Esse povo de teatro é muito louco. Essa foi a declaração de uma espectadora ao fim da peça “O Que Você Vai Ver”, da Cia. Provisória (união da Cia. Pequena Orquestra com a Cia. dos Atores). Diante do que ela (não) viu, não dá para discordar. Esse povo de teatro é mesmo muito louco, gosta de experimentar, de questionar a linguagem, de desafiar os limites, de se arriscar, de errar, errar e errar de novo para algum dia, quem sabe, acertar. No caso, o que (não) se vê é esse processo.

Foto de divulgação de "O Que Você Vai Ver". No caso, isso aqui você não vê no palco (Foto: Carlos Cabéra)
Foto de divulgação de “O Que Você Vai Ver”. No caso, isso aqui você não vê no palco (Foto: Carlos Cabéra)

Escrito por Rodrigo Nogueira (de “Rock in Rio – O Musical”) e dirigido por Inez Viana (de “Cock – Briga de Galo”), “O Que Você Vai Ver” não tem nenhum ator em cena. Mas o elenco é formado por sete deles: Cesar Augusto (de “Conselho de Classe”), Fabricio Belsoff (de “Dentro)”, Nanda Félix (de “Dentro”), Joana Lerner (de “Dentro”), Marcelo Valle (de “Como É Cruel Viver Assim”), Michel Blois (de “Dentro”) e o próprio Rodrigo Nogueira. Não entendeu? Aquela espectadora também não, então não se culpe. Os trinta primeiros minutos de trama (evita-se conscientemente ousar a palavra espetáculo neste texto) acontecem com a cortina vermelha fechada. Não há qualquer elemento visual para quem está sentado na plateia, meio desconfortável com a experiência unicamente auditiva. É como ouvir uma radionovela, mas sentado no teatro. Isso, aliás, é teatro? O próprio texto questiona, mas não responde – e isso é bom.

A cortina só é aberta quando o público está perdendo a esperança disso acontecer. Mesmo assim, pouco se vê. Descem panos pretos e cadeiras de madeira. Além disso, há alguma fumaça, e um jogo cênico coloca valises no palco. É a cenografia de Rebecca Belsoff. Nada mais. Nenhum ator. Nenhum figurino. Nenhuma ação. E a trama – sobre um acidente que perturba os personagens em uma estação de trem – também não é lá essas coisas. Um senhor menos concentrado dorme na poltrona, na terceira fileira. Também não dá para culpá-lo. Provavelmente, não saiu de casa para isso. Não em uma noite chuvosa de sábado.

“O Que Você Vai Ver” é livremente inspirado na obra “Todos que Caem”, de Samuel Beckett, e desafia o espectador a repensar a importância da imagem em uma era intensamente visual. Para não dizer que ninguém aparece no palco, uma espectadora é escolhida para subir na última cena e executar um pedido. Logo uma espectadora. Então, é uma experiência. Válida ou não, cabe a cada um dizer. Mas esse povo de teatro é mesmo muito louco.

Isso aqui você também não vê. (Foto: Carlos Cabéra)
Isso aqui você também não vê. (Foto: Carlos Cabéra)

A temporada de “O Que Você Vai Ver” vai até 5 de outubro no Teatro Ipanema, com sessões sextas e sábados às 21h e domingos às 20h. Os ingressos custam R$ 20, e a classificação indicativa é de 14 anos.

Por Leonardo Torres
Pós-graduado em Jornalismo Cultural.