CURITIBA – Durante quatro dias seguidos, o ator-performer Igor Leal se apresentou com o espetáculo “Espécie” no Movimento Enxame – Espaço de Criação, como parte do Festival de Curitiba. Sozinho no palco, ele surpreendeu o público ao aparecer completamente nu e com uma corda enfiada no ânus. Por cerca de uma hora, ele permaneceu assim, fazendo posições e contorcionismos no chão, raramente dizendo um fiapo de texto, e na maior parte do tempo interagindo com os espectadores. A outra ponta da corda, que se assemelhava a um rabo, acariciava os rostos das pessoas ou era entregue nas mãos para que segurassem. Alguns ficavam constrangidos, outros abertos e interessados. Na reta final da sessão, na segunda (2/4), uma jovem se emocionou e chorou, abraçada a Igor.

(Foto: Lina Sumizono)
(Foto: Lina Sumizono)

A sinopse disponível no site oficial do festival diz que “Espécie” é “uma experiência que usa das sexualidades como via de expressão artística, ampliando noções de vida e prazer para transcender categorias sociais de sexo e amor”. O programa entregue ao público no fim da sessão destaca se tratar de uma produção independente e sublinha: “que neste gesto ritual de renovação dos desejos possamos transformar a rédea, esse nó que prende o cu, e expandir em fúria criativa para devorarmos o mundo. E que tudo seja amor”.

A dramaturgia é de Ana Luisa Santos, com direção de Fernanda Branco Polse. A dupla integra a plataforma artística “O Que Você Queer”, co-criadora do espetáculo junto com o coletivo Beijo No Seu Preconceito, de Belo Horizonte. De acordo com o release enviado à imprensa, o trabalho apresentado parte da vivência LGBTIQ+ e da “investigação na pós-pornografia”, com intuito de indagar como a sociedade vê seus desejos, o prazer e alteridade no mundo contemporâneo.

(Foto: Lina Sumizono)
(Foto: Lina Sumizono)
(Foto: Lina Sumizono)

*O repórter viajou a convite do Festival de Curitiba.