Já pensou em ir ao teatro na hora do almoço? O Grupo Nós do Morro vai proporcionar isso, inaugurando um horário alternativo no Teatro Glauce Rocha, no Centro. Estreia nesta quarta (24/10) a temporada do espetáculo “Encontros, 32 Anos Depois”, que será apresentado de quarta a domingo, sempre às 13h30, com entrada gratuita. O objetivo é contornar o esvaziamento do Centro no horário noturno – por questões de segurança e transporte, principalmente – e abrir uma possibilidade de entretenimento para os trabalhadores, estudantes e pessoas que circulam pela região neste horário. É muita gente, como se sabe.

(Foto: Felipe Paiva)

– Muitas pessoas moram em lugares distantes e não podem fazer isto no horário noturno, por causa de seu retorno para casa. – pontua Guti Fraga (de “Abalou – Um Musical Funk”), diretor do espetáculo com Fátima Domingues (de “Romeu e Julieta”) – Além dos trabalhadores, também temos feito contatos com escolas e entidades educacionais que funcionam no centro e nos arredores, convidando alunos e professores para as apresentações. Até agora, a resposta tem sido bastante receptiva e já temos confirmada a presença de vários grupos de alunos de escolas públicas da área da Central do Brasil, região portuária e de Santa Teresa.

“Encontros” é especial para o Nós do Morro. Foi o primeiro espetáculo montado pelo grupo, em 1987, no Vidigal, tratando justamente da vida dos adolescentes na favela na década de 1980. Era uma maneira dos moradores se reconhecerem através da experiência teatral. A peça agora é resgatada em comemoração às três décadas de existência e resistência do grupo. Como diz o diretor, “celebrar a vida e a luta desses sonhadores dentro das comunidades da periferia por liberdade e direito de expressarem a sua arte”. Para a nova montagem, o texto ganhou releitura assinada por Fabrício Santiago, com colaboração de Álamo Facó (de “Trajetória Sexual”), atualizando situações para o contexto atual globalizado. Smartphones entram em pauta, por exemplo.

(Foto: Felipe Paiva)

– O espetáculo dialoga o tempo inteiro com o público mostrando que os smartphones e a tecnologia diminuíram as distâncias entre os povos, mas a desigualdade e a pobreza ainda são obstáculos para que possamos alcançar um mundo mais irmão e aberto para conviver com as diferenças de raça, credo e de gênero. – o diretor diz ao Teatro em Cena – Remontar esse texto é uma forma de reafirmar que continuamos acreditando em tudo o que nos motivou desde o início.

Um dos objetivos básicos do Nós do Morro desde a sua fundação é abrir espaço para que as pessoas tenham acesso à arte e à cultura, consideradas forças motoras para transformação de vidas. A ideia de ocupar o horário do almoço com uma obra teatral autoral casa com a filosofia de democratização da arte. “Acreditamos que vamos oferecer uma oportunidade para que as pessoas, que conhecem o grupo mas que ainda não tiveram oportunidade de assistir o nosso trabalho, possam ter o acesso facilitado para experimentar junto com a gente o modo de fazer teatro do grupo. Mais do que a apresentação de um simples espetáculo, esperamos abrir um espaço de diálogo e de debate com este público para discutir o caminho do oferecimento de arte em nosso país, mostrando que a ida do teatro aos locais onde o público está pode ser uma solução para a crise sem fim da falta de público nas produções teatrais em curso em nossa cidade”, pondera Fraga.

_____
SERVIÇO: qua a dom, 13h30. Entrada franca. 50 min. Classificação: 14 anos. Até 10 de novembro. Teatro Glauce Rocha – Avenida Rio Branco, 179 – Centro. Tel: 2220-0259.