Foram reveladas todas as informações sobre “Portátil”, o espetáculo do coletivo Porta dos Fundos. Realmente trata-se de um projeto de improvisação, como o Teatro em Cena havia deduzido anteriormente. Por enquanto, não há confirmação de uma temporada no Rio. A peça começará com uma turnê nacional no fim do mês. A estreia está marcada para o dia 30, no Teatro Sesiminas, em Belo Horizonte.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Os únicos nomes do Porta dos Fundos envolvidos no projeto teatral são Gregorio Duvivier (de “Uma Noite na Lua”), Luis Lobianco (de “Buraco da Lacraia Cabaré On Ice”) e João Vicente de Castro (do filme “Noite da Virada”). Eles se uniram ao Marcio Ballas (de “Caleidoscópio”), que é conhecido justamente por jogos de improvisação. A direção é de Barbara Duvivier, e a produção é de Roberta Brisson.

Cada apresentação parte de uma sugestão da plateia, que dá origem a uma peça inteiramente improvisada, com início, meio e fim. Após um aquecimento com a plateia, em que os atores se apresentam e se familiarizam com os espectadores presentes, uma palavra é escolhida como tema. Então, os atores criam uma breve introdução, que pode ser tanto um monólogo de um deles quanto uma cena com todos os quatro, e funciona como brainstorming para a peça em si, que se organiza em três atos, cada um com três cenas. As três primeiras cenas devem ser desconectadas, porém memoráveis para que a história avance e que, no final do terceiro ato, a narrativa seja concluída de forma coerente. Além disso, entre cada ato, há um jogo livre sobre o tema da peça: uma música, uma cena de grupo, uma coreografia, qualquer interação que sirva como um intervalo.