspirado na obra “O Balcão”, do francês Jean Genet, a peça é uma celebração de gostos, sons, cores e cheiros, que acontecem em diferentes ambientes de uma casa, chamada “Casa de Ilusões”. A peça se passa em um “prostíbulo intelectual” que procura despir a hipocrisia, apresentando uma crítica à realidade social e política, que banaliza fantasias reprimidas em uma luta travada entre o “sagrado e o profano”. Da Cia. Duplô. Com Ana Clara Aldrighi, Beatriz Bresolin e outros. Texto e direção de Gabriela Linhares. SERVIÇO: sex e sáb, 20h. R$ 40. 150 min. Classificação: 18 anos. Até 15 de dezembro. Centro Cultural Jardim das Artes – Avenida Quintino Bocaiuva, 2 – São Francisco – Niterói. Tel: 2082-7772.

Delírios da Madrugada
Show de humor musical apresentado pelo artista multimídia Zéu Britto. Acompanhado por seu violão, conta histórias inusitadas da carreira, poemas e o que a internet trouxer de novidade, moldando uma apresentação nova a cada dia. Intitulada como um “stand-up melody”, o espetáculo garante muita música e diversão. Texto, atuação e músicas de Zéu Britto, com direção de Caio Bucker. SERVIÇO: sex e sáb, 22h. R$ 40. 60 min. Classificação: 16 anos. Até 1º de dezembro. Teatro Municipal Café Pequeno – Avenida Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon. Tel: 2294-4480.

Discórdia
O texto se passa em uma Universidade de artes cênicas no Rio de Janeiro, envolvendo 6 alunos do curso de teatro. Inveja, mentira e falsidade giram em torno do enredo. Rodrigo, aluno cotista, consegue a direção geral da montagem teatral de fim da graduação, despertando a ira de Victor, que finge ser seu amigo e manipula todos os envolvidos em um tipo de “jogo de intriga”. Todo esse movimento leva aos personagens acreditarem em todos os fatos mentiroso que podem acarretar problemas irreversíveis. A peça aborda assuntos como: preconceito, violência contra a mulher e machismo. Com Mateus Silva, Yasmin de Holanda e outros. Texto de Wescley Di Luna, com direção de Francisco Hashiguchi. SERVIÇO: sex, 20h; dom, 19h. R$ 30. De 9 até 16 de dezembro. Rampa Lugar da Criação – Rua Sá Ferreira, 202 – Copacabana. Tel: 3796-7307.

Dogville
A trama se passa na fictícia cidade de Dogville, uma pequena e obscura cidade situada no topo de uma cadeia montanhosa, ao fim de uma estrada sem saída, onde residem poucas famílias formadas por pessoas aparentemente bondosas e acolhedoras, embora vivam em precárias condições de vida. A pacata rotina dos moradores daquele vilarejo é abalada pela chegada inesperada de Grace, uma forasteira misteriosa que procura abrigo para se esconder de um bando de gangsteres. Recebida por Tom Edison Jr., que, comovido pela sua situação, convence os outros moradores a acolhe-la na cidade, Grace, apesar de afirmar nunca ter trabalhado na vida, decide oferecer seus serviços para as famílias da Dogville em agradecimento pela sua generosidade. Porém, no decorrer da trama, um jogo perverso se instaura entre os moradores da cidade e a bela forasteira: quanto mais ela se doa e expõe a sua fragilidade e a sua bondade, mais os cidadãos de bem exigem e abusam dela, levando a situação a extremos inimagináveis. Com Mel Lisboa, Fábio Assunção e outros. Texto de Lars Von Trier, com direção de Zé Henrique de Paula. SERVIÇO: sex e sáb, 21h; dom, 20h. R$ 80. Classificação: 16 anos. Até 16 de dezembro. Teatro Clara Nunes – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2294-1096.

Doidas e Santas
emcartaz-doidasesantas A psicanalista Beatriz vive uma crise. Embora no auge da carreira profissional, a vida pessoal anda um caos. Sua mãe, a extravagante dona Elda, voltou a morar com ela e vive às turras com sua filha adolescente. E o marido Orlando, após vinte anos de casamento, está cada vez mais distante, mais surdo, mais mudo, mais morno, mais jogado no sofá. Um casamento acomodado e duas gerações em crise. Assim, não há “santa” que aguente, qualquer uma fica “doida”. Com Cissa Guimarães, Josie Antello e Giusepe Oristanio. Texto de Regiana Antonini, baseado na obra de Martha Medeiros. Direção de Ernesto Piccolo. SERVIÇO: sex e dom, 20h; sáb, 21h. R$ 80 (sex) e R$ 90 (sáb e dom). 85 min. Classificação: 12 anos. Até 16 de dezembro (com tradução em libras nos dias 9 e 16 de dezembro). Teatro Vannucci – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52- Gávea. Tel: 2274-7246.

Os Dragões Não Conhecem o Paraíso
Um homem reflete sobre o fim de um relacionamento amoroso, usando para isso a metáfora de um dragão. Questões sobre o amor, a solidão urbana e a esperança estão presentes no texto, escrito por Caio Fernando Abreu e publicado em seu livro de contos “Os dragões não conhecem o paraíso”, em 1988. Com Nelson Yabeta. Texto de Caio Fernando Abreu, com direção de Celine Sodré. SERVIÇO: qua, sex e sáb, 19h. R$ 40. 50 min. Classificação: 14 anos. Até 22 de dezembro. O ponto de encontro será informado assim que for confirmada a reserva, sempre próximo à estação de metrô Cantagalo, em Copacabana. Informações e reservas: 99751-9322 (Guilherme Albertini) – osdragoesnaoconhecem@gmail.com
.

Elizeth, a Divina
O musical apresenta, não necessariamente em ordem cronológica, momentos marcantes da vida de Elizeth Cardoso (1920-1990) e sua força poética através da música, do humor e da elegância, marcas registradas de sua personalidade. Momentos como a gravação de “Canção de Amor”, seu primeiro sucesso em disco de 78 RPM, em 1950, o inesquecível show de 1968 no Teatro João Caetano com o Zimbo Trio, Jacob do Bandolim e o conjunto Época de Ouro, sua profunda amizade com Hermínio Bello de Carvalho, seus romances, suas turnês pelo mundo. Como pano de fundo, o panorama histórico de sete décadas será conduzido pelo vasto e conhecido repertório de Elizeth. Com Izabella Bicalho. Texto de Cora Carvalho, com direção de Sueli Guerra e supervisão de João Fonseca. SERVIÇO: sex, 17h; sáb 21h; dom, 19h30. R$ 70 (sex e dom) e R$ 80 (sáb). 100 min. Classificação: livre. Até 2 de dezembro. Teatro das Artes – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2540-6004.

