Wagner Cavalcante (de “Lá na Casa da Galinha Pintadinha”) entrou no elenco de “Capitães da Areia – O Musical” no susto, com os ensaios já acontecendo, e logo recebeu uma notícia: teria que mudar o visual. Para viver Sem Pena, um dos personagens do livro icônico de Jorge Amado (1912-2001), ele passou a máquina no cabelo e confrontou sua vaidade. “Foi estranho, me senti muito feio. Sempre fui vaidoso com o cabelo, mas sempre quis fazer um personagem que me exigisse isso. É importante para o personagem essa mudança, não ligo para estar bonito no palco, o que importa é se vai compor o personagem”, diz ao Teatro em Cena.

Wagner antes e depois da máquina (Fotos: DIvulgação)

No espetáculo, que estreia no próximo dia 18 no Teatro Glaucio Gill, ele é dirigido por Marcello Caridade (de “Tutti Frutti”) e contracena com outros 12 atores. A história é a do livro: um grupo de menores de idade abandonados cresce nas ruas de Salvador e é perseguido pela polícia por praticar assaltos frequentemente. Para Wagner, o trabalho está sendo desafiador. “Estou me preparando, descobrindo e criando ao longo dos ensaios”, conta o ator, “o Sem Perna tem sangue nos olhos, tem uma deficiência física. Estar em cena com certa ‘limitação’ é difícil”. Na trama, cada personagem tem uma especificidade.

Para a preparação, ele releu o livro e viu o filme de 2011, dirigido por Cecília Amado. O musical o fez redescobrir Sem Perna. “Embora ele seja um cara ruim, amargo, tem os momentos dele de criança. Acho muito triste a vida de todos eles, mas gosto desse lado obscuro da vida dele”, sinaliza.

_____
SERVIÇO: sex e sáb, 21h; dom e seg, 20h. R$ 50. 90 min. Classificação: 14 anos. De 18 de maio até 11 de junho. Teatro Glaucio Gill – Praça Cardeal Arcoverde, s/n – Copacabana. Tel: 2332-7904.