(Foto: Robert Schwenck)
(Foto: Robert Schwenck)

Revelados os nomes escolhidos para interpretar Chacrinha no teatro, a pergunta mais feita era: e quem fará a Rita Cadillac? A função cabe à atriz Livia Dabarian (de “Rita, o Musical”), que poderá ser vista de quinta a domingo no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, a partir desta semana, com “Chacrinha – O Musical”. Para dar conta do papel, ela até virou amiga da chacrete mais famosa do grupo. “Foi muito interessante. A gente se aproximou pelo Instagram. Ela me marcou em um post, a gente puxou assunto, peguei o WhatsApp dela e passamos a conversar”, a artista conta ao Teatro em Cena, dias antes da estreia. “Ela é super fofa, super amiga, me manda áudio… A gente está BFF!”, ri.

Claro que Livia aproveitou para pegar umas dicas com a “personagem real”. O maior conselho dado por Rita foi com relação à autoestima e autoconfiança. Como esse é o primeiro papel sensual da atriz, ela teve que trabalhar na questão de se sentir bem com sua sensualidade. “Ela me falou que entrava no programa do Chacrinha se sentindo a maioral, a mais mais. Ela criou um personagem e acreditou nele. Isso que é legal: ela também criou um personagem”. Na peça da Aventura Entretenimento, Livia Dabarian tem um solo (de “Conga La Conga”), e faz questão de reproduzir trejeitos e poses que a chacrete gostava de fazer. “Eu queria pegar algumas coisas específicas dela, ao mesmo tempo que quis trabalhar mais em liberar meu lado sensual e sedutora. No início, deu um medinho. Tem certas coisas que você quer deixar para sua privacidade, quer fazer entre quatro paredes, mas não quer que 1200 pessoas por dia assistam. É um desafio”.

Em cena, Livia e as outras chacretes do musical, dirigido pelo cineasta Andrucha Waddington (estreante no teatro), usam os figurinos cavados “e enfiados” (nas palavras da própria) consagrados no “Cassino do Chacrinha”. Para se acostumar, começaram a usar colans a partir da segunda semana de ensaios. Foi um pedido do coreógrafo Alonso Barros (de “Elis, a Musical” e “Se Eu Fosse Você – O Musical”) para que as atrizes não travassem quando os figurinos (de Claudia Kopke) ficassem prontos. Deu certo. “Quando as roupas chegaram e a gente viu os paetês, a costura, cada detalhe… tudo ajuda, é muito lindo. Mas eles por si só são bem provocantes. Eu trabalhei bastante nisso que a Rita me falou: não apenas ser sensual e sexy, mas me sentir bem, na minha própria pele”.

Originais e seus intérpretes: à esquerda, Rita Cadillac e Chacrinha; à direita, Livia Dabarian e Stepan Nercessian (Fotos: Reprodução / Robert Schwenck)
Originais e seus intérpretes: à esquerda, Rita Cadillac e Chacrinha; à direita, Livia Dabarian e Stepan Nercessian (Fotos: Reprodução / Robert Schwenck)

Mais do que conversar e fazer carão para o espelho, Livia deu atenção ao preparo físico e estético. Antes dos ensaios, que ocorriam de 14h às 23h diariamente, ela fazia um treino funcional pela manhã. Além disso, os dois meses e meio de preparação para o musical também incluíram dieta com nutricionista, drenagem linfática e massagem modeladora. “Às vezes eu chegava toda roxa nos ensaios, mas tem que fazer. Até porque meu solo é muita dança e canto ao mesmo tempo”, afirma. Ela não queria fazer feio e, pelas primeiras sessões apresentadas nesta semana, fechadas para convidados, pode-se dizer que deu conta do recado. O público cria uma empatia rápida com a personagem.

Afinal, Rita Cadillac, atualmente com 60 anos, não é uma memória nostálgica. Chacrete mais contemporânea não há. Mesmo quem não viveu a época do Chacrinha a conhece. A dançarina e assistente de palco firmou seu próprio nome com shows em presídios, álbuns próprios (quem não conhece “É Bom Para o Moral”?), incursões no cinema (“Carandiru”) e na TV (“A Fazenda”), e até filmes pornográficos. Com altos e baixos, ultrapassou gerações. “Ela é um ícone e por isso é um desafio tão grande interpretá-la”, destaca Livia Dabarian. “Mesmo quando eu não podia falar qual era meu papel na peça, todo mundo me perguntava: ‘quem vai fazer a Rita Cadillac?’. É uma responsabilidade muito grande”.

Responsabilidade que assustou um pouco o pai da atriz. Quando ela contou a novidade, ele engoliu em seco. Disse algo como ‘É… você vai arrasar, filha”. Mas não conseguiu esconder o espanto. “Ele sabia exatamente o que ia ser: eu no palco seminua”, lembra a atriz, achando um pouco de graça. “Sentei, conversei com ele e minha mãe, expliquei que, como qualquer personagem, tem sua densidade, sua profundidade, que precisa ser explorada. Eles agora estão curtindo pra caramba!”. A quem quiser curtir também, fica o convite:

SERVIÇO
Teatro João Caetano, Praça Tiradentes, s/nº, Centro. Telefone: 2332-9257.
Dias e horários: 5ª, às 19h; 6ª, às 20h; sábado, às 16h e às 20h e domingo, às 19h.
Ingresso: 5ª e 6ª: R$ 50 (balcão simples), R$ 80 (balcão nobre) e R$ 100 (plateia). Sáb. e dom.: R$ 50 (balcão simples), R$ 100 (balcão nobre) e R$ 120 (plateia).
Duração: 2h15 (com intervalo)
Classificação etária: 12 anos
Até 1º de março