Elza
A trajetória de Elza Soares é sinônimo de resistência e reinvenção. As múltiplas facetas apresentadas ao longo de sua majestosa carreira estarão no musical. Sete atrizes vão dividir a missão de evocar a intérprete. Marcada por uma série de tragédias pessoais – a morte dos filhos e de Garrincha, a violência doméstica e a intolerância –, a jornada de Elza é contada com alegria. Foi este o único pedido da própria cantora. Com Larissa Luz, Késia Estácio e outras. Texto de Vinicius Calderoni, com direção de Duda Maia. SERVIÇO: qui e dom, 19h; sex e sáb, 20h. R$ 40 a R$ 100 (qui), R$ 50 a R$ 130 (sex), R$ 50 a R$ 150 (sáb) e R$ 40 a R$ 100 (dom). 120 min. Classificação: 14 anos. De 7 até 23 de dezembro. Teatro Riachuelo – Rua do Passeio, 38/40 – Centro. Tel: 2533-8799.

Enrolados
Foram selecionados textos das séries “Os Normais”, de Alexandre Machado e Fernanda Young (sucesso com Fernanda Torres e Luis Fernando Guimarães, na TV Globo, nos anos 90), “Comédia da Vida Privada” (de Luis Fernando Verissimo, Pedro Cardoso, entre outros) e filmes como “Pequeno Dicionário Amoroso”, de Sandra Werneck e com roteiro de Paulo Halm, além de textos de alguns autores contemporâneos como Ivan Fernandes, Paula Rocha, Raul Franco, Cristina Fagundes e do próprio Rodrigo Candelot. Toda essa coletânea serviu de base para os muitas esquetes do espetáculo. Com Rodrigo Candelot, Charles Paraventi e outros. Texto e direção de Rodrigo Candelot. SERVIÇO: sex e sáb, 22h30. R$ 50. 70 min. Classificação: 14 anos. Até 15 de dezembro. Teatro Miguel Falabella – Norte Shopping – Avenida Dom Helder Câmara, 5332 – Cachambi. Tel: 2597-4452.

Esgotadas
Elas estão esgotadas. E não é a toa. As atrizes Isabella de Salignac e Maria Clara El-Bainy querem mostrar que não é fácil começar a carreira de atriz. Elas se utilizam do trocadilho para criar esquetes que mostram as dificuldades da vida de um ator – que também sonha com ingressos “esgotados” para fazer jus à profissão (e ao tão sonhado retorno financeiro). Como diria Shakespeare, “ser ou não ser, eis a questão”. Aceitam a existência da dor inerente de viver do teatro ou acabam com o sofrimento e mudam de profissão. Direção de Lorena da Silva. SERVIÇO: dom, 19h. R$ 20. Até 16 de dezembro. Dumont Arte Bar – Praça Santos Dumont, 116 – Gávea.

Esperança na Revolta
Do Paquistão a Ruanda, de Paris a Porto Príncipe, de Sarajevo a Nova York, das montanhas de Damasco às vielas do Complexo do Alemão. A guerra contada em diversos pontos de vista: dos afetados aos massacrados, das mães aos que se explodem; dos que matam e dos que morrem. A única certeza é que não há vencedores, mas para alguns ainda resta alguma esperança. Com Alex Nanin, Cláudia Barbot e outros. Texto e direção de André Lemos.SERVIÇO: sex e sáb, 20h; dom, 19h. R$ 20. 90 min. Classificação: 14 anos. Até 10 de dezembro. Terreiro Contemporâneo – Sala Chico Xavier – Rua Carlos de Carvalho, 53 – Centro. Tel: 2168-6099.

Esse Homem É Meu
Durante a década de 1950, três irmãs vivem sozinhas numa pequena cidade, amarguradas, mas resignadas com uma vida sem perspectivas. Até que recebem a visita de uma prima rica do Rio de Janeiro que decidiu, na companhia do noivo, levar pessoalmente o convite de seu casamento. Humilhadas, elas decidem se vingar. Só não esperavam que tudo fosse sair do controle. O espetáculo, com forte influência do cinema de Pedro Almodóvar, marca a estreia da Temprana Cia de Teatro, cuja pesquisa cênica é baseada no melodrama. Texto de Jean Cândido Brasileiro, que divide a direção com João Corrêa. SERVIÇO: sex a dom, 19h. R$ 30. 105 min. Classificação: 14 anos. Até 16 de dezembro. Centro Cultural Justiça Federal (CCJF) – Avenida Rio Branco, 241 – Centro. Tel: 3261-2565.

Filho do Pai
O espetáculo revela o encontro entre um pai e seu filho, que está ensaiando a peça Hamlet. A partir desse encontro constrangedor entre pai e filho, que nitidamente parecem dois estranhos, é estabelecido um duelo de palavras, que aos poucos vai desvendando a tensa relação entre eles. Um passado sombrio e diversos conflitos mal resolvidos vêm à tona. Com Antonio Pitanga e Nando Cunha. Texto de Maurício Witczak, com direção de Clarissa Kahane. SERVIÇO: ter e qua, 21h. R$ 60. 70 min. Classificação: 14 anos. Até 5 de dezembro. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2239-1095.

Fran World Tour – Eu Só Preciso Ser Amada
É o retrato íntimo de uma palhaça-artista que prepara um show para mostrar todas as suas habilidades “geniais”. Atriz, bailarina, cantora, poeta, modelo, estilista e apaixonada, Fran quer o que todo mundo também deseja: ser amada. Para cativar o espectador (real e imaginário), Fran irá romper os limites palco-platéia tornando o público seu cúmplice na realização dos seus sonhos. Com Rafaela Azevedo, que assina o texto com a diretora Natascha Falcão. SERVIÇO: ter, 20h. R$ 40. 50 min. Classificação: 14 anos. Até 18 de dezembro. Teatro Cândido Mendes – Rua Joana Angélica, 63 – Ipanema. Tel: 2523-3663.

