O ator Vinicius Teixeira estreia na próxima sexta (1º/5) na novela “Babilônia”, da TV Globo, como funcionário de um salão de beleza. O convite para fazer TV veio dos produtores de elenco, que o viram no musical da UNIRIO “The Book of Mormon”, no qual ele interpretava o missionário mais gay do grupo. Na novela, seu personagem será Robson, outro homossexual. Isso não é um problema para o ator de 23 anos. “Não tenho muito medo de ficar estigmatizado. Fico feliz pelo [Elder] McKinley ter aberto essa porta. Eu sou ator antes de qualquer coisa. Acho normal as pessoas fazerem essa associação, a princípio, pois o ‘Book’ e a novela são meus trabalhos de maior repercussão, mas acho que tenho muito tempo pela frente para mostrar outros personagens”, ele diz ao Teatro em Cena.

Vinicius atualmente e como Elder McKinley (Fotos: Divulgação)
Vinicius atualmente e como Elder McKinley (Fotos: Divulgação)

Quem viu “The Book of Mormon” poderá traçar comparações entre os dois personagens gays, mas o ator acredita que o Robson da novela é mais real. “É um personagem que você encontraria na fila do banco, por exemplo. Ele usa gírias populares e é bastante carioca”. As gírias, aliás, renderam o apelido de Robson Babadeiro. É assim que Vinicius se refere ao papel nas redes sociais e, antes mesmo da primeira aparição, o nome já está pegando…

Essa é a primeira vez que o ator está trabalhando com TV, e ele não nega certo estranhamento na adaptação. “Quando comecei a gravar, tive a certeza: câmera e palco são muito diferentes”, conta. “Está sendo uma experiência de aprendizado diário! Ver os monstros da televisão gravando cenas na sua frente e contracenar com Rosi Campos são coisas que eu não achei que fossem acontecer tão cedo, e pelas quais sou muito grato!”. Rosi faz parte do mesmo núcleo cômico que ele, assim como Marysheila.

Com vários trabalhos no teatro, Vinicius Teixeira reconhece que “The Book of Mormon” – a montagem acadêmica da UNIRIO – foi o de maior visibilidade. Além disso, ele destaca que aprendeu muito com [o coreógrafo] Victor Maia, [o diretor musical] Marcelo Farias e [o diretor] Rubens Lima Jr., o “Rubinho”. “São pessoas que eu já admirava antes e que são artistas generosos. Não posso deixar de manifestar a enorme gratidão que tenho”, fala. “O ‘Book’ foi o trabalho teatral com maior repercussão que eu já participei. Fui visto por muita gente que eu sempre admirei, e isso não tem preço. Além de tudo, a peça abriu portas para outros trabalhos, como a própria novela”.

No momento, ele concilia as gravações com as apresentações do infantil “O Corcunda de Notre Dame” no Teatro Vannucci, no Shopping da Gávea, onde reveza o papel do capitão Febo com Felipe Simas (de “Conto de Verão”). Fora isso, Vinicius Teixeira faz o curso de prática de montagem do CEFTEM, ensaiando “Godspell”, com direção de João Fonseca (de “Cássia Eller, o Musical”). Nessas peças, ele tem papeis bem diferentes do Elder McKinley e do Robson “Babadeiro”.

(Foto: Reprodução / Black Flash)
(Foto: Reprodução / Black Flash)