O diretor Ivan Sugahara, da Cia. Os Dezequilibados, estreia um espetáculo novo na cena carioca nesta semana. “El Pánico”, do dramaturgo argentino Rafael Spregelburd, chega ao palco do teatro de arena do Espaço Sesc, em Copacabana, na sexta (6/11). Para o elenco, ele convocou só atores de talento reconhecido, que dão vida a 17 personagens na história. São eles Débora Lamm (de “Infância, Tiros e Plumas”), Elisa Pinheiro (de “Bonitinha, Mas Ordinária”), Julia Marini (de “Beije Minha Lápide”), Kelzy Ecard (de “Incêndios”), Marcio Machado (de “Cock – Briga de Galo”), Pâmela Côto (de “Vida, o Musical”), Paulo Verlings (de “Beije Minha Lápide”), Suzana Nascimento (de “Calango Deu!”) e Thaís Vaz (de “Avós, mulheres e couves portuguesas”).

(Foto: Felipe Pilotto)
(Foto: Felipe Pilotto)
(Foto: Felipe Pilotto)
(Foto: Felipe Pilotto)

“El Pánico” é uma comédia sobre a saga de Lourdes e seus dois filhos para recuperar a chave do cofre do banco onde ficaram presas todas as economias de um parente morto. Enquanto tentam alcançar o objetivo, eles apelam até para medidas psicoterapêuticas, paranormais e religiosas, lidando com personagens mortos, que não lembram de detalhes pessoais de suas vidas, mas sabem onde está a chave.

O texto data de 2002, quando a Argentina estava no auge de sua crise econômica, o que tem a ver com o quadro atual brasileiro. “Nesse sentido, trata-se de um momento oportuno para uma encenação brasileira, uma vez que a nossa crise econômica avança a passos galopantes. Mas o ‘pânico’ de que fala o texto não se resume ao medo da falta de dinheiro. Trata-se do medo contemporâneo de tudo. Medo do outro, da morte e do desconhecido”, aprofunda o diretor, que administra a Sede das Cias, para onde o espetáculo irá depois da temporada no Espaço Sesc.

Esse é o segundo texto de Rafael Spregelburd trazido ao Brasil por Ivan Sugahara, que tem uma pesquisa pessoal sobre a dramaturgia contemporânea argentina. Ele também montou “A Estupidez”. Em “El Pánico”, inclusive, ele optou pela encenação em “portunhol”, inspirado em personagens do cineasta Pedro Almodóvar. “Penso que muito do seu humor está diretamente liado ao acento espanhol do melodrama intrínseco à sua sonoridade. A partir daí, resolvemos falar em portunhol, procurando atender tanto à compreensão do texto pelo público brasileiro quanto ao divertido sotaque espanhol”, explica.

_____
SERVIÇO: qui a sáb, 20h30; dom, 19h. R$ 20 (ou R$ 5 para sócios do Sesc). 80 min. Classificação: 14 anos. Até 26 de novembro. Espaço Sesc – Teatro de Arena –Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana. Tel: 2547-0156.