GALÁXIAS I: Todo Esse Céu É um Deserto de Corações Pulverizados
Ao mesclar referências de ficção científica, de registros documentais e TEDs de ciência e tecnologia, o espetáculo acompanha as investigações distópicas de um professor-pensador (Leo Wainer) que busca desvendar, através de uma série de cartas, palestras e vídeos, o enigma da existência da vida na Terra, assim como uma possível mensagem que o Sistema Solar teria a enviar a toda a Humanidade. Em paralelo às buscas do Professor, há o cotidiano de dois irmãos, JP e Zooey (Ciro Sales e Julia Lund), que também se relacionam com as buscas e descobertas desse pensador, refletem sobre as condições da vida na Terra e buscam, cada um ao seu modo, encontrar — ou inventar — sentidos que sustentem as suas próprias existências. Com Ciro Sales, Julia Lund e Leo Wainer. Textos originais de J. P. Zooey, com dramaturgia e direção de Luiz Felipe Reis e co-direção de Fernanda Bond. SERVIÇO: qui a dom, 20h. R$ 30 (ou R$ 7,50). 100 min. Classificação: 14 anos. Até 2 de dezembro. Sesc Copacabana – Mezanino – Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana. Tel: 2547-0156.

Gonzaguinha | Saudade
Manifesto Musical. Embalado pelas canções de Gonzaguinha, o monólogo propõe uma alternativa cênica ao gênero musical biográfico, através de uma apresentação intimista, abordando a trajetória do compositor e resgatando o engajamento de seu discurso, numa tentativa de despertar a memória afetiva para utilizá-la como potência de resistência contra as adversidades sociais que se manifestam no Brasil do século XXI. Texto, direção e atuação de Sandro Melo. SERVIÇO: qui a sáb, 19h; dom, 18h. R$ 30. 80 min. Classificação: livre. Até 16 de dezembro. Castelinho do Flamengo – Praia do Flamengo, 158 – Flamengo. Tel: 2205-0655.

Um Homem, duas Mulheres, três Histórias
A comédia dramática se utiliza do universo das relações amorosas para refletir sobre a referência num modelo idealizado e padronizado que massacra a nossa singularidade, o que temos de mais criativo e espontâneo. Que fragiliza nossos sonhos e desejos mais profundos. Que gera insegurança e confusão; muita confusão. Modelos de ideal e perfeição que parecem garantir uma felicidade duradoura, caso sejam devidamente seguidos, mas que tantas vezes estão em desacordo com nossa experiência direta. Vivemos um tempo em que a superficialidade impera. Onde melhor é postar a foto do que desfrutar o momento. Melhor seguir o roteiro do que olhar pra si, do que buscar se compreender e conhecer o que nos traz de fato alegria e bem-estar. A tragédia desse referencial externo e ilusório é que nos distanciamos de nós. Do que há de mais íntimo e legítimo em nós. E, uma vez distantes de nós, distantes também de qualquer alegria e sentimento de realização genuínos. É aqui que o teatro pode nos ajudar a investigar onde estamos buscando felicidade. Onde acreditamos estar “o certo”. Existe um certo, um modelo único que sirva a todos? Onde está a nossa potência? Que relações ativam essa potência? E, para refletir, nada melhor do que contar histórias… Texto e atuação de Beatriz Napolitani, Mário Sampaio e Mitzi Amado. Direção de Mitzi Amado. SERVIÇO: sex a dom, 20h. R$ 40. Classificação: 16 anos. Até 2 de dezembro. Solar de Botafogo – Espaço II – Rua General Polidoro, 180 – Botafogo. Tel: 2543-5411.

Os Homens Querem Casar e as Mulheres Querem Sexo 2
A comédia conta a história de Jonas que continua sua busca pela mulher perfeita, e nesse processo, encontra deus e para sua surpresa, descobre que deus é mulher e é cearense. Deus então, faz uma proposta para Jonas passar a sentir tudo o que as mulheres sentem para entender a visão feminina sobre o universo masculino. Com Drika Mattos e Carlo Simões, que assina texto e direção. SERVIÇO: sáb, 22h50. R$ 70. Classificação: 14 anos. Até 22 de dezembro. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2239-1095.

Ícaro
Em cena, um único ator e seis histórias com um ponto em comum: depoimentos ficcionais de pessoas cadeirantes. O texto foi escrito pelo próprio intérprete, que teve uma lesão medular sofrida em uma queda de acrobacia área em tecido há 13 anos. A partir de temáticas universais (relação entre pais e filhos, preconceito, relacionamentos amorosos, abandono, suicídio, gravidez, maternidade) a montagem aborda a fragilidade humana a qual todos estamos expostos. Com texto e atuação de Luciano Mallmann, com direção de Liane Venturella. SERVIÇO: qui a sáb, 21h; dom, 19h. R$ 40. 70 min. Classificação: 14 anos. Até 16 de dezembro. Teatro Poeirinha – Rua São João Batista, 174- Botafogo. Tel: 2547-0156.

O Insaciável Zé Carioca
Durante uma interminável greve dos garis, uma figura excêntrica e misteriosa comete uma série de assassinatos em massa no centro histórico do Rio de Janeiro. Um policial militar da operação segurança presente e uma jovem jornalista investigam os crimes. Versões contraditórias sobre o caso se proliferam junto a cadáveres e montes de lixo – enquanto muitos temem por suas vidas, outros enxergam no assassino uma espécie de redenção. Paranoia e violência tomam conta de uma metrópole global abandonada à própria sorte. Com Bruna Trindade, Felipe Bustamante, Maria Celeste Mendozi, Rodrigo Salvadoretti e Zéza. Texto de Felipe Bustamante e Jopa Moraes, que assina a direção. SERVIÇO: dias 6, 7, 10, 14, 15, 17, 19, 20, 21, 22 de dezembro, às 20h. R$ 40. 85 min. Classificação: 16 anos. Espaço Armazém – Fundição Progresso – Rua dos Arcos, 24 – Centro. Tel: 2516-4893.

O Inoportuno
Mick divide um apartamento com seu irmão mais velho Aston. Este traz para dentro de casa Davies, um velho, supostamente um mendigo, que resgatou numa briga em um bar. Com pena do homem, Aston lhe oferece a casa como abrigo até que ele se recupere fisicamente e consiga organizar seus documentos, ora extraviados. Ao longo da trama, obrigados a conviver mais próximos do que desejariam, os interesses, mentiras e conflitos vão se revelando e provocando mudanças no comportamento dos personagens, que navegam entre amor e ódio, pena e repulsa, solidão e tristeza. Com Daniel Dantas, André Junqueira e Well Aguiar. Texto de Harold Pinter, com direção de Ary Coslov. SERVIÇO: sex e sáb, 21h; dom, 20h. R$ 80. 90 min. Classificação: 12 anos. Dia 16 de setembro até 23 de dezembro. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2239-1095.

