Com um barco de madeira de quase dez metros, a Armazém Cia. de Teatro volta aos palcos com um espetáculo inédito, chamado “Inútil a Chuva”. A estreia acontece nesta semana, com temporada marcada até 31 de janeiro, no Espaço Armazém, na Fundição Progresso, na Lapa. No barco em questão, acontece a abertura da peça, com a mãe e seus três filhos remando em sintonia, enquanto um furo no seio da família faz a água entrar e tudo começar a afundar. É o desaparecimento do pai, um pintor, que morre “simplesmente desaparecendo”.

(Foto: Mauro Kury)
(Foto: Mauro Kury)

A peça faz uma crítica ao mundo da arte e seu valor econômico: após o desaparecimento do pai, suas pinturas, que antes não chamavam a atenção de ninguém, passam a ser reconhecidas e a valer milhões. O pintor sumido é dado como genial e novo astro da arte contemporânea, o que atrai a presença de uma jornalista disposta a escrever uma reportagem sobre ele. O texto é de Jopa Moraes (de “O Dia Em Que Sam Morreu”, como ator) com Paulo de Moraes (de “O Dia Em Que Sam Morreu”), que também assume a direção.

Durante o desenrolar da história, o espectador vai conhecendo o protagonista ausente através dos relatos alheios. Com o desaparecimento, a família vira de cabeça de pra baixo, o que torna possível ver o que estava submerso na água (a metáfora do barco afundando). No elenco, estão Patrícia Selonk (de “O Dia Em Que Sam Morreu”), Andressa Lameu (de “A Dama do Mar”), Leonardo Hinckel (de “Fim de Partida”), Tomás Braune (de “Estufa”), Marcos Martins (de “O Dia Em Que Sam Morreu”) e Amanda Mirasci (de “Uma Vida Boa”).

_____
SERVIÇO: qui a dom, 20h. R$ 40. 120 min. Classificação: 14 anos. De 29 de outubro até 20 de dezembro e de 7 de janeiro até 31 de janeiro. Espaço Armazém – Fundição Progresso – Rua dos Arcos, 24 – Lapa. Tel: 2210-2190.