A obra de Ney Matogrosso é vasta. São 37 álbuns e 12 DVDs entre 1973 e 2014, fora boxes e coletâneas. Parte desse repertório será resgatado, com releituras teatralizadas, em “Puro Ney” – musical inédito, que homenageia o cantor e tem estreia marcada para a próxima terça (22/8), no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea, onde ficará por três meses. No palco, Soraya Ravenle (de “Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos”) e Marcos Sacramento (de “A Cuíca de Laurindo”) vão interpretar 24 canções escolhidas a dedo. Chegar a esse número, claro, não foi nada fácil.

(Foto: Leo Aversa)

– Para o roteiro do musical, preferi me concentrar nas canções que trazem a marca indelével e exclusiva de Ney. – explica Luís Filipe de Lima, que assina roteiro, direção, direção musical e arranjos do espetáculo – São todas canções feitas especialmente para ele, ou lançadas por ele em primeira mão. Como sugere o próprio título, todo o repertório é “puro Ney”. Por isso, deixei de lado preciosidades como os sambas de Cartola relidos por ele, ou canções de Villa-Lobos como a belíssima “Melodia sentimental”, por exemplo.

O musical é dividido em blocos temáticos, que organizam o repertório. O primeiro é pautado pela transgressão e a originalidade, o segundo trata da latinidade presente em sua trajetória, o terceiro traz canções reflexivas de cunho social ou existencial, o quarto foca em músicas de Carmen Miranda regravadas por Ney, e o quinto bloco fala de amor e sexo. “O último é o mais quente e explosivo de todos”, pontua Luís. O espetáculo não tem texto. São apenas músicas, com elementos eletrônicos, e interseções em projeções gravadas por Ney especialmente para as cenas. Mas não é show. Luís enquadra o trabalho como musical aos moldes de “Beatles Num Céu de Diamantes”e “Sassaricando”.

– Antes de mais nada, o que afasta “Puro Ney” da categoria de show musical é o jogo cênico proposto em cada canção, que é tratada como um quadro teatral. O videocenário, o sensível e elaborado trabalho de corpo desenvolvido pela diretora de movimento Lavínia Bizzotto, a iluminação de Paulo César Medeiros, os arranjos musicais, o encadeamento do roteiro, todos esses elementos estão enfeixados em favor deste sentido teatral que é o principal suporte do espetáculo. Mesmo prescindindo de falas, “Puro Ney” ultrapassa a categoria de “show teatralizado”, com números de plateia e algumas pequenas surpresas. – o diretor explica ao Teatro em Cena.

(Foto: Leo Aversa)

A ideia do tributo partiu da produtora Cinthya Graber, amiga de Ney Matogrosso. Com isso, o trabalho foi desenvolvido com proximidade com o homenageado. Ele abriu sua casa para uma reunião antes do início dos ensaios e colocou seu acervo de fotos, documentos e figurinos à disposição da equipe criativa. “Sempre muito generoso e atento, Ney só ofereceu e confiou, não impôs nada, não delimitou nada”, conta Luís Filipe de Lima, que considera um presente a chance de desenvolver o espetáculo com Ney tão próximo. “Primeiro, por sua generosidade. Depois, pela chance de entendê-lo mais de perto, de respirtar junto com ele toda a sua singularidade”. Além das imagens para o videocenário, Ney também fez fotos de divulgação com os atores.

Soraya Ravenle e Marcos Sacramento foram escolhidos para o elenco pelo diretor, que já havia trabalhado com eles no show “Breque Moderno” em 2006. A dupla também já foi vista junta no espetáculo “É Com Esse Que Eu Vou” em 2010. Luís Filipe de Lima queria um cantor e uma cantora para recriar a dualidade masculino/feminino presente no legado de Ney Matogrosso. “Além disso, só dois artistas com muita luz própria conseguem encarar a dureza que é reler o repertório de alguém tão poderoso como Ney Matogrosso. Sacramento e Soraya têm estatura de sobra para conduzirem o público em meio ao vasto, rico e personalíssimo universo de Ney”, conclui.

_____
SERVIÇO: ter a qui, 20h30. R$ 70. 90 min. Classificação: 12 anos. De 22 de agosto até 30 de novembro. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52 – Gávea. Tel: 2239-1095.