Sempre presente nos palcos cariocas, a obra de Nelson Rodrigues (1912-1980) poderá ser vista em três regiões da cidade neste mês. Três dos espetáculos do cultuado dramaturgo estrearão logo após o Carnaval, em montagens inéditas. “A Serpente” ficará em cartaz na Barra da Tijuca, na Zona Oeste; “Anti-Nelson Rodrigues” fará temporada no Centro; e “Dorotéia” será apresentada no Jardim Botânico, na Zona Sul.

Letícia Spiller protagoniza "Dorotéia" (Foto: Carol Beiriz)
Letícia Spiller protagoniza “Dorotéia” (Foto: Carol Beiriz)

A primeira a estrear será “A Serpente”, justamente a última peça escrita por Nelson, em 1978. Ela começará sua temporada no dia 12 na sala Nathalinha do recém-inaugurado Teatro Nathalia Timberg, no Freeway, na Barra. A tragédia sobre o triângulo amoroso entre as irmãs Lígia e Guida será protagonizada pelas atrizes Maytê Piragibe (de “Léo e Bia”) e Laís Pinho (de “Tempos de Brilhar”), com música ao vivo. Na história de erotismo familiar, Guida oferece à irmã virgem uma noite com seu marido, ao ver Lígia desesperada com o fim do seu casamento não consumado. A direção é de Nadia Bambirra, que estreia na função.

– Quando fui convidada para montar Nelson Rodrigues, foi um desafio. Topei na hora. Uma peça de Nelson é um exercício, um presente para quem tem atores como matéria prima. Nelson Rodrigues é um conhecedor das emoções escondidas, de palavras não ditas. Ele nos permite mergulhar na alma das personagens. – diz a diretora.

Maytê Piragibe é Guida em "A Serpente", na Barra da Tijuca (Foto: Rodrigo Turazzi)
Maytê Piragibe é Guida em “A Serpente”, na Barra da Tijuca (Foto: Rodrigo Turazzi)

Os textos de Nelson Rodrigues são conhecidos por escrachar a hipocrisia social burguesa e pôr luz no sexo reprimido por valores morais, sociais e religiosos. É o caso de “Anti-Nelson Rodrigues”, penúltima peça escrita pelo autor, em 1973. Montada pelo Grupo Tapa, com estreia marcada para o dia 18, na Caixa Cultural, no Centro, ela é considerada mais leve, mas conta com as principais características “rodrigueanas”. Na história, o jovem rico e mimado Oswaldinho assume o controle das fábricas do pai e tenta comprar uma funcionária recém-contratada, que não abre mão de seus princípios.

– Nelson Rodrigues é o maior dramaturgo brasileiro, sempre passível de leituras e releituras. ‘Anti-Nelson’ é um epílogo de sua obra: irônica e autoparódica. Em suas peças, ele sempre riu de nossa sociedade, mas nesta peça ele passa a rir também de si mesmo, dos próprios conceitos. Ele ampliou sua descrença e seu desencanto, um sentimento semelhante ao que temos hoje diante do mundo em que vivemos. – comenta o diretor Eduardo Tolentino de Araújo.

Montagem de "Anti-Nelson Rodrigues" do Grupo Tapa: na Caixa Cultural (Foto: Ronaldo Gutierrez)
Montagem de “Anti-Nelson Rodrigues” do Grupo Tapa: na Caixa Cultural (Foto: Ronaldo Gutierrez)

“Dorotéia”, a terceira montagem, marcada para estrear no dia 20, no Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico, tem apelo popular: traz no elenco as atrizes Letícia Spiller (de “Edypop”) e Rosamaria Murtinho (de “Sopro de Vida”), comemorando seus 60 anos de carreira. O espetáculo conta a história de uma prostituta que larga a profissão após a morte do filho e se abriga na casa das primas, viúvas puritanas, feias e negadoras dos sentimentos e da sexualidade. Dorotéia, que é linda, interpretada por Spiller, acredita que a morte do filho foi uma punição por ter cedido aos prazeres sexuais e está disposta a se tornar tão feia e puritana quanto o trio de parentes.

Essa peça data de 1949 e é considerada a última do ciclo de “obras míticas” do Nelson Rodrigues. Letícia Spiller diz que queria fazer essa peça desde que começou a estudar teatro, ainda novinha. Já Rosamaria vê em “Dorotéia” a oportunidade de uma personagem que a desconstruirá completamente. É a primeira vez que as duas interpretam um texto rodrigueano, e a direção será de Jorge Farjalla (de “Vou Deixar o Amor Para Outra Vida”).

A programação é uma ótima oportunidade para quem é admirador do repertório do dramaturgo, e também para quem quer ser introduzido em seu universo. São três opções, com histórias, locais, horários, artistas e preços diferentes. É só escolher o melhor para você.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

_____
ANTI-NELSON RODRIGUES: qui a dom, 19h. R$ 20. 90 min. Classificação: 14 anos. De 18 de fevereiro até 13 de março. Caixa Cultural – Teatro de Arena – Avenida Almirante Barroso, 25 – Centro. Tel: 3980-3815.

_____
DOROTÉIA: qui a sáb, 21h; dom, 20h. R$ 50. 90 min. Classificação: 16 anos. De 20 de fevereiro até 3 de abril. Espaço Tom Jobim – Rua Jardim Botânico, 1008 – Jardim Botânico. Tel: 2274-7012.

_____
A SERPENTE: sex e sáb, 23h50; dom, 21h30. R$ 50. 70 min. Classificação: 16 anos. De 12 de fevereiro até 3 de abril. Teatro Nathalia Timberg – Sala Nathalinha – Avenida das Américas, 2000 – Freeway – Barra da Tijuca. Tel: 3388-5864.