(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Esta é uma semana especial para o ator Igor Cosso (de “Rebeldes Sobre a Raiva”). O mineiro de Belo Horizonte, que mora no Rio de Janeiro desde 2009, estreará um espetáculo de sua autoria – o “Primeiro Sinal”. As primeiras sessões ocorrerão em Juazeiro, na Bahia, em uma turnê nacional com paradas diferentes a cada fim de semana, e com agenda fechada até setembro. Descrito como uma comédia romântica sobre um casal de jovens amigos inseparáveis, o texto é resultado de uma confiança conquistada após participar – e vencer – festivais de esquetes. Para a empreitada, Igor convidou Lua Blanco (de “Se Eu Fosse Você, o Musical”) para contracenar com ele e Ícaro Silva (de “S’imbora, o Musical – A História de Wilson Simonal) para a direção.

Na peça, ele é Rael e Lua é Nina, dois amigos que um dia decidem ir assistir a um espetáculo novo na cidade. Eles só não podiam imaginar que a peça era sobre eles mesmos, e que os acontecimentos naquele teatro mudariam a vida dos dois para sempre. A ideia para o texto surgiu quando Igor tinha 18 anos e começou a escrever sobre situações engraçadas que aconteciam com ele ou com amigos. Aluno da UniverCidade, ele também era incentivado pelos professores a escrever bastante. “Acho que foi a faculdade que me estimulou. Foi lá que surgiu meu primeiro texto de esquete e vi que era possível [escrever]. Comecei um pouquinho na cara de pau, um pouquinho audacioso… Eu sempre gostei de escrever”, ele diz ao Teatro em Cena. Levaram seis anos para que ele compilasse os esquetes em um espetáculo maior. “Peguei esses textos que tinha escrito há muito tempo, reescrevi todos, e comecei a fazer leitura com amigos meus, com pessoas que entendem do universo adolescente”. A escritora Thalita Rebouças – que teve o livro “Tudo Por um Popstar” adaptado para o teatro – foi uma das consultadas. Heloísa Perissé, que levou o “Diário de Tati” para o cinema, também.

Quando se viu com um espetáculo em mãos, Igor Cosso não teve dúvidas: queria Lua Blanco ao seu lado. Os dois são amigos desde que ele se mudou para o Rio, e se conheceram em um curso do Daniel Herz na Casa de Cultura Laura Alvim. Sempre quiseram trabalhar juntos e viram em “Primeiro Sinal” a oportunidade. “Pensei logo na Lua, porque ela tem um público jovem muito grande, de uma novela que ela fez [Rebelde]. E ela topou na hora, embarcou total comigo, e a gente está tão envolvido quanto. O projeto não é meu, é nosso. Isso é muito legal”. O convite para o Ícaro Silva dirigir não foge muito disso. Os dois foram colegas de classe na UniverCidade. “Eu pensei: ‘é uma peça jovem, tem mil referências jovens, eu quero alguém que seja jovem também (risos)”, explica. “O Ícaro já tinha dirigido algumas coisinhas na faculdade e eu achava superinteressantes. Ele é um artista genial. Acho-o criativo pra caramba e sabia que ele ia mandar bem. A direção tá linda, linda, linda”.

Lua Blanco e Igor Cosso (Foto: Divulgação)
Lua Blanco e Igor Cosso (Foto: Divulgação)

Ícaro dirigiu a montagem enquanto fazia a temporada de “S’imbora, o Musical” de quinta a domingo. Por isso, os ensaios eram preferivelmente de segunda a quarta, para não sobrecarregá-lo. A experiência foi ótima. Igor gostou do trabalho entre amigos. “Acho que a gente tem um jeito diferente de falar com amigos. A gente fala com jeito, com carinho, e as coisas são resolvidas de outra forma e são mais prazerosas”, observa. “Os erros não são tão graves assim, porque você lida de uma forma mais tranquila”.
A produção foi levantada rapidamente, de forma independente, se considerar que o texto ficou pronto em janeiro e estreia em junho. Igor se associou à Marcela Nunes no fim de março e já tinha datas fechadas para apresentações no início de abril. A presença de dois rostos conhecidos da TV facilita. Lua colhe até hoje os frutos da popularidade alcançada em “Rebelde” e Igor já passou por “Malhação”, então ambos tem um público adolescente com eles. Isso fica evidente porque, nas redes sociais, pipocam campanhas pedindo por apresentações da peça, ainda inédita, em diversas cidades. Os fãs querem vê-los, mais do que tudo.

Na reta final dos preparativos, o clima é de muita ansiedade, enquanto os detalhes finais são acertados. “A peça ficou pronta antes, então a gente já está no gás para subir no palco”. Quanto ao Rio de Janeiro, ele não está listado nessa primeira leva de apresentações, mas deve entrar na agenda entre outubro e novembro. Igor garante que eles já estão procurando um teatro na cidade. “A gente quer que as pessoas aqui vejam, nossos amigos daqui, os profissionais que trabalham no Rio… A gente vem com certeza”, diz. “Quando você tem alguma ideia na cabeça, você tem que fazer de tudo para acontecer. Com amigos talentosos, fica mais fácil retirar as pedras no caminho e as coisas acontecem. Esse projeto é uma prova disso, porque está acontecendo a partir da vontade de amigos e de uma organização pessoal. É só a gente querer”.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)