A podridão de um sistema aparentemente antisséptico é escrachada na peça “O Dia em que Sam Morreu”. É a 26ª montagem da Cia. Armazém, e um feliz acerto. Com música ao vivo, que dá todo um clima especial, o espetáculo denuncia as atividades antiéticas de médicos ávidos por crescimento e enriquecimento profissional, em detrimento do bem estar dos pacientes e a favor da indústria farmacêutica.

(Foto: Juliana Hilal)
(Foto: Juliana Hilal)

A história – escrita por Maurício Arruda Mendonça e Paulo de Moraes (ambos de “Antes da Coisa Toda Começar”), que também assina a direção – se passa em um hospital privado e tem um cirurgião-chefe (interpretado por Otto Jr., de “A Mecânica das Borboletas”) como símbolo da medicina corrompida. A trama é contada a partir do ponto de vista de três “Sams”: Samuel (o estreante Jopa Moraes), um médico que se revolta com o sistema e entra armado no hospital para pôr ordem à sua maneira; Samantha (Patrícia Selonk, de “Antes da Coisa Toda Começar”), uma juíza criminal indecisa sobre usar a influência do marido para furar a fila do transplante de coração; e Samir (Marcos Martins, de “Um Dia Qualquer”), um palhaço com Mal de Alzheimer. O debate de valores como justiça conduz toda a encenação.

A peça dura 95 minutos, durante os quais chamam atenção especial o cenário multimutável da dupla Paulo de Moraes e Carla Berri e a luz complementar do Maneco Quinderé. Esses elementos ajudam a companhia a emitir sua mensagem com eficácia, talvez mais rápido do que ela esperava.

(Foto: Juliana Hilal)
(Foto: Juliana Hilal)

Um problema é justamente a duração do espetáculo, que poderia terminar antes. Ele é compreendido em sua totalidade no fim da narração do terceiro Sam, mas a peça continua desnecessariamente. Há uma cena metafórica, com as atrizes Lisa Eiras (de “Os Inocentes”) e Patrícia Selonk, que poderia – e deveria – ser facilmente eliminada. Não compromete, mas cansa.

A temporada fica até 29 de junho no Espaço Armazém, na Fundição Progresso, na Lapa. As sessões ocorrem de quinta a domingo, às 20h, e os ingressos custam R$ 40.