Insetos
São doze quadros que se entrelaçam formando a narrativa, na qual o autor fala sobre medo e manipulação. Como uma fábula, o texto traça paralelos entre a natureza e questões políticas e sociais da atualidade – evocando comportamentos coletivos e individuais que vão sendo revelados na voz de diferentes insetos: cigarra, gafanhoto, barata, louva-a-deus, besouro, mariposa, borboleta, mosquito, cupim e formiga, entre outros. Com Gustavo Gasparani, Marcelo Olinto e outros. Da Cia. dos Atores. Texto de Jô Bilac, com direção de Rodrigo Portella. SERVIÇO: sex a seg, 20h. R$ 50. 80 min. Classificação: 14 anos. Até 10 de dezembro. Sede das Cias – Escadaria Selarón – Rua Manoel Carneiro, 12 – Lapa. Tel: 2137-1271.

Joio
Na história, Jéssica enfrenta verdadeiro dilema. Com o agravamento da dependência química de sua mãe, a jovem precisa proteger suas irmãs e ainda se proteger. Joio fala sobre essas tragédias urbanas contemporâneas que raramente se tornam conhecidas. Com Gabriela Estolano, Higor Nery e outros. Da Cia. Cerne. Texto e direção de Vinicius Baião. SERVIÇO: ter e qua, 20h. R$ 30. 55 min. Classificação: 14 anos. Até 19 de dezembro. Teatro Municipal Café Pequeno – Avenida Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon. Tel: 2294-4480.

Leréias
Um caboclo voltando para o seu vilarejo após anos na cidade grande; uma jovem que abandonou a vida na roça depois de ter sido molestada às vésperas do casamento (e acabou se prostituindo na capital); um homem que, por razões inexplicáveis, acaba matando sua companheira de muitos anos; e um fanfarrão às voltas com suas aventuras amorosas compõem parte do surpreendente e divertido mundo de Valdomiro Silveira. Com Jandir Ferrari. Texto de Valdomiro Silveira, com direção de Caio de Andrade. SERVIÇO: sáb, 20h; dom, 19h. R$ 30. 70 min. Classificação: 13 anos. Dias 1 e 2 de dezembro. Cidade das Artes – Sala Eletroacústico – Avenida das Américas, 5300 – Barra da Tijuca. Tel: 3328-5300.

O Livro dos Espíritos – A Saga de Kardec
Adaptação das passagens de vida do educador, escritor e tradutor francês Hippolyte León Denizard Rivail, no século XIX, a partir do primeiro contato com experiências mediúnicas até a decisão de publicar o seu primeiro livro sobre a Doutrina Espírita, chamado “O livro dos espíritos”, sob o pseudônimo de Allan Kardec. Com Rogério Fabiano, Érica Collares e outros. Texto de Cyrano Rosalém, com direção de Rogério Fabiano e Érica Collares. SERVIÇO: qua, 21h; qui, 18h. R$ 70. 70 min. Classificação: livre. Até 20 de dezembro. Teatro Vannucci – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2274-7246.

A Maravilhosa História da Mulher Que Foi Tirar um Retrato
Monólogo retrata, com perspicácia, as mudanças atravessadas pelas mulheres nas últimas décadas. Para falar de tudo isso a atriz dá vida a ninguém menos que a heroína dos quadrinhos, a Mulher Maravilha. Idealização e performance de Luisa Friese. Texto e direção de Joelson Gusson. SERVIÇO: sáb a seg, 19h30. R$ 30. 50 min. Classificação: 14 anos. Até 10 de dezembro. Espaço Municipal Sérgio Porto – Rua Visconde Silva, s/n – Humaitá. Tel: 2535-3846.

Mármore
Um mundo em que há uma pressão social para demonstrar alegria constante e qualquer sinal de tristeza é discriminado. Parece familiar? As crianças já nascem sorrindo e a diferença entre perfeição e realidade é quase imperceptível. Nesse contexto em que a melancolia é um sentimento marginal, o espectador acompanha a angústia de uma família que tenta manter as aparências enquanto o próprio bebê apresenta um desvio comportamental imperdoável: ele chora. Em meio à crise, o casal ainda tem que lidar com um compromisso social, um jantar com a irmã e seu marido. Durante o espetáculo, fragmentos do jantar se alternam com reflexões dos próprios personagens, confundindo projeções idealizadas e realidade. Cabe ao público interpretar esse retrato distorcido por mentiras e hipocrisias. Com Vitor Novello e Fernanda Alice. Texto da Cia. De Bolso e direção de Gabriel Rochlin. SERVIÇO: sáb e dom, 20h. R$ 40. 50 min. Classificação: livre. Até 16 de dezembro. Reduto – Rua Conda de Irajá, 98 – Botafogo. Tel:

Minha Futura Ex
O ditado diz: “Quando um não quer, dois não brigam”. Mas será que ele é válido na separação de um casal, onde apenas um dos cônjuges quer consumá-la? E será que um elevador parado e sem luz é o local ideal para se “arrumar as gavetas” desta relação? Depois de anos de vida em comum, podemos ter certeza de que conhecemos a pessoa com a qual dividimos nossa vida? Talvez a solução encontrada por este casal seja um ponto de partida para que muitos outros possam se identificar e, assim chegar, quem sabe, a um melhor entendimento. Com Agnes Xavier e Helio Zachi. Texto de Lina Rossana Ostrovsky, com direção de Rogério Fabiano. SERVIÇO: qui a dom, 19h. R$ 30. Classificação: 16 anos. Até 2 de dezembro. Centro Cultural Correios – Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro. Tel: 2253-1580.

Moça Velha Não Faz Milagre
Sucesso na internet Santa Alfabeta é uma professora suburbana que retrata de forma e bem-humorada o dilema da virgindade após os 40 anos. Traz á tona seus encontros com o passado e planos para o futuro. Com Crazú. Texto de Sidnei Oliveira, com direção de Márcio Vieira. SERVIÇO: dom, 20h. R$ 50. 60 min. Classificação: 14 anos. Até 16 de dezembro. Teatro Princesa Isabel – Avenida Princesa Isabel, 186 – Leme. Tel: 2275-3346.



Nerium Park
Em cena, Miguel e Malu são um casal de classe média em busca de qualidade de vida e da possibilidade de construir uma família longe da loucura da cidade. A compra de um apartamento no condomínio Nerium Park, um empreendimento residencial, parece ser a tradução desse sonho. Mas o entusiasmo inicial do casal com o conforto e o espaço da nova casa, com piscina e um parque, vão desaparecendo à medida em que os meses se passam e ninguém mais se muda para os prédios. É como se eles vivessem em uma cidade fantasma. A crise econômica e o desemprego afastam os possíveis compradores, e Miguel e Malu se veem isolados dentro de um estilo de vida que parecia perfeito para eles. Porém, quando uma terceira pessoa aparece no condomínio, a trama ganha um outro sentido. Com Rafael Baronesi e Pri Helena. Texto de Josep Maria Miró, com direção de Rodrigo Portella. SERVIÇO: sex a dom, 19h. R$ 30. 100 min. Classificação: 16 anos. Até 2 de dezembro. Teatro Dulcina – Rua Alcindo Guanabara, 17 – Centro. Tel: 2240-4879.

