(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

O ator, produtor e diretor Bruce Gomlevsky (de “O Funeral”) é certamente um dos artistas mais produtivos da cena teatral carioca – e, porque não dizer, nacional. Só no ano passado, ele dirigiu nove espetáculos. Neste ano, também já está envolvido com vários projetos simultaneamente. Não se engana quem pensa que ele não para nunca. “Não tiro férias há 15 anos. Tenho que pagar conta!”, brinca, em entrevista ao Teatro em Cena, no Prêmio Shell, no qual estava indicado pela quinta vez na carreira.

Foi “O Funeral” que rendeu a nomeação à premiação. Questionado se achou justa a seleção desta peça em vez das outras oito que dirigiu em 2014, Bruce fala com carinho dela. “É difícil ter esse distanciamento para avaliar. Eu não sei dizer se é o melhor ou pior [dos nove], mas é um espetáculo da minha companhia, que eu escolhi fazer. Eu fui contratado para dirigir outras peças, e essa eu escolhi fazer, então tem um gostinho especial por isso”, explica.

Atualmente, ele está em cartaz como diretor de “Um Estranho No Ninho”, em cartaz no Centro Cultural Justiça Federal. Mas, como ele não para, já outras peças encaminhadas. Ele acabou de estrear “Inventário de Segredos” em Fortaleza, dirigindo um grupo local, e ensaia para abril, no CCBB, “Anti-Nelson Rodrigues”. “E ainda vou lançar meu disco, com as minhas músicas”, ressalta.