A atriz Berta Loran (de “Pais Criados, Trabalhos Dobrados”) completa 90 anos de idade em março, e vai receber uma série de homenagens. O jornalista e produtor cultural João Luiz Azevedo, que trabalhou com ela em vários espetáculos nas últimas duas décadas, escreveu um livro contando a história da artista. A biografia, em formato de perguntas e respostas, como uma longa entrevista, se chamará “Berta Loran: 90 Anos de Humor” e terá prefácio do diretor Claudio Botelho (de “Kiss Me, Kate – O Beijo da Megera”). O lançamento está marcado para o dia do aniversário dela, 23 de março, em evento no Teatro Oi Casa Grande, no Leblon, juntamente com uma exposição fotográfica e um show com convidados especiais.

BL 02

A comemoração envolve várias personalidades. João colheu 120 depoimentos para o livro e para um vídeo que será exibido no lançamento. Entre os selecionados, estão a crítica Barbara Heliodora e os artistas Bibi Ferreira e Jô Soares, por exemplo. “Como eu admiro aquela figura no palco, na cena. É uma pessoa maravilhosa. Tem uma dicção perfeita, fala bem, anda bem, se comunica bem. É uma grande artista”, elogia Bibi, amiga pessoal da estrela. Detalhe: Berta Loran ainda não teve acesso aos depoimentos colhidos. Só poderá lê-los na data especial. “Espero que ela esteja preparada para tanta emoção”, diz o organizador do projeto. “Poucos têm a oportunidade de serem reverenciados em vida. A Berta Loran será homenageada e reverenciada em vida, por seus amigos, familiares e fãs”.

É muita história para contar. A atriz nasceu em Varsóvia, na Polônia, e chegou ao Brasil aos 11 anos, às vésperas da 2ª Guerra Mundial, instalando-se no Rio, onde descobriu o chuveiro, o vaso sanitário e o cacho de bananas. Na cidade, também, começou a trabalhar como artista. Fez peças, shows, novelas, séries e programas de comédia. Além disso, se apresentou com temporadas em Buenos Aires, na Argentina, e morou por seis anos em Portugal, por conta de um casamento, atuando muito em teatro.

berta loran

São da Varsóvia as lembranças mais duras. Totalmente lúcida, Berta fala sobre a infância com detalhes. No livro, conta a história de um tio que tremia do braço direito e um dia anunciou que faria uma cirurgia para resolver o problema. Quando voltou, porém, a família notou que ele mancava de uma das pernas. Sua resposta foi enfática: “passo roupa com as mãos e os braços, não com as pernas”. Ele trabalhava na alfaiataria do pai de Berta, passando roupa à ferro de carvão. Prioridades.

Para reunir todas essas lembranças, o projeto levou um ano para ficar pronto. Inicialmente, João e Berta pensavam em fazer um livro pequeno, com poucas fotos e alguma citações. Mas chegaram a mais de 100 imagens. Quanto aos depoimentos, igualmente: dos 35 iniciais saltaram para 120. O resultado são mais de 200 páginas. “Todos fizeram questão de participar dessa homenagem e elogiaram muito a aniversariante. O leitor terá oportunidade de conhecer a Berta Loran através do olhar dos colegas de profissão”, explica o produtor, que só tem boas lembranças do processo, com grande envolvimento da homenageada. “A Berta está sempre de alto astral. Respondeu às perguntas e lembrou muitos fatos de sua infância ainda na Varsóvia, com total clareza. Foi muito bom escrever esse livro e tenho certeza que os leitores gostarão de conhecer uma vida tão cheia de detalhes”.

_____
LANÇAMENTO: 23 de março, 19h, com show em homenagem às 21h. Teatro Oi Casa Grande – Rua Afrânio de Melo Franco, 290 – Leblon. Tel: 2511-0800.