Tudo ao Contrário

Tudo ao Contrário celebra o orgulho LGBT em noite criativa

Evento de teatro musical arrecada fundos para Sociedade Viva Cazuza

Com ingressos esgotados, o evento musical Tudo ao Contrário realizou sua segunda edição na terça (23/5), no Teatro Riachuelo, no Centro. Em formato de show, com 25 números musicais independentes, o evento reuniu 98 atores-cantores e sete músicos para celebrar a diversidade e combater a homofobia. Teve beijo entre mulheres, beijo entre homens, alfinetada em Jair Bolsonaro, topless coletivo e, tratando-se de uma reunião de artistas, não poderia faltar o protesto obrigatório “Prefeito, Pague o Fomento”. Entre os destaques, estiveram Jarbas Homem de Mello (de “Roque Santeiro, o Musical”) cantando “On My Own” (de “Les Misérables”), Tiago Abravanel cantando e dançando “Be Italian” (de “Nine”), Thati Lopes (de “Se Eu Fosse Você”) e Evelyn Castro (de “Vamp – O Musical”) com um dueto de “A Bela e a Fera” e o reencontro de atores de “O Despertar da Primavera”. O número mais aplaudido foi “Cell Block Tango” (de “Chicago”), interpretado por homens – um repeteco de 2016 que continua dando certo.

Raphael Rossatto e Gabriel Leone (Foto: Leonardo Torres)

Lilian Valeska e Kacau Gomes (Foto: Leonardo Torres)

Thati Lopes e Evelyn Castro, e Renan Mattos e André Sigom (Foto: Leonardo Torres)

A proposta do Tudo ao Contrário é simples e desafiadora: performances inéditas com inversão de gênero – homens interpretando as princesas da Disney, por exemplo. Canções consagradas por personagens femininos ganham releituras masculinas e vice-versa, ou são vistas sob a ótica da homoafetividade. Para se ter uma ideia, Gottsha abriu o evento com uma interpretação de “Doce Travesti” (de “Rocky Horror Show”). A atriz também fez um discurso, em defesa da tolerância: “todo ser humano tem o dever de respeitar as diferenças”. O interessante é que todos os envolvidos participam sem nenhum cachê e, no geral, têm poucos ensaios.

– É uma responsabilidade muito grande levantar tudo isso, mas ao mesmo tempo é maravilhoso. A gente começou a ensaiar os números maiores com um mês de antecedência. Mas eram ensaios de uma vez por semana ou, quando chegou mais próximo, duas vezes por semana. E em horários alternativos, porque todo mundo trabalha e tem outras coisas para fazer, então era tipo até 1h da manhã… ou domingo de manhã… coisas assim. – comenta o diretor Reiner Tenente (de “Só Por Hoje – O Musical”).

“Hair” (Foto: Leonardo Torres)

MAIS VÍDEOS
– Reencontro: atores de O Despertar da Primavera cantam medley do musical
– Tiago Abravanel apresenta “Be Italian” – com direito a coreografia
– Jarbas Homem de Mello canta “On My Own”
O Tudo ao Contrário é uma importação do Broadway Backwards, promovido anualmente pela instituição Broadway Cares/Equity Fights AIDS nos Estados Unidos. Aqui no Brasil, a realização é do CEFTEM, com direção de Reiner e João Fonseca (de “Cássia Eller – O Musical”), com a renda da bilheteria revertida para a Sociedade Viva Cazuza, que trata de crianças portadoras de HIV/AIDS. “Para mim, o mais importante desse evento é que, a partir daí, fui conhecer o trabalho da casa. Foi maravilhoso”, destaca Thati Lopes, que foi convidada pelo diretor musical Tony Lucchesi para participar desta edição. Ela topou sem pestanejar.

– A gente vem porque a gente quer mesmo. É uma causa importantíssima. A gente vem com a maior alegria. Tem Tudo ao Contrário todo ano e eu virei até ficar velhinha, se o João me chamar. – diz Stella Maria Rodrigues (de “Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, o Musical”), que fez um dueto romântico com Marya Bravo (de “Forever Young”).

“West Side Story” (Foto: Leonardo Torres)

“Dream Girls” (Foto: Leonardo Torres)

“Sunset Boulevard”(Foto: Leonardo Torres)

Princesas (Foto: Leonardo Torres)

“Rocky Horror Show” (Foto: Leonardo Torres)

“Company” (Foto: Leonardo Torres)

“O Beijo no Asfalto – O Musical” (Foto: Leonardo Torres)

“Chicago” (Foto: Leonardo Torres)

Ney Latorraca (Foto: Leonardo Torres)

“Cazuza – O Tempo Não Para, o Musical” (Foto: Leonardo Torres)

“Matilda” (Foto: Leonardo Torres)

“Ópera do Malandro” (Foto: Leonardo Torres)

Neste ano, houve ainda homenagens. Jarbas Homem de Mello dedicou “On My Own” ao amigo Marcos Tumura, figura emblemática do teatro musical brasileiro, que faleceu há poucos dias. Já João Fonseca e Reiner Tenente relembraram a morte da iniciante Renata Figueiredo, que fez parte do elenco que inaugurou o Teatro Riachuelo no musical “Garota de Ipanema – O Amor É Bossa” em 2016. A ela, dedicaram o medley de “O Despertar da Primavera”. Mas não parou por aí. Em sua apresentação de “Teresinha” (de “Ópera do Malandro”), Ney Latorraca – em cartaz com “Vamp, o Musical” – compartilhou com o público palavras de sua madrinha artística, Marília Pêra (1943-2015): “eu sinto sua presença. É forte isso. É uma energia”. Ele também sublinhou a qualidade da nova geração do teatro musical brasileiro, que ele chamou de “artistas completos”, diferentes de sua geração. Stella Maria Rodrigues concorda:

– É ótimo ver esses jovens misturados com a gente mais velha, que começou no teatro musical lá atrás. A gente cantava só porque tinha uma peça que precisava cantar. Não tinha esse preparo. Não existia esses jovens incríveis que a gente vê hoje. É ótima essa mistura que o espetáculo faz: chama a galera da escola mais antiga, bota a galera nova, e fica uma diversão lá na coxia.

Para quem perdeu, já há planos para o Tudo ao Contrário 2018. Espectadores saíram do teatro elogiando o salto qualitativo de 2016 para 2017, e empolgados para ver mais. Reiner Tenente, por sua vez, entregou em entrevista ao Teatro em Cena: “a gente já tem lista de ideias que não couberam nessa edição e deixamos para o ano que vem”. Então, até lá.

Hugo Kerth e Victor Maia (Foto: Leonardo Torres)

Claudia Netto (Foto: Leonardo Torres)

Gabriel Leone (Foto: Leonardo Torres)

Evelyn Castro e João Fonseca (Foto: Leonardo Torres)

Caio Loki (Foto: Leonardo Torres)

Thati Lopes (Foto: Leonardo Torres)

Eline Porto (Foto: Leonardo Torres)

Estrela Blanco, Lua Blanco e Ícaro Silva (Foto: Leonardo Torres)

Kacau Gomes (Foto: Leonardo Torres)

Comentários

comments