Duas atrizes mirins se alternam no papel protagonista (Foto: Cerejeira Produções)
Como seria a infância da Bruxa Má do Oeste, personagem clássica de “O Mágico de Oz” e “Wicked’? É esse o ponto de partida do musical infantil “Minha Adorável Verde Vida”, original brasileiro, em cartaz no Teatro Serrador, no Centro. Com influência também de “Annie”, o espetáculo acompanha duas irmãs órfãs, que estão sempre mudando de orfanatos, porque uma delas é verde – a protagonista em questão. Conhecida como Momba, Mombi, Elphaba, Theodora e tantos outros nomes, aqui ela é batizada de Esperança. O infantil incentiva a aceitação das diferenças e preza pela diversidade.

– Tudo começou quando eu vi uma matéria de que a personagem tinha entrado em domínio público. Pensei: “opa, vou escrever alguma coisa para homenageá-la”. – o autor e diretor Mau Alves conta ao Teatro em Cena – Pensando que já existe “O Mágico de Oz”, sobre os últimos dias dela, e já existia “Wicked’, sobre a adolescência dela até chegar ao “Mágico de Oz”, escrevi sobre a infância dela. Como seria a infância dessa bruxa por outro ponto de vista? Foi assim que surgiu a ideia de “Minha Adorável Verde Vida”. Esperança tem uma irmã chamada Lilás, que nada mais é do que a Bruxa Má do Leste. Lilás sempre tem chance de ser adotada, mas não aceita ir sozinha. A história também fala do amor das irmãs.

Referências a “O Mágico de Oz”, não faltam. Mas foi “Wicked” a maior inspiração, na realidade. Quando assistiu a esse musical pela primeira vez na Broadway, Mau Alves decidiu abandonar tudo e fazer teatro musical. Ele tinha um emprego na área de marketing em uma empresa de telefonia, mas deixou o Brasil e foi morar um mês e meio nos Estados Unidos para estudar na New York Film Academy. “Fui mordido pelo bichinho do musical. Quando voltei, abri a Cerejeira Produções com a Julia [Morganti]”, conta. A produtora foi inaugurada em 2012 e “Minha Adorável Verde Vida”, estreada em 2015, se tornou seu primeiro infantil.

Maul Alves, criador da história (Foto: Divulgação)
O espetáculo já teve várias temporadas e passou por diferentes teatros. Para a nova fase, conta com duas novidades: mudança nas músicas, agora assinadas por Betto Serrador, e elenco formado majoritariamente por crianças. “É uma nova roupagem. O fato de ter criança é muito incrível. Eles são muito bem preparados, disciplinados, chegam com texto e músicas decoradas, e com muita vontade de fazer”, destaca o diretor. São dois elencos infantis que se revezam, com apenas três adultos em cena. “Um dos adultos é Kika Tristão, simplesmente a dubladora oficial da Jasmine, da Nala e da Pocahontas! É muito legal para mim, já adulto, ter a voz da Kika embalando essa peça. É uma honra”, comemora Mau Alves.

Para a nova temporada, a expectativa é que repita o sucesso das anteriores, com boa recepção por parte das crianças e dos pais. “A peça é muito bonita e passa uma mensagem muito legal”, confia o diretor, “essas crianças tem um brilho nos olhos que vai fazer as crianças da plateia se identificarem ainda mais”.

_____
SERVIÇO: sáb, 14h e 16h. R$ 20. 90 min. Classificação: livre. Até 27 de maio. Teatro Serrador – Rua Senador Dantas, 13 – Centro. Tel: 2220-5033.