The Book of Mormon estreia na Cidade das Artes com lotação máxima e gente do lado de fora – Teatro em Cena
+ TeatroColuna Social

The Book of Mormon estreia na Cidade das Artes com lotação máxima e gente do lado de fora

Nem mesmo a chuva e o friozinho carioca afastaram os espectadores da estreia de “The Book of Mormon” na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca. A primeira das seis sessões, no sábado (24/5), repetiu o sucesso das temporadas anteriores: lotação máxima, com pessoas do lado de fora. O evento, aliás, começou com um pedido de desculpa a elas “por não ter um lugar maior para se apresentar”. Detalhe: a Grande Sala, que não se chama assim à toa, conta com 1222 lugares. É realmente um fenômeno popular.

(Foto: Leonardo Torres)

(Foto: Leonardo Torres)

“A gente está muito feliz de fazer parte desse projeto, que começou há sete anos”, disse o protagonista Hugo Kerth, referindo-se à pesquisa em teatro musical do professor Rubens Lima, que assina a direção. Isso mesmo: a peça mais comentada da atualidade é uma montagem acadêmica, fruto de um projeto da UNIRIO, com adesão de outras universidades. “Somos todos estudantes e estamos muito felizes de mostrar o que estamos aprendendo. Muito gratos!”.

 

Diretor analisa sucesso de The Book of MormonSenhas para o dia seguinte já eram requisitadas. O espetáculo não pode arrecadar com bilheteria e convites gratuitos começam a ser distribuídos 1h30 antes das sessões. Mas as pessoas chegam muito antes. Quem deixa para a última hora só encontra outra fila: a de barrados. A atriz Alessandra Maestrini (de “New York, New York”) já passou por isso na temporada da UERJ e, dessa vez, não cometeu o mesmo erro. “Cheguei um pouquinho atrasada na UERJ e não pude entrar, junto com uma multidão. Hoje trouxe minha mãe e uma grande amiga. Amei ver a casa lotada”, declarou.

Teatro lotado. (Foto: Leonardo Torres)

Teatro lotado. (Foto: Leonardo Torres)

Ela também viu a peça na UNIRIO, e se emocionou. Essa é outra questão comentada do projeto: os espectadores retornam, trazendo mais gente. “As pessoas voltam por causa da qualidade, pela paixão sincera dos artistas em cena, e também da equipe técnica e de produção. Todos os envolvidos, além de serem muito bons, estão muito compromissados com a qualidade do espetáculo”, Maestrini disse ao Teatro em Cena. Lília Cabral (de “Maria do Caritó”), Ciro Barcelos (de “Dzi Croquettes em Bandália”) e Luiza Lapa (de “Across the Universe – O Musical”) também estavam presentes.

A única reclamação geral foi no intervalo da peça: a cafeteria da Cidade das Artes não atende a demanda do enorme público. Dos males, o menor. A dica é levar um biscoitinho e uma garrafa d’água na bolsa, para evitar a fila na pausa de 15 minutos na encenação. Banheiros, ao menos, há aos montes.

“The Book of Mormon” terá sessões ainda no domingo (25/5) às 19h; quarta (28/5) às 21h; quinta (29/5) às 21h; sexta (30/5) às 21h30; e sábado (31/5) às 21h.

Comentários

comments