A Nobre Arte de Bater a Porta
Show teatralizado com músicas do teatro musical brasileiro, norte-americano e britânico. O elenco é formado por atores de 11 a 30 anos e ganhará o reforço de participações especiais ao longo da temporada: Claudio Lins (dia 12), Gottsha (dia 14), Kacau Gomes (dia 18) e Izabella Bicalho (dia 19). Direção de Reiner Tenente. Do CEFTEM. SERVIÇO: ter a sáb, 19h30. R$ 40. 120 min. Classificação: livre. De 12 até 22 de dezembro. Teatro Municipal Serrador – Rua Senador Dantas, 13 – Centro. Tel: 2220-5033.

No Pirex
Boquélia (a dona da casa), Bencrófilo (o garçom jovem), Bonita (a cozinheira), Ubaldo (o garçom velho) e Alcebíades (o velho) são os cinco personagens que, em volta de uma mesa, dão vida a uma história que mais parece um pesadelo cômico. Ou um jantar surrealista? Uma festa macabra? Uma versão gótica do MadTeaParty do país das maravilhas? Tudo isso ou nada disso: a piração de “No Pirex” é aberta a múltiplas leituras do público. Com Cristiano Araújo, Eduardo Machado e outros. Texto de Eid Ribeiro, que divide a direção com Grupo de Teatro Armatrux. SERVIÇO: sex a seg, 19h. R$ 30. 60 min. Classificação: 12 anos. Até 17 de dezembro. Centro Cultural Rio de Janeiro (CCBB) – Teatro I – Rua Primeira de Março, 66 – Centro. Tel: 3808-2020.

OUTROS
Alteridade e poesia. Foi mergulhando nesses dois temas que diretor, atores e atrizes começaram, na prática, o processo de criação de “OUTROS”, que nasce como uma consequência natural do amadurecimento das dúvidas e inquietações contemporâneas trabalhadas na montagem de “NÓS” (2016). O resultado é uma peça tecida com os rastros de memória presentes não só no discurso, mas nos corpos das atrizes e atores que ocupam a cena. O texto do espetáculo foi construído na sala de ensaio, a partir do material levantado em exercícios e performances de rua, individuais e coletivas – que trabalharam com questões de natureza privada no espaço público e vice-e-versa – propostas pelo diretor e pelos próprios atores, que participaram anteriormente de um laboratório sobre vivência de performance, ministrado pela atriz e performer Eleonora Fabião. Com Teuda Bara, Antonio Edson e outros. Do Grupo Galpão. Texto de Eduardo Moreira, Marcio Abreu e Paulo André, com direção de Marcio Abreu. SERVIÇO: qua a sáb, 19h; dom, 18h. R$ 30. 100 min. Classificação: 16 anos. Até 23 de dezembro. Teatro Sesc Ginástico – Avenida Graça Aranha, 187 – Cento. Tel: 2279-4027.

Pequena Miss Sunshine
Prática de montagem do CEFTEM, baseada no filme escrito por Michael Arndt. A história é bem conhecida do público. O sonho da pequena Olivia é participar do concurso da Pequena Miss Sunshine. Ela embarca então em uma divertida e comovente viagem com o pai, o tio, o avô, o irmão e a mãe. A família tem que correr contra o tempo para que Olive chegue no horário e possa fazer a apresentação criada pelo seu avô. Com Fernanda Gabriela, João Teles e outros. Texto de James Laipine, com direção de Sérgio Módena. SERVIÇO: ter e qua, 20h. R$ 40. 120 min. Classificação: 12 anos. Até 19 de dezembro. Teatro Cesgranrio – Rua Santa Alexandrina, 1011 – Rio Comprido. Tel: 2103-9682.

Uma Pilha de Pratos na Cozinha
Quatro amigos num apartamento com uma pia lotada de louça suja, metáfora sobre o submundo de São Paulo, falam sobre vida e morte ao som de muito rock’n roll. É neste contexto que acontece o drama “Uma Pilha de Pratos na Cozinha”, que encerra a trilogia da Praça Roosevelt. Com Rodrigo Rosado, Silvana D’Iacoc e outros. Texto de Mário Bortolotto e direção de Alexandre Borges. SERVIÇO: ter e qua, 19h. R$ 30. 55 min. Classificação: 16 anos. Até 5 de dezembro. Casa de Cultura Laura Alvim – Espaço Rogério Cardoso – Avenida Vieira Souto, 176 – Ipanema. Tel: 2332-2016.

Por Elas
Um grupo de mulheres desconhecidas entre si que, em comum, têm a violência na sua vida amorosa, está reunido para falar sobre suas histórias. Conforme os relatos vão acontecendo, os conflitos, preconceitos, a dor e a própria violência surgem no grupo. Com Elisa Pinheiro, Adriana Seiffert e outros. Texto de Ricardo Leite Lopes e Silvia Monte, que assina a direção. SERVIÇO: ter a dom, 19h. R$ 30. 80 min. Classificação: 14 anos. Até 20 de dezembro. Caixa Cultural – Teatro de Arena – Avenida Almirante, 25 – Centro. Tel:.

O Porteiro
Monólogo conta histórias reais, coletadas através de entrevistas, de vários porteiros nordestinos que deixaram sua cidade natal em busca da realização de seus sonhos no Rio de Janeiro. Diante do não comparecimento do síndico do prédio em que Waldisney trabalha, o porteiro assume o comando da reunião de condomínio. Com Alexandre Lino. Texto e direção de Paulo Fontenelle. SERVIÇO: sex a dom, 20h. R$ 40. 70 min. Classificação: 16 anos. Até 23 de dezembro. Teatro Municipal Café Pequeno – Rua Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon. Tel: 2294-4480.

