“Os Saltimbancos Trapalhões – O Musical”, última produção inédita de Charles Möeller e Claudio Botelho apresentada no Rio de Janeiro, vai virar filme. As filmagens estão previstas para começarem em setembro, com roteiro e direção musical da dupla. Renato Aragão, obviamente, repetirá o papel de Didi na tela grande. Giselle Prattes (de “Para Sempre Abba”), a filha do Barão por quem ele se apaixona na história, também está confirmada no elenco.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A direção do longa-metragem musical será de João Daniel Tikhomiroff – cineasta que dirigiu o último telefilme do Renato Aragão para a TV Globo: “Didi e o Segredo dos Anjos”. No cinema, o título será “Os Saltimbancos Trapalhões, o Musical – O Filme” (sim, está cada vez maior). O elenco será o mesmo da peça e a produção é da R.A. Produções.

#NaCoxia: Nicolas Prattes mostra bastidores de Os Saltimbancos Trapalhões

Aqui, vale um retrospecto. O musical de Möeller e Botelho, que ficou em cartaz na Cidade das Artes, na Barra da Tijuca, já era uma adaptação do filme “Os Saltimbancos Trapalhões” – blockbuster de 1981, que teve mais de cinco milhões de espectadores na época. O longa, por sua vez, foi inspirado no musical teatral “Os Saltimbancos”, de Chico Buarque, que escreveu músicas adicionais para a trilha do filme. É um ciclo de retroalimentação. Confuso, não? Melhor colocar assim:

Século XVIII – Publicação do conto “Os Músicos de Bremen”, dos irmãos Grimm
1977 – Estreia do musical infantil “Os Saltimbancos”, com letras de Chico Buarque, inspirado no conto “Os Músicos de Bremem”
1981 – Estreia do filme “Os Saltimbancos Trapalhões”, de J. B. Tanko, inspirado no musical “Os Saltimbancos”
2014 – Estreia do espetáculo “Os Saltimbancos Trapalhões – O Musical”, de Möeller & Botelho, inspirado no filme
2015 – Filmagem de “Os Saltimbancos Trapalhões, o Musical – O Filme”, inspirado na peça

O espetáculo teatral marcou a estreia do Renato Aragão no teatro, ao lado da filha e da “Turma do Didi”, o que inclui Dedé Santana, Roberto Guilherme (de “Advocacia Segundo os Irmãos Marx”) e Tadeu Mello (de “Bonifácio Bilhões”). A superprodução, ambientada em um circo, rendeu indicações aos prêmios Cesgranrio e APTR de cenografia e figurino.