(Foto: Sergio Baia)

A atriz e cantora Jeniffer Nascimento, que vem sendo destaque no programa “PopStar”, revelou ao vivo no episódio de domingo (28/10), que foi convidada para protagonizar o musical “A Cor Púrpura”. O diretor Tadeu Aguiar (de “Bibi – Uma Vida em Musical”) confirmou a informação via Instagram. O espetáculo está sendo montado para 2019 pela produtora de Tadeu, a Estamos Aqui. No mesmo ano, a atriz estará no ar com a novela das 19h “Verão 90” na TV Globo.

Jeniffer Nascimento já fez grandes musicais, como “Hairspray”, “Castelo Rá-Tim-bum”, “Hair”, “Mamma Mia!” e o mais recente, “Divas – O Musical”. Embora o grande público esteja conhecendo sua faceta de cantora apenas no “PopStar”, ela já fez parte de uma girlband, a Girls, e cantou também na novela “Malhação: Sonhos” entre 2014 e 2015.

“A Cor Púrpura” é uma história mais conhecida pelo filme de 1985, dirigido por Steven Spielberg, com Whoopi Goldberg e Oprah Winfrey no elenco. Mas, na verdade, se trata de um livro publicado três anos antes pela escritora americana Alice Walker e vencedor do Prêmio Pulitzer. Ele conta a história de mulheres afro-americanas em uma zona rural no sul dos Estados Unidos na década de 1930, passando por violências domésticas, abusos sexuais e arbitrariedades patriarcais. A trama central acompanha a personagem Celie, violentada pelo pai aos 14 anos. A adolescente engravida de duas crianças, que são imediatamente retiradas dela, e é vendida para um homem que a trata como esposa e escrava ao mesmo tempo. Para driblar a solidão e a tristeza, Celie escreve cartas – para Deus e para a irmã, missionaria na África.

Apesar dos prêmios e da adaptação cinematográfica, “A Cor Púrpura” gerou também muita controvérsia e se tornou um dos 20 livros mais banidos das bibliotecas dos Estados Unidos. Linguagem explícita, violência, homossexualidade e explicitação sexual são alguns dos motivos alegados para isso.

“The Color Purple”, o musical da Broadway (Foto: Reprodução)

O musical só estreou na Broadway em 2005, com músicas e letras de Stephen Bray, Brenda Russell e Allee Willis. Rendeu o Tony Award de melhor atriz para LaChanze. Em 2015, a remontagem ganhou dois Tonys (melhor remontagem e melhor atriz, para Cynthia Erivo) e o Grammy de melhor álbum de teatro musical. O espetáculo também já foi montado na Áustria, na Inglaterra, na África do Sul e na Holanda.

A montagem brasileira ainda não tem data divulgada para estreia.