O Que É Que Ele Tem
Adaptação do livro autobiográfico de Olivia Byington. Logo que nasceu, em 1981, João foi diagnosticado com a raríssima síndrome de Apert, causada por uma mutação genética que gera acrocefalia (desenvolvimento do crânio anormal) e sindactilia (pés e mãos fundidos total ou parcialmente). Aos 22 anos e mãe de primeira viagem, Olivia Byington viu seu filho sair diretamente da maternidade para o centro cirúrgico, quando iniciou uma verdadeira odisseia, com dezenas de cirurgias, alguns erros médicos e viagens para tratamento em outros países.Ela precisou interromper a bem-sucedida carreira de cantora que iniciava para se lançar ao enorme desafio que vinha pela frente. Após todo o período inicial, ainda que os problemas de saúde volta e meia voltassem a aparecer, Olivia começou uma outra batalha, ainda mais complexa: a luta pela inclusão de seu filho em um mundo que não está preparado para conviver com a diferença. Com Louise Cardoso. Texto de Renata Mizrahi, com direção de Fernando Philbert. SERVIÇO: qui a sáb, 19h; dom, 18h. R$ 40. Até 16 de dezembro. Teatro SESI Centro – Avenida Graça Aranha, 1 – Centro. Tel: 2563-4163.

Radioativa
A peça se passa numa radio as vésperas de um ano novo. Tem inspiração em programas radiofônicos de sucesso do passado como PRK30, mas traz dentro da “programação” adaptações de cenas que fazem parte do legado da dramaturga nacional, um resgate de cenas de espetáculos como Liberdade Liberdade, O Homem do Principio ao Fim, Rasga Coração, aliados a cenas inéditas escritas por Francisco Ohana e outras pelos próprios atores formados pela CAL num trabalho colaborativo. Com Isabelle Nassar, Karen Marinho e outros. Roteiro e direção de Cesar Augusto. SERVIÇO: sex a seg, 20h. R$ 30. 85 min. Classificação: 12 anos. Até 3 de dezembro. Teatro Glaucio Gill – Praça Cardeal Arcoverde, s/n – Copacabana. Tel: 2332-7904.

Romeu e Julieta
Apresentar a peça mais famosa da História sob nova ótica: essa é a proposta da montagem. Com elenco, direção e equipe criativa jovens, o espetáculo muda o foco do suposto romantismo do casal para a intolerância em uma sociedade partida. Para ambientar o público nesse ambiente de violência e rebeldia, a equipe criativa apostou na convivência pacífica da estética punk e do som do rock com a dança de corte do século XVI e os versos de Shakespeare, em tradução inédita, do próprio diretor, que alia a poesia do original com linguagem acessível. Com Lucélia Pontes, Gabriel Flores e outros. Texto de William Shakespeare, com direção de Antonio Ventura. SERVIÇO: sex e sáb, 20h; dom, 19h. R$ 40. Classificação: 16 anos. Até 23 de dezembro. Teatro Municipal Maria Clara Machado – Planetário da Gávea – Avenida Padre Leonel Franca, 240 – Gávea. Tel: 2274-7722.

La Ronde – A Ronda do Amor
A peça desenvolve uma espiral de diálogos e relações que se desenvolvem antes e depois de uma conquista sexual. O desejo e a ética são as discussões levantadas, o purismo é defendido por palavras, mas nunca praticado pelos personagens que pouco se conhecem e são apresentados como arquétipos de sua função social: a Prostituta, o Soldado, o Rapaz, a Empregada e o Marido. Com Francine Flach, Rodrigo Pinho e outros. Texto de Arthur Schinitz, com direção de Zé alex. SERVIÇO: sáb a seg, 20h. R$ 30. 55 min. Classificação: 16 anos. Até 10 de dezembro. Sala Municipal Baden Powell – Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 360 – Copacabana. Tel: 2547-9147.

Rugas
Por que as palavras velho, velha e velhice são usadas de maneira pejorativa? Por que os velhos sofrem preconceito e, muitas vezes, se veem desamparados e rejeitados? Como promover uma maior relação entre as gerações? No espetáculo, cientista que deseja fazer o tempo parar reencontra a mãe idosa e reflete sobre o envelhecimento. Com Claudiana Cotrim e Vanja Freitas. Texto de Hérton Gustavo Gratto, com direção de Amir Haddad. SERVIÇO: qua, 18h30. R$ 60. 65 min. Classificação: livre. Até 12 de dezembro. Teatro Maison de France – Avenida Presidente Antônio Carlos, 58 – Centro. Tel: 2544-2533.

O Segundo Armário
Tudo começa quando em abril daquele ano, Gabriel recebe a notícia que mudaria toda a sua vida: seu último exame foi positivo para HIV-1. Ele sempre fez exames com regularidade e sempre se protegeu, mas em algum momento, foi infectado pelo vírus. Sem ter com quem conversar, compartilha com o público seus momentos de desespero, aflição e tristeza, em que não consegue enxergar além da sua própria fragilidade entregando-se aos medos. Na sociedade atual, carregada de preconceitos, a homossexualidade é perseguida e discriminada ferozmente, sendo que para os diagnosticados com HIV essa intolerância é ainda maior. Ao dizer “o segundo armário”, Gabriel refere-se ao fato de ter que se esconder, por carregar em seu organismo esse vírus. Com Hugo Caramello. Texto de Antonio de Medeiros, com direção de Jean Mendonça. SERVIÇO: ter, 19h. R$ 20. Classificação: 18 anos. Dias 11 e 18 de dezembro. Memorial Municipal Getúlio Vargas – Sala Zaíra de Oliveira – Praça Luís de Camões, s/n – Glória. Tel: 2205-8191.

Sobre o Que Não Sabemos
A peça leva para a cena alguns questionamentos e reflexões a partir das intervenções em enfermarias de hospitais do município do Rio de Janeiro e suas reverberações. A partir disso, surgiu um espetáculo inédito sobre o não saber das coisas diante da vida e da morte. Tema central da montagem, o “não saber” tem em si tanto o poder de tornar as pessoas imóveis, quanto o de impulsioná-las. Com Eber Inácio, Kadu Garcia e outros. Do Grupo Roda Gigante, com direção de Denise Stutz. SERVIÇO: sex a dom, 18h. R$ 30 (ou R$ 7,50 para associados Sesc). 50 min. Classificação: 16 anos. Até 16 de dezembro. Sesc Copacabana – Sala Multiuso – Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana. Tel: 2547-0156.

