Saíram os nomes dos 12 finalistas da 7ª edição da Seleção Brasil em Cena, o concurso que revela novos talentos da dramaturgia em todo país. Do grupo, nove textos são do Rio de Janeiro e poderão ser conhecidos em leituras dramatizadas com estudantes de teatro no CCBB. As leituras acontecerão nas unidades do Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte entre 21 de novembro e 6 de dezembro. A participação popular é importante, porque os votos do público e do júri são levados em conta para definição dos três vencedores, que receberão montagens patrocinadas pelo Banco do Brasil.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

A lista de finalistas é essa:

A tropa (Gustavo Pinheiro/Tragicomédia/RJ)
Algum lugar onde nunca estive (Bernardo Florim/Drama/RJ)
Com as mãos vazias (Edih Longo/Drama/SP)
Elas (João Rodrigo Ostrower/Híbrido/SP)
Maioridade (Flávio Goldman/Híbrido/RJ)
Mandíbula (Roberval Tamanho/Drama/RJ)
Na real (Rogério Corrêa/Drama/RJ)
Obra do acaso (Flavio Freitas/Drama/RJ)
Princípios transgredíveis para amores precários (Thales Paradela/Drama/RJ),
Projeto Stockton (Caroline Rainatto/Drama/RJ)
Sobre cordeiros, navalhas e dentes-de-leão (André Luis Silva/Drama/BA)
Um caminho para Sara (Thales Paradela/infantojuvenil/RJ)

Neste ano, o site do concurso recebeu inscrições de 265 textos dramatúrgicos, de 13 estados e do Distrito Federal. A seleção dos finalistas foi feita por um júri de especialistas do Rio, Belo Horizonte e Brasília, que avaliou a qualidade das obras, sem acesso aos nomes dos dramaturgos. A nova etapa, com as leituras dramatizadas, definirá os vencedores, que serão anunciados em 6 de dezembro. Além das montagens, o prêmio também garante espaço para temporadas nas unidades do CCBB participantes do projeto, a partir de março de 2016.

O interessante é que as leituras abertas ao público também dão visibilidade para as peças. Ao longo da história do Seleção Brasil em Cena, é comum que textos que não venceram encontrem produtores interessados em montá-los. Foi assim com “Velha É a Mãe”, do então desconhecido Fábio Porchat, na 1ª edição, que foi montado por João Fonseca (de “O Beijo No Asfalto – O Musical”), por exemplo.