(Foto: André Nicolau)
(Foto: André Nicolau)

O ator Felipe Lima (de “R&J de Shakespeare – Juventude Interrompida”) é John na peça “Cock – Briga de Galo”, sua terceira produção, que estreia na terça (20/5) no Teatro Poeira, em Botafogo. O personagem se vê no meio de um dilema: casado com um homem há sete anos, se apaixona por uma mulher. “Ele é uma confusão completa! Não sabe o que fazer. Realmente gosta dos dois. Quem nunca gostou de duas pessoas ao mesmo tempo?”, levanta a bola em entrevista ao Teatro em Cena. “O caso dele é um pouco mais complexo: são duas pessoas de sexos diferentes”. A confusão e indecisão é o que conduz a trama, dirigida por Inez Viana (de “Nem Mesmo Todo o Oceano”).

Na verdade, o casamento do John já está desgastado, quando ele conhece a terceira ponta do triângulo – uma mulher que faz o mesmo caminho que ele para o trabalho. “Ele nunca tinha transado com uma mulher antes, e o sexo é incrível. Apaixona-se por ela, volta para o namorado, e começa a questionar o que está sentindo. Ele se pergunta a peça inteira com quem deve ficar. Ele tem histórico gay, então escolhê-la é, de certa forma, marcar uma posição”. A sinopse, que aponta a quebra de padrões e estigmas, promete mexer com a plateia.

Felipe correu atrás dos direitos da peça, escrita pelo inglês Mike Bartlett (de “King Charles III”), assim que assistiu a uma montagem off-Broadway. Ele estava de viagem em Nova York e, por acaso, descobriu o espetáculo, que foi premiado com o Laurence Olivier Award em Londres. “Eu não sabia muito o que esperar, mas achei tudo incrível. É uma peça que não conta com cenário nenhum, não tem mudança de figurino, de luz, não tem trilha sonora, nada. Só tem atuação”, destaca o ator, que pediu o e-mail do agente do dramaturgo e iniciou as negociações logo após o fim da sessão. “O Mike lida muito bem com a fluidez do afeto nos dias de hoje, e com muito humor. Ele tem um humor ácido, que é uma característica minha e algo com o qual me identifico”.

Felipe Lima e Debora Lamm em "Cock - Briga de Galo". (Foto: André Nicolau)
Felipe Lima e Debora Lamm em “Cock – Briga de Galo”. (Foto: André Nicolau)

A comicidade vem já no título. Cock, em inglês, pode ser galo ou pênis. Nos EUA, alguns jornais conservadores se negaram a usar o título puro e o transformaram em “Cock Fight Play”. Briga de Galo. Na hora de fazer a tradução, Felipe se apropriou disso. “O nosso tradutor se perguntou: ‘como é que vou traduzir cock?’ Não dá para colocar ‘Pinto’, ‘Pau’, entendeu?”, ri. “Optamos por deixar ‘Cock’ em inglês, com o subtítulo ‘Briga de Galo’”.

O espetáculo discute questões como sexualidade, preconceito e eliminação de rótulos. O ator destaca que o interesse do seu personagