O espetáculo “Senhorita Júlia e a Despedida de Si Mesma” tem vários elementos que chamam a atenção. Ele aposta na metalinguagem e fala sobre disputa por poder, desestrutura familiar, e a precariedade da vida. Há referências a August Stridnberg, Ivan Turgueniev, Roque de Barros Laraia, Raduan Nassar, Nietzsche e Schopenhauer. Mas o que virou notícia em sites de fofoca foi uma cena de beijo entre duas mulheres. Nada incomum na vida ou nos palcos, mas gancho para notícias sensacionalistas quando se trata de Camila Camargo, a filha atriz do cantor sertanejo Zezé Di Camargo. “Eu não vejo polêmica em beijo gay. Para mim, beijo é beijo”, diz a artista de 29 anos, em cartaz no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea. “Torço para que um dia não seja algo que surpreenda tanto, que seja mais natural”.

Camila Camargo em cena (Fotos: Divulgação)
Camila Camargo em cena (Fotos: Divulgação)

Essa não foi uma questão para a atriz, mas foi o que chamou a atenção da grande mídia, ávida por mais uma polêmica na família Camargo. Nos últimos anos, não dá para negar, Zezé e Zilu, os pais da atriz, têm protagonizado uma novela da vida real em revistas especializadas em celebridades. Natural que sobre para os filhos também. Wanessa, a irmã cantora, tem que falar sobre a separação dos pais em quase toda entrevista. Camila, por sua vez, vem construindo uma carreira longe das asas do pai famoso, e das fofocas. Pouca gente sabe, mas ela faz teatro profissionalmente desde os 14 anos e já esteve em mais de 15 peças. Seu trabalho não é recente. “Tenho consciência que, nos últimos anos, de fato, surgiram as primeiras oportunidades de maior visibilidade”, Camila destaca ao Teatro em Cena. Ela fez, por exemplo, os musicais “Shrek” e “Enlace – A Loja do Ourives” e uma ponta na novela “Em Família”. Para a TV, aliás, teve que vencer “milhares de meninas”, como ela diz, nos testes. “Minha trajetória profissional é independente e tenho grande orgulho disso. Assim como é um grande orgulho ser filha do Zezé e d a Zilu, mas isso é algo que faz parte da minha vida pessoal e não misturo as estações”.

Em “Senhorita Júlia…”, ela é uma produtora teatral católica fervorosa. Seu marido, um diretor (interpretado por Eduardo Pelizzari, de “Garotos”), se envolve com a filha de um grande empresário das comunicações, vivida por Luciana Pacheco (de “Pulando a Cerca”). Para dar conta do trabalho, Camila teve apenas dez dias de ensaios. Foi um desafio e uma correria. Houve uma temporada em São Paulo, da qual ela não fez parte, então ainda teve que se entrosar com o elenco rapidamente. “Normalmente, faço uma pesquisa de campo, procuro pesquisar pessoas que tenham um perfil parecido com o que entendo da personagem, tento saber mais sobre o universo daquela pessoa”, explica a atriz, que foi dirigida por Heitor Saraiva (de “Slavianski Bazaar”, como ator) e Beto Belline (de “Slavianski Bazaar”), também autor do texto.

Camila Camargo com Caio Castro no filme "Travessia": "ele lê sim" (Foto: Divulgação)
Camila Camargo com Caio Castro no filme “Travessia”: “ele lê sim” (Foto: Divulgação)

E Camila já tem outros trabalhos encaminhados. Quando terminar a temporada da peça no Teatro dos Quatro, ela irá para São Paulo ensaiar “Pequena Mentira Enfeitada”, espetáculo que estreará em dezembro, e sobre o qual ela ainda sabe muito pouco. “É total dedicação a uma, e depois a outra. Vou conseguir conciliar numa boa. É um pouco corrido, mas totalmente possível”. Há ainda o longa-metragem “Travessia”, com estreia prevista para 2015. No filme, ela interpreta uma jovem de boa situação econômica envolvida com drogas e contracena com Caio Castro, que faz um traficante de drogas. Ela, aliás, faz questão de defendê-lo das críticas da classe artística. O ator conquistou a antipatia de vários atores quando declarou que não gostava muito de teatro e de literatura. “Ele é uma pessoa que admiro, além de ser meu amigo. Pude ver de perto, quando fizemos o longa, que ele também estuda muito os trabalhos a que se propõe. Chegava com os textos na ponta da língua e tinha a seriedade necessária sempre”, elogia. “Ele lê sim. Sempre baseava seus argumentos em livros que leu”.

Mas o grande projeto da Camila que está a caminho é uma produção própria, sobre a cantora latina Selena, que foi assassinada pela presidente de seu fã-clube. A artista já foi interpretada no cinema por Jennifer Lopez, e Camila pretende reviver o papel nos palcos, com texto assinado por Walter Negrão. “Sou grande admiradora da Selena como cantora, da história de vida e da batalha dela. Estou bastante animada. Tenho recebido feedback também de vários fã-clubes dela, com mensagens de apoio.”, diz a atriz. “Meu grande desejo é trilhar um carreira com os personagens mais diversificados possíveis, circulando entre TV, cinema e teatro”.

Camila pode ser vista em “Senhorita Júlia e a Despedida de Si Mesma” até o dia 29 de outubro no Teatro dos Quatro. As apresentações ocorrem terças e quartas às 21h, com ingressos a R$ 50.