Tebas Land
Premiada com o prestigioso Award Off West Enden London, além de cinco indicações ao Prêmio Max, da Espanha, “Tebas Land” narra a trajetória de um escritor de teatro que, buscando motivação para um novo espetáculo, escolhe contar a história de um jovem assassino real, preso e condenado após ter matado o próprio pai. O espaço cênico é extremamente simples e depurado: uma quadra de basquete dentro de um presídio, monitorada por câmeras de segurança, onde se desenrola toda a ação da peça. O espetáculo expõe temas de grande relevância: o funcionamento e a falência dos sistemas prisionais, o sentido e o alcance da arte nos tempos atuais e a violenta complexidade das relações familiares. Com Otto Jr. e Robson Torinni. Texto de Sergio Blanco, com direção de Victor Garcia Peralta. SERVIÇO: qui a dom, 20h. R$ 30. Classificação: 16 anos. Até 21 de dezembro. Oi Futuro Flamengo – Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo. Tel: 3131-3060.

Terceiro Dia
Itabira, 1918. É imposto ao jovem Carlos Drummond de Andrade, aos 14 anos, por seus pais severos e abastados, que termine seus estudos num tradicional colégio interno em Nova Friburgo- Rio de Janeiro. Nos próximos dois anos Drummond conhece a dor da solidão, os dissabores da perda, a saudade de sua casa, bem como o colo de sua mãe. Nesses mesmos dois anos Drummond descobre sua paixão pelos livros, conhece a primeira paixão e para nosso bem encontra escape em suas poesias, onde expurga todas as suas dores, dúvidas e descobertas. A atriz, em uma pesquisa esmiuçada sobre a obra de Drummond, encontrou no seu “lado B” um roteiro em fragmentos desses dois anos tão importantes na vida do poeta. Uniu-se ao diretor e juntos mergulharam fundo no mundo de angústias e questionamentos típicos da idade e resolveram transformar o que poderia ser um clássico recital, num espetáculo teatral jovem, moderno, elegante e de extremo bom gosto, sem desrespeitar a poesia do Poeta Maior. Com leves toques de humor a atriz leva seu público a embarcar nesta locomotiva de versos oferecida por Drummond. Com Conceição Rios. Texto de Carlos Drummond de Andrade e direção de Márcio Azevedo. SERVIÇO: qua e qui, 19h. R$ 40. 50 min. Classificação: livre. Até 13 de dezembro. Teatro Glauce Rocha – Avenida Rio Branco, 179 – Centro. Tel: 2220-0259.

Tudo o Que Há Flora
emcartaz-tudooquehaflora Flora repete um ritual diário antes do almoço, que vai desde a meticulosa arrumação da mesa até o uso do mesmo laquê, à espera de Armando, quando dois homens ) invadem seu apartamento. Discussões e revelações acontecem em meio à tensão gerada pela iminente chegada do marido, levando Flora a um inevitável e doloroso reencontro com um passado que ela luta para esquecer. Da Nossa! Cia. de Teatro. Com Leila Savar, Lucas Drummond e Thiago Marinho. Texto de Luiza Prado, com direção de Daniel Herz. SERVIÇO: sex e sáb, 20h; dom, 19h. R$ 30. 75 min. Classificação: 12 anos. Dias 14, 15 e 16 de dezembro. Teatro Armando Gonzaga – Avenida General Osvaldo Cordeiro de Farias, 511 – Marechal Hermes. Tel: 2332-1040.

A Última Aventura é a Morte
A PeQuod lança-se numa nova investigação cênica intitulada A última aventura é a morte, a partir do poema Nota 409 do dramaturgo alemão Heiner Müller. Escrito no ano de sua morte, em 1995, o poema é a base para uma encenação que entrecruza Artes Visuais e Performance e traz novos elementos ao universo da Cia., que desta vez estará a serviço de uma discussão política e contemporânea, coerente com sua trajetória de borrar fronteiras, gêneros, estilos e purismos. Com Liliane Xavier, Mariana Fausto e outros. Texto de Heiner Müller, com direção de Miguel Vellinho. SERVIÇO: qua a dom, 19h30. R$ 20. 45 min. Classificação: 18 anos. Até 16 de dezembro. Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) – Rua Primeiro de Março, 66 – Centro. Tel: 3808-2020.

Vala Comum
O cenário é uma casa, numa rua bucólica do bairro carioca da Tijuca. O público acompanha a história, passando por diversos cômodos do ambiente. É uma experiência, sobretudo, provocadora. O preço do ingresso também é um desafio: cabe a quem assistir escolher o valor com que pode contribuir para a montagem. Há um limite na plateia que circula pela casa assistindo a encenação. Cabem, no máximo, 15 pessoas por sessão. Através do processo de experimentações e ensaios, encontrou-se a principal vertente do espetáculo: a CARNE, no sentido da massificação e industrialização das vidas, que não passam de mercadoria. O público é conduzido para uma espécie de museu da carne, onde, de forma itinerante, atravessa as etapas destrinchadas do processo onde o boi vira um alimento a ser comido e digerido. O estado de violência e opressão do dia a dia nos transforma nesses bois, que já nascem destinados a morrer, com uma vida regulada e comprimida dentro de padrões, em um processo de poder onde o que está fora dessa cadeia de produção são as vidas, que pouco importam. Com Gaia Garcia, Maria Cândida Portugal e outros. Texto de Caroline Lavigne, com direção de Ivan Sugahara. Do Impulso Coletivo. SERVIÇO: qui a seg, 19h30. Contribuição voluntária. 80 min. Classificação: 16 anos. Até 23 de dezembro. Casa da Tijuca. Reservas pelo Whatsapp 98601-0715.

Venus Ex Libris
Um homem e uma mulher que se conheceram através de um aplicativo marcam um encontro numa noite qualquer na região central de uma metrópole contemporânea. Eles decidem viver uma fantasia erótica de dominação e submissão inspirada no livro “A Vênus das Peles” de Sacher-Masoch. Ele deseja ser submetido por ela, que aceita o desafio. Ambos então começam um jogo, cada um declara os seus princípios, mas os limites e as regras permanecem indefinidos. Entre quatro paredes, os dois dão vazão às suas fantasias, no limiar entre a dor e o prazer. A excitação vai revelando conteúdos obscuros e um profundo desejo pelo poder que se dá através de uma disputa entre homem e mulher com forte teor de energia masculina de ambas as partes. Com Ana Carolina Godoy e Rafael Steinhauser. Criação coletiva. Direção de Luiz Fernando Marques. SERVIÇO: qua a dom, 20h. Pague quanto quiser: pagamento consciente ao final do espetáculo (valor sugerido: R$ 30). 90 min. Classificação: 16 anos. De 12 até 16 de dezembro. Casa Quintal – Rua Silvio Romero, 36 – Lapa.

