Histórias reais presenciadas por uma juíza em processos na Vara de Família são a inspiração do espetáculo “Homologado”, que está na reta final de sua temporada. Dez atores se desdobram para dar vida às tragédias e aos dramas de homens e mulheres em momentos extremos, expondo suas vísceras e revelando desejos, angústias e ansiedades no tribunal. As últimas apresentações ocorrem no próximo fim de semana, com entrada franca, no Teatro Armando Costa, da Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Pena, no Centro.

(Foto: Pedro Henrique Dias / Dias Castro Fotografia)
(Foto: Pedro Henrique Dias / Dias Castro Fotografia)

A peça é baseada no livro “A Vida Não É Justa”, escrito pela juíza Andréa Pachá. Mas se engana quem espera relatos de problemas na justiça propriamente ditos. Eles servem de inspiração para as histórias. A trama fala de situações de incomunicabilidade na esfera familiar e social. “O que constrói a cena são recortes de vida com legitimidade brasileira, afetos corroídos, gastos pela imbatível ação do tempo, abandono e miserabilidade”, aponta a diretora Jacqueline Lobo, que também assina a adaptação. “A gente não se dá conta e vai empurrando e até aumentando esse grau de incomunicabilidade. Acontece relação, já acontece incomunicabilidade! É algo que todo mundo vê de uma forma ou de outra, e por isso é tão relevante abordar”.

Os personagens são de classes sociais, etnias e formações diferentes, cada um com seu relato. A identificação acontece pelo potencial de representar a trajetória de muitas outras pessoas que em algum momento se depararam com os corredores de uma Vara de Família.

SERVIÇO
Teatro Armando Costa – Escola de Técnica Estadual de Teatro Martins Pena – Rua Vinte de Abril, nº 14 – Centro. Telefone: 2332-9721.
Dias e horários: sextas e sábados às 21h e domingos às 19h.
Ingresso: grátis. Senhas distribuídas no local com uma hora de antecedência.
Classificação: 14 anos.
Duração: 90 min.
Até 7 de dezembro.