Irmão de Chorão critica musical do Charlie Brown Jr. e diretores rebatem – Teatro em Cena
+ TeatroColuna Social

Irmão de Chorão critica musical do Charlie Brown Jr. e diretores rebatem

O aniversário de dois anos de morte do Chorão trouxe à tona uma briga familiar, com lavagem de roupa suja em público. O irmão do roqueiro, Ricardo Abrão, gravou uma série de vídeos criticando o sobrinho Alexandre, filho do cantor, e sua mãe, Thaís. Sobrou até para o musical “Dias de Luta, Dias de Glória – Charlie Brown Jr., o Musical”, que ainda nem estreou. Indignado com o projeto e demonstrando raiva direcionada ao diretor Bruno Sorrentino, ele diz que só tomou conhecimento do espetáculo pela TV. “Poxa, quer fazer uma peça relacionada ao meu irmão, então pega a família verdadeira, pega o conteúdo verdadeiro, não pega as mentiras… Tem que ter respeito”. Ricardo acredita que a dramaturgia contará uma história fantasiosa.

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

O maior questionamento dele é quanto à escalação de uma atriz (Carolina Oliveira, da novela “Ti Ti Ti”) para interpretar Thaís, a mãe do Alexandre. Segundo Ricardo, ela não faz parte da história do Chorão de uma maneira positiva, e ele duvida que a peça mostrará isso. “Será que o Bruno Sorrentino vai colocar um carro no palco, com a Thaís ou a atriz que vai interpretá-la dentro, transando com outro cara e meu irmão flagrando? Porque a participação dela na vida dele é essa: traição e humilhação”. Na opinião dele, o espetáculo mostrará “um negócio que não existe”. “Cadê a Graziela, que é a mulher de verdade dele? A musa inspiradora do meu irmão é a Grazi”.

Na verdade, Graziela, a segunda mulher do cantor, também tem um personagem no musical, interpretado por Patrícia Coelho (de “CINZA”). Em defesa do projeto, Bruno e Luiz Sorrentino, os dois diretores, publicaram uma carta aberta, ressaltando que o processo criativo durou um ano, envolvendo pessoas próximas ao Chorão, que “contribuíram de forma altruísta em prol do nome, do legado que foi deixado aos milhares de fãs”. O maior aliado do espetáculo, como se sabe, é Alexandre, o filho do cantor.

Na carta aberta, os diretores declaram que o musical é uma homenagem à banda Charlie Brown Jr. e ao Chorão, sem pretensões de denegrir a imagem de ninguém. “Basta assisti-lo para ver como cada um é retratado”. Os diretores dizem ainda que se precaveram com um boletim de ocorrência, por causa da “série de vídeos gravados de forma amadora e com um teor de ‘loucura e falta de sobriedade’. Nas gravações, porém, Ricardo diz que não usa drogas e está “consciente” (lúcido), ainda que sem dormir há dias.

Quanto ao musical, ele estreará no dia 13 de março no Teatro Gamaro, em São Paulo, com previsão de vir ao Rio de Janeiro só no segundo semestre.

Confira todos os vídeos e a carta aberta na íntegra:

Comentários

comments