Grupo SATS estreia “UMAN” investigando as sutilezas e profundezas do corpo

De origem escandinava, a palavra SATS significa “o encontro dos contrários”. A expressão se tornou conhecida no universo das artes cênicas quando o diretor Eugênio Barba (do grupo Odin Teatret e criador do conceito da Antropologia teatral) usou o termo para designar o lugar do ímpeto, onde toda energia está em sua força potencial. SATS é o instante entre o agachar e o esticar para realizar o salto. Nesse estado, há o encontro de duas forças opostas, o impulso e o contra-impulso, e é nessa oposição complementar que está posta a vida de uma ação.

(Foto: Igor Keller)

A partir desse conceito – de duas oposições complementares que juntas fundamentam o cerne de algo – forma-se a imagem usada para definir o trabalho da companhia. Formada pela dupla de artistas Deisi Margarida (de “Fragmentos de Beckett”) e Rodrigo Gondim ( de “Sonoridades”), o Grupo SATS estreia o espetáculo UMAN e traz para os palcos do Rio de Janeiro, em uma curta temporada itinerante, o trabalho que deu origem ao grupo.

“O espetáculo surgiu a partir do interesse em investigar o corpo e a cena em sua dimensão complexa e ampliada, contrapondo, principalmente, as linguagens de origem de cada um: o teatro físico e a dança. O espetáculo veio a reboque deste processo de construção, e é o resultado de um processo de pesquisa de dois anos” explica Deisi Margarida.

UMAN é uma investigação sobre o uso da experiência do corpo como fundamento do conceito social de humanidade, que a partir da vivência em coletivo constrói a reflexão de sentido e memória, desenvolvendo a capacidade de produção de linguagem que diferencia o Homo Sapiens dos outros animais. Neste território de diálogo entre diversas linguagens cênicas, os intérpretes mergulham nas sensações e nos sentidos das imagens coreográficas com a intenção de fazer transbordar através da pele a energia primitiva, orgânica e criadora.

(Foto: Igor Keller)

Em cena, há somente dois corpos interagindo com um objeto em imagens que se fragmentam sobre a força primitiva, elegante e erótica. O espetáculo se constrói nas tensões da multiplicidade expondo as vísceras, revelando o esforço de parir a si próprio numa dramaturgia do diálogo entre a dança e o teatro físico.

Contudo, para a estreia deste trabalho, a escolha de Deisi e Rodrigo é realizar uma “mostragem” do “UMAN” em lugares alternativos e itinerantes para que os espaços comportem a dimensão processual da apresentação: “É uma escolha ética e estética de deixar o espetáculo em um território aproximado, perto dos olhos, sem efeitos. UMAN tem relação direta com o início da companhia e consideramos um exercício em transformação, uma resistência. Isto, no entanto, não exclui o rigor técnico e formal em que o espetáculo foi construído”, finaliza Rodrigo.

DATAS E LOCAIS DAS APRESENTAÇÕES DE “UMAN”:
– 2 e 3/11: Rampa, Lugar de Criação – Rua Sá Ferreira, 202 – Copacabana (ao lado da estação de metrô General Osório – saída pela Sá Ferreira).
– 9 e 10/11: Espaço Montagem – Rua Pedro I, 7- Sala 201- Praça Tiradentes- Centro (na rua do Teatro Carlos Gomes).
– 17 /11: Espaço Mova – Rua Hermenegildo de Barros, 73- Glória (subida pela rua Cândido Mendes).

Horário: Sempre às 20h.

Preço Sugerido: R$ 30 (valor abundante)/ R$20 (valor apoiativo)/ R$15 (valor solidário) (*apenas em dinheiro)

Classificação etária: 16 anos.

(Foto: Igor Keller)