O dramaturgo Walter Daguerre, indicado ao Prêmio Shell por “Josephine Baker – A Vênus Negra”, tem um novo projeto: “Amy – Variações do Azul”. A peça inédita se inspira em notícias sobre a vida de Amy Winehouse e no “Jogo da Baleia Azul”, que causou polêmica na mídia e alarmou pais e responsáveis de crianças e adolescentes. Juntando os dois temas, seu espetáculo busca propor uma reflexão sobre o “mal estar da modernidade líquida”, que atinge principalmente os jovens. Amy Winehouse morreu aos 27 anos, por conta de consumo abusivo de bebidas alcoólicas após um período de abstinência. A cantora tinha problemas com abuso de álcool e drogas.

(Foto: Reprodução)

Surgido em uma rede social da Rússia, o Jogo da Baleia Azul pode estar associado a mais de 100 casos de suicídio no mundo. Pela Internet, curadores propunham uma série de 50 desafios e tarefas aos jogadores, que mostravam o cumprimento nas redes sociais com as hashtags pedidas. No nível mais avançado, a tarefa exigida era o suicídio. Houve vítimas no Brasil. O escândalo estourou na imprensa internacional em 2017. O homem que diz estar por trás da criação do jogo fatal, Philipp Budeikin, disse à polícia que queria fazer uma “limpeza na sociedade”.

Na peça, as 50 tarefas do Jogo da Baleia Azul são amarradas a fatos da vida de Amy Winehouse. Para o autor, a artista personifica a contemporaneidade, com aumento de depressão e exposição pública entre adolescentes e jovens adultos. Canções dos dois álbuns da artista serão usadas no espetáculo, que terá direção de Otávio Müller (de “Decameron”).

Ainda não há data de estreia. O projeto está em fase de captação.