O ator e diretor teatral Antônio Abujamra, o Abu, foi encontro morto em seu apartamento em Higienópolis, em São Paulo, na manhã de terça (28/4), e a notícia abalou a classe artística. Vários atores famosos e ex-colegas de trabalho fizeram questão de expressar seu luto publicamente, antes do velório, que começou às 23h do mesmo dia, em São Paulo. Atualmente, com 82 anos, Abujamra comandava o programa de entrevistas “Provocações”, que existe desde 2000 na TV Cultura. Foi a emissora, aliás, a responsável por confirmar seu falecimento.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Vera Holtz e Cláudia Abreu destacaram a importância dele na formação da carreira delas. As duas trabalharam com ele na peça “Um Certo Hamlet”, que rendeu o Prêmio Molière ao diretor. “Ele era, aliás, ele é, porque o ensinamento não vai com ele, um grande mestre para minha formação de atriz. Foi fundamental. O Abu fica com a gente e vai estar sempre conosco. Ele continua sempre no meu gesto, na minha voz, no meu olhar cênico, na minha atitude, sempre”, disse Vera.

Wagner Santisteban, que também trabalhou com Abujamra, escreveu no Instagram: “Era um homem único! Tinha as palavras certas para cada ocasião! Era um mestre! Uma das pessoas mais inteligentes que já convivi! Ser dirigido por ele era uma aula. Falei muito dele ontem. O céu deve estar tendo uma aula de humor e personalidade”. Alexandre Nero também usou o aplicativo para lamentar: “A maioria dos brasileiros certamente não sabem, mas o país perde mais com a ausência de homens como Antônio Abujamra do que qualquer mensalão, privataria ou Petrobras”.

Nascido em Ourinhos (SP), em 1932, Antonio Abujamra se formou em jornalismo e filosofia e iniciou a carreira como crítico de teatro. Estagiou na cia. criada por Bertolt Brecht na Alemanha e, de volta ao Brasil, se destacou nos anos 1960 na cena teatral paulistana. Esteve à frente do Grupo Decisão e foi pioneiro ao trazer para o país as obras de Harold Pinter e Arnold Wesker. Consagrou-se como um artista político, irreverente, provocador e resistente.

No Rio de Janeiro, esteve à frente do grupo Os Fodidos Privilegiados, com o qual teve reconhecimento de público e crítica. Em 1997, foi eleito o melhor diretor no Prêmio Shell, por “O Casamento”, ao lado de João Fonseca – seu aprendiz. Abujamra foi o principal incentivador da carreira de diretor do João, hoje em dia um dos nomes mais populares da cena carioca.