O ator e cantor cearense David Bandeira (de “Pelejas de um Coração”) lançou o clipe de sua música “Pervertido” nesta segunda (4/8). O vídeo aposta em muita sensualidade, fetichismo e estética sadomasoquista, além de uma coreografia elaborada com um grupo de dançarinos. Para explicar o conceito e dar detalhes sobre os bastidores das gravações, o artista conversou com o Teatro em Cena. Assista ao vídeo e veja o que ele disse:

Como foi estabelecido o conceito para o clipe? O que foi ideia sua e o que veio a direção?
DAVID BANDEIRA – Quando comecei a trabalhar na faixa com o produtor musical em dezembro, eu já tinha algumas ideias para um possível vídeo. Comecei a conversar com o meu diretor artístico Joel Rodrigues sobre como poderíamos falar sobre perversão de um modo não tão clichê. Tinha essa ideia de se passar dentro da mente. A princípio, seria apenas o “lyric video”, que seria gravado na caixa preta de um teatro, mas após o amadurecimento das ideias criamos um conceito que abrigasse o clipe inteiro dentro do mesmo. A maioria das cenas foi ideia do diretor artístico, e algumas da diretora geral. Nos ensaios, íamos todos amadurecendo-as. Eu desde o inicio quis muita coreografia. Desde o primórdio, foi minha maior vontade.

Quais foram suas referências?
DAVID – O clipe da faixa “Pervertido” é um trabalho cênico baseado na perversão imaginária, inspirado no personagem Chuck Bass da série “Gossip Girl”. No que as pessoas pensam, imaginam, querem e no que elas fazem. Essa dicotomia de desejos, entre o que eu faço e o que eu somente desejo e escondo para mim. Trata também sobre a beleza única que cada um de nós tem. Somos amados e desejados independente de como é nossa estética física.

Como seu trabalho de ator contribuiu para a gravação?
DAVID – Contribuiu bastante. O clipe é totalmente teatral. Assumi essa personagem pervertida para as gravações. Foi bastante desafiador e penso que se eu não trabalhasse como ator não teria tido o mesmo resultado. Bacana também porque, no elenco, eu estava cercado por bons profissionais que contribuíram de forma maravilhosa para o resultado final.

O clipe é ousado. Teve pudor para gravar alguma cena?
DAVID – Sim, na cena do tecido vermelho. Foi a última cena a ser gravada. Foram dois dias de gravações e pedi para os produtores a deixarem por último, quando todo o elenco e parte da equipe técnica tivesse ido embora. Nessa cena, eu estou definitivamente pelado. Quando eu me virava para um lado, meu órgão sexual aparecia do outro, então eu fiquei bastante tímido nessa hora. Mas respirei, entrei no clima do que a cena pedia e mandamos ver!