Da mesma maneira que vlogueiros estão migrando para os palcos de teatro, atores famosos fazem o caminho inverso. Lua Blanco, de “Se Eu Fosse Você – O Musical” e “Primeiro Sinal”, abriu seu canal no Youtube no fim de 2015 e bateu três milhões de visualizações em sua conta recentemente. Isso com 29 vídeos postados, entre tutoriais de beleza, websérie sobre a gravação do seu álbum solo e variedades. Ela vem usando o canal para estreitar a relação com os fãs e viabilizar o lançamento do disco, financiado por crowdfunding (a meta foi batida, aliás).

Ela não é a única a capitalizar a base de fãs na Internet. A pequena Maisa Silva também abriu seu canal na esteira do sucesso da novela “Carrossel”. Já tem 1,2 milhão de inscritos e mais de 77 milhões de visualizações no total, desde julho de 2014. Ela posta um vídeo novo toda semana e tem de tudo um pouco. Fora seus clipes, os vídeos mais famosos são justamente os que reúnem outros queridinhos do público infanto-juventil: Priscilla Alcantara, Christian Figueiredo e Julia Silva.

Do elenco da peça teen “# Meninos e Meninas”, também saiu a nova vlogueira Gabi Cavalcanti. Seguidora de Kéfera, Nah Cardoso e Boca Rosa, ela abriu seu canal neste ano e vem experimentando a plataforma. Além dela, a atriz e cantora Bárbara Dias, que também já fez essa peça, passou a usar sua conta no Youtube, cheia de covers de grandes sucessos, para postar vídeos diferentes – como o “Bárbara Dias responde”. E já anunciou que fará um de “50 fatos sobre mim”. Ou seja, adicionou vlogueira à sua lista de atividades, sim.

Questionada sobre essa “invasão” de atores entre os youtubers, Kéfera Buchmann, que tem mais de 7,8 milhões de inscritos em seu canal, avalia o cenário. “Isso está acontecendo por conta da Internet estar aos poucos engolindo a TV. É fato que atualmente muitos canais no Youtube dão mais audiência do que programas de TV conhecidos. Todos estão vendo que Internet é uma oportunidade! Por isso, muitos estão migrando”, diz ao Teatro em Cena. “Acredito que, para um ator, ter intimidade com uma câmera deva ser mais fácil, por ser algo que pertence à vida deles. Já estão acostumados. Acho que podem existir conteúdos legais criados por atores!”.