Plantão

Teatro infantil aquecido: “os discursos ganharam maior profundidade”

“Por quê???”, um dos destaques da programação atual (Foto: Julio Ricardo)

As adaptações de princesas da Disney e de heróis dos quadrinhos ainda estão por aí no teatro infantil, mas não são mais dominantes. A produção teatral voltada para crianças tem ganhado em qualidade e pluralidade nos últimos anos, atraindo tanto artistas que antes fugiam desse segmento quanto um novo público, ávido por novidades. Atualmente são várias as opções interessantes em cartaz. Estreou no Teatro Ipanema no último fim de semana, por exemplo, o espetáculo “Por quê???”, que questiona as restrições de gênero ditadas pela sociedade – em outras palavras aquela história de “isso é coisa de menino”, “isso é coisa de menina”. O assunto está em voga entre adultos buscando se desconstruir. Mas as crianças já têm a oportunidade de se construírem com novas referências.

– O capitalismo e a necessidade de vender tornaram as ‘caixas’ do que é ‘de menino’ e do que é ‘de menina’ mais delimitadas que nunca, porém, a maioria das crianças não se enquadra nessas caixas, no que é imposto de cima para baixo. O objetivo dessa peça é levar representatividade a essas crianças e mostrar que tudo que elas têm de diferente é, justamente, o que elas têm de riqueza. A natureza individual de uma criança não pode ser reprimida por preconceitos reproduzidos social e culturalmente. – diz a autora e diretora Diana Herzog, que escreveu a peça baseada no livro “Para Educar Crianças Feministas”, da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie.

“O Choro de Pixinguinha” (Foto: Cláudia Ribeiro)

Como se pode notar, as influências para as obras têm sido mais densas e originais, também. Vale dizer que o líder de nomeações à 12ª edição do Prêmio Zilka Salaberry, o mais antigo do teatro infantil carioca, é “Thomas e as Mil e uma Invenções”. O espetáculo, com oito indicações, aborda o universo do inventor Thomas Edison, criador da lâmpada, entre outros itens. “Gosto muito de escrever sobre temas com os quais crianças e adultos possam se identificar”, diz a autora Vanessa Dantas. Essa premissa norteia também outros projetos nessa revitalização do teatro infantil. É o caso de “O Choro de Pixinguinha”, que estreia no sábado (18/8) no Oi Futuro Flamengo. O espetáculo acompanha cinco crianças (interpretadas por adultos) que fazem um trabalho para a escola sobre o ícone do chorinho. O musical é uma criação do mesmo time de artistas por trás de “Sambinha”, “Bossa Novinha” e “Forró Miudinho”, infantis vencedores de vários prêmios.

“Tropicalinha – Caetano e Gil Para Crianças” (Foto: Andrea Rocha ZBR)

Outro exemplo é a série premiada “Grandes Músicos Para Pequenos”, criada pelo autor Pedro Henrique Lopes e o diretor Diego Morais. A dupla já criou espetáculos infantis em torno da obra e da biografia de artistas como Luiz Gonzaga, Braguinha e Milton Nascimento. No próximo fim de semana, estreiam “Tropicalinha – Caetano e Gil Para Crianças”, com título autoexplicativo, no Teatro XP Investimentos, na Gávea. O espetáculo conta a história de dois amigos unidos para destronar uma rainha autoritária, que proibiu música no reino. A aventura é embalada por canções de Caetano e Gil.

– Acho que o que mais mudou nos últimos anos foi o público. As crianças de hoje em dia não são as mesmas de cinco anos atrás. Elas já nascem com um tablet nas mãos fazendo buscas online. Com isso, os espetáculos infantojuvenis também precisaram evoluir para se comunicar com esta nova geração. Os discursos ganharam maior profundidade, mais camadas… E isso não aparece só no teatro infantil, mas na produção cultural voltada a este público como um todo. Além de serem mais sinceros que os adultos, agora eles também são muito bem informados! – Pedro Henrique Lopes diz ao Teatro em Cena.

“Makupuni” (Foto: Rafael Bisbis)

Pensando nisso, a pesquisadora Vida Oliveira (de “Ex.troll.gênio”) adaptou para o teatro infantil sua pesquisa sobre o formato de peça-game, com interação mediada por tecnologia. Seu mais recente espetáculo, “Makupuni”, em cartaz no Teatro Ziembinski, na Tijuca, convida as crianças a serem co-autoras da história. Por meio de placas coloridas, os espectadores votam e definem os rumos da trama. “Makupuni” explora ainda o teatro de animação, com bonecos, sombras e mapping. Os adultos agora têm que rebolar para prender a atenção de alguém – imagine de crianças que já nascem com post no Instagram.

A efervência do teatro infantil atrai também artistas famosos, de olho nesta fatia do mercado. Heloísa Perissé estreou seu infantil “Lololendi” junto com seu adulto “Loloucas”, ocupando duas faixas de horário do Teatro dos Quatro, na Gávea. “Comecei minha carreira trabalhando com teatro infantil e sempre quis fazer uma personagem que fosse uma mistura de Mary Poppins, Noviça Rebelde e Nanny McPhee”, ela diz. Agora, dá vida a uma mulher que, pressionada pelas dívidas, se torna cuidadora de crianças e resgata brincadeiras de sua própria infância, transformando sua casa em “Lololendi” uma brincadeira com “land” em inglês: Terra da Lolô. “A história tem potencial para vários desdobramentos. Temos várias ideias a partir desse trabalho e um canal no Youtube é uma que já iremos colocar em prática”, adianta a atriz.

“Lololendi” (Foto: Dado Marietti)

_____
O CHORO DE PIXINGUINHA: sáb e dom, 16h. R$ 20. 60 min. Classificação: livre. De 18 de agosto até 4 de novembro. Oi Futuro Flamengo – Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo. Tel: 3131-3060.

_____
LOLOLENDI: sáb e dom, 17h. R$ 40. 60 min. Classificação: livre. Até 30 de setembro. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52, 2º piso – Gávea. Tel: 2239-1095.

_____
MAKUPUNI: sáb e dom, 16h. R$ 30. 40 min. Classificação: livre. Até 26 de agosto. Teatro Municipal Ziembinski – Rua Urbano Duarte, 30 – Tijuca. Tel: 3234-2003.

_____
POR QUÊ???: sáb e dom, 16h. R$ 30. 50 min. Classificação: livre. Até 9 de setembro. Teatro Ipanema – Rua Prudente de Morais, 824 – Ipanema. Tel: 2267-3750.

_____
TROPICALINHA – CAETANO E GIL PARA CRIANÇAS: sáb e dom, 16h. R$ 60. 55 min. Classificão: livre. De 18 de agosto até 9 de setembro. Teatro XP Investimentos – Avenida Bartolomeu Mitre, 1110 – Gávea. Tel: 3807-1110.

Comentários

comments

Share: