O mito grego Minotauro, com corpo de homem e cabeça de touro, é inspiração para o espetáculo “Labirinto”, que estreia nesta semana no Oi Futuro Flamengo, com texto dos filósofos Alexandre Costa e Patrick Pessoa (de “Nômades”). A peça subverte a narrativa original, já tão reinventada, para tratar do embate entre Teseu e Minotauro de um ângulo diferente. Na história, é dada voz aos personagens anônimos, os condenados enviados de Atenas para Creta como alimentos para o monstro. Os papeis são interpretados por três atores: Otto Jr. (de “O Dia em Que Sam Morreu”), Alcemar Vieira (de “Queime Isso”) e Paula Calaes (de “Como Passa o Tempo”), idealizadora do projeto.

O elenco do espetáculo (Foto: Andrea Nestrea)
O elenco do espetáculo (Foto: Andrea Nestrea)

Figura emblemática da mitologia grega, Minotauro é resultado de uma maldição. Os deuses Poseidon e Afrodite punem Minos, rei de Creta, fazendo com que sua mulher se apaixone por um touro, com quem concebe Minotauro, símbolo da traição e motivo de vergonha para a realeza. Minos, então, cria um labirinto para abrigar aquela criatura e obriga os atenienses, derrotados na guerra, a enviarem 14 jovens anualmente como alimento para o monstro. Inconformado, Teseu, filho do rei de Atenas, se infiltra entre o grupo fadado à morte para tentar matar Minotauro. É esse grupo que é acompanhado no espetáculo, dirigido por Daniela Amorim (de “Cine Gaivota”).

A trama reflete as diversas reações possíveis diante de uma situação aparentemente sem saída: o caminho para a morte. “A peça brota da necessidade de dar voz àqueles que nunca tiveram. Ela problematiza a ideia de heroísmo e joga luz sobre a importância dos coletivos na construção da história”, diz Patrick Pessoa.

_____
SERVIÇO: qui a dom, 20h. R$ 10. 60 min. Classificação: 16 anos. De 27 de novembro até 20 de dezembro e de 7 a 31 de janeiro. Oi Futuro – Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo. Tel: 3131-3060.