Verborrágica
Cândida é uma atriz bem-sucedida, financeiramente e profissionalmente, que está prestes a comemorar seus 30 anos de carreira. Sempre envolvida em grandes produções, como musicais e clássicos, desta vez, nossa heroína resolve optar por abrir sua vida, suas memórias, boas e ruins, na frente do seu público. Revelando segredos íntimos de seus seis casamentos, filhos, mãe, amigos e dela própria, sempre contando com ajuda de amigos e público convidados ao palco. Com Inês Galvão. Texto de Laís Mendes Pimentel e Márcio Azevedo, que assina a direção. SERVIÇO: sex a dom, 19h. R$ 40. 65 min. Classificação: 10 anos. Até 16 de dezembro. Teatro Glauce Rocha – Avenida Rio Branco, 179 – Centro. Tel: 2220-0259.

Zilda Arns – A Dona dos Lírios
“Se queres a paz, prepare-te para a guerra” é um conhecido provérbio romano que parece ter sido adotado com precisão cirúrgica pela médica Zilda Arns. Agora, essa trajetória de luta e sucesso é revivida no espetáculo. Zilda Arns visitou todas as cidades brasileiras – chegou com a missão de salvar vidas de norte a sul do país, de lixões a aldeias indígenas, das periferias dos grandes centros aos interiores sertanejos, nenhum lugar lhe escapava. Um trabalho desbravador, que muitas vezes lembra a expedição dos irmãos Villas-Bôas. Com Simone Kalil. Texto de Simone Kalil e Luiz Antonio Rocha, que assina a direção. SERVIÇO: seg, 20h. R$ 50. 60 min. Classificação: livre. Até 17 de dezembro. Teatro Candido Mendes – Rua Joana Angélica, 63 – Ipanema. Tel: 2523-3663.

Saraiva

———-

INFANTIL

Contos Partidos de Amor
Inspirado na obra do escritor Machado de Assis, novo musical infantojuvenil aborda de forma bem-humorada e poética sentimentos presentes na vida tanto de crianças quanto de adultos: o amor e o ciúme. Com Diego de Abreu, Isadora Medella e outros. Texto de Eduardo Rios, com direção de Duda Maia. SERVIÇO: sáb, 16h e 19h; dom, 16h. R$ 30. 50 min. Classificação: livre. Recomendação etária: 6 anos. Até 16 de dezembro. Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) – Teatro II – Rua Primeiro de Março, 66 – Centro. Tel: 3808-2020.

Diário de Pilar na Grécia
Pilar é uma menina muito esperta e bem humorada. Ela mora com a mãe e o avô Pedro. Não conheceu o próprio pai, que “misteriosamente” saiu de sua vida, antes mesmo dela nascer. Um dia seu avô parte para uma viagem rumo à Grécia, e ela morrendo de saudades, resolve viajar também. Mas logo depois recebe a notícia de que seu avô não voltará mais de lá… Inconformada e decidida, Pilar encontra um presente deixado por ele: uma rede mágica que pode levá-la a qualquer lugar que desejar. Com Miriam Freeland, Roberto Bomtempo e outros. Baseado no livro de Flavia Lins e Silva. Adaptação e direção de Symone Strobel. SERVIÇO: sáb e dom, 17h. R$ 60. Classificação: livre. Até 23 de dezembro. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2239-1095.

Malala, a Menina Que Queria Ir Para a Escola
Primeira adaptação teatral do livro-reportagem infanto-juvenil da escritora e jornalista Adriana Carranca. A peça conta a saga de uma jornalista, curiosa, desbravadora e inquieta, que atravessa meio mundo para descobrir o que aconteceu de verdade com uma menina chamada Malala Yousafzai e porque ela estava sendo perseguida. Era uma missão perigosa, pois a terra natal de Malala, um vale de extraordinária beleza no interior do Paquistão, havia se tornado um território proibido para jornalistas. Vestida como as mulheres do Vale do Swat, a jornalista circula pelas ruas da cidade, se hospeda na casa de moradores locais, conhece as amigas de Malala, sua escola e até mesmo a casa onde morava. Com Adassa Martins, José Karini e outros. Adaptação de Rafael Souza-Ribeiro, com direção de Renato Carrera. SERVIÇO: sáb e dom, 15h. R$ 60. 70 min. Classificação: livre. Até 16 de dezembro. Teatro Oi Casa Grande – Avenida Afrânio de Melo Franco, 290 – Leblon. Tel: 2511-0800.

Pequeno Príncipe
O musical conta a história do príncipe que, durante sua jornada, chega ao Planeta da Música. Ele encontra alguns seres nativos como o violino, a viola, o violoncelo e também a Rainha Doroteia, uma majestosa cantora que o apresenta a esse mundo mágico e encantador, há anos não visitado. Com Leonardo Nogueira e Loren Vandal. Texto de Antoine de Saint-Exupéry, com adaptação e direção de Manuel Thomas. SERVIÇO: sáb e dom, 18h. R$ 30 (plateia alta) e R$ 50 (plateia baixa). Classificação: livre. Dias 15 e 16 de dezembro. Cidade das Artes – Avenida das Américas, 5300 – Barra da Tijuca. Tel: 3325-0102.

Pinnochio, o Musical
O espetáculo é uma releitura contemporânea, que despertará o interesse das crianças pela abordagem de temas relacionados à educação, respeito, obediência aos pais, tudo de uma forma lúdica, bem humorada e emocionante. Com Silvia Bertelli, Ismar Martins e outros. Texto de Ana Ferguson e Solange Bighetti, que dividem a direção com Luiz Marcelo. SERVIÇO: sáb, dom e feriados, 18h30. R$ 60. 50 min. Classificação: livre. Até 16 de dezembro. Teatro Vannucci – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2274-7246.

O Show da Luna – Ao Vivo de Natal
A cientista que faz sucesso nas telinhas retorna ao Rio de Janeiro com um novo espetáculo, especial de Natal. Luna e sua turma irão encantar os fãs em um espetáculo musical lúdico e muito divertido. As canções que serão apresentadas no palco, de autoria de André Abujamra e Márcio Nigro, foram especialmente coreografadas para o show. Em cena, há um grande elenco de bailarinos e atores que vão contracenar com a cientista preferida das crianças. Durante as apresentações, Luna, Júpiter e Cláudio vão tentar descobrir como a água vira chuva, se tem alguém vivendo em Marte e porque as bolhas são redondas em uma aventura repleta de canções, dança e fantasia. SERVIÇO: sáb e dom, 14h. R$ 80 (balcão) e R$ 120 (plateia). 60 min. Classificação: livre. Dias 15 e 16 de dezembro. Theatro Net Rio – Rua Siqueira Campos, 143 – Copacabana. Tel: 2147-8060 / 2148-8060.

Games Mais Vendidos

Comentários

comments