Os últimos 12 meses foram cheios para a cantora e atriz Jullie. Além de competir no “The Voice Brasil”, que a ajudou a divulgar a música “Gasolina”, ela fez diversos shows e cumpriu a temporada da peça “Tudo Por um Popstar, de Thalita Rebouças” no Teatro Ipanema. Com a agenda cheia de compromissos, demorou para que ela lançasse um single novo, mas ele finalmente chegou. A capixaba divulgou, nesta semana, sua “Supernova” e conversou com o Teatro em Cena por e-mail para falar sobre a novidade.

A música nova é resultado de uma parceria com Bernardo Martins (produtor do EP “Gasolina”) e Juliana Martins. Bem diferente de “Gasolina”, a letra traz uma mensagem inspiradora, que fala sobre a luz interior de cada pessoa. Jullie a considera conceitual, e investiu pesado neste trabalho. A mixagem ocorreu no Mix Machine, em Nashville, e a masterização foi feita no Sterling Sound, em Nova York, sob as mãos de Tom Coyne – que já trabalhou com Beyoncé, Britney Spears e Jennifer Lopez.

Para divulgá-la, Jullie já está planejando um videoclipe, além de um remix, e idealizando um show novo. Novamente, vai se dividir entre a música e o teatro, porque está ensaiando um espetáculo novo – que prefere não dizer qual é ainda.

Como surgiu a ideia para a composição de “Supernova”?
Eu e meu parceiro musical Bernardo Martins sempre criamos muito juntos. “Supernova” surgiu a partir de uma ideia dele de passar esta mensagem inspiradora às pessoas. Me identifiquei totalmente. Começamos a criar juntos, eu, Bernardo e Juliana Martins. Tínhamos frases soltas e uma base instrumental. Desenhamos uma melodia, encaixamos as frases, sempre com muita sensibilidade. E assim nasceu a nossa “Supernova”.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Aponta alguma influência direta ou referência para essa música?
Acho que o trabalho da Lorde foi uma das inspirações para o novo single, no sentido de trazer algo mais experimental em relação às minhas outras músicas.

Esse é o primeiro trabalho que você lança após o “The Voice Brasil”, e levou quase um ano. A demora foi intencional depois do buzz de “Gasolina”?
Na verdade, depois do “The Voice” eu não me dei nenhum prazo para apresentar um single novo ao público. Fui deixando rolar. Até que veio “Supernova” e decidi lançar. “Gasolina” e “Supernova” têm propostas diferentes. Enquanto uma é totalmente pra cima e chiclete, a outra é desacelerada, pop conceitual, com mensagem. Apesar de serem distintas, são músicas de uma mesma artista, que poderiam estar facilmente num mesmo álbum.

A música é resultado de um trabalho bastante cosmopolita. Gravada e produzida no Brasil, mixada em Nashville e masterizada em Nova York. Como se deu esse processo?
Foi acontecendo. Pensamos em um nome para a mixagem do single e me veio o do Alberto [Vaz]. Já havíamos trabalhado juntos no meu primeiro álbum e havia esta vontade de trabalharmos juntos novamente. Hoje ele mora em Nashville, então a mixagem foi feita no Mix Machine. Quanto à masterização, Bernardo sugeriu de masterizarmos em Nova York, com o Tom Coyne, que já trabalhou com as artistas pop Beyoncé, Britney Spears e Jennifer Lopez.

Jullie em dois momentos: no "The Voice Brasil" e no musical teatral "Tudo Por um Popstar" (Fotos: João Cotta / Alline Ourique)
Jullie em dois momentos: no “The Voice Brasil” e no musical teatral “Tudo Por um Popstar” (Fotos: João Cotta / Alline Ourique)

Nesse intervalo, você também esteve em cartaz com “Tudo Por um Popstar”. Deseja fazer mais musicais teatrais?
Claro! Já estou ensaiando um novo espetáculo… Em breve vocês ficarão por dentro.

Quais seus planos para os próximos meses?
Lançarei o remix do single em breve. Estou fazendo planos para a gravação do clipe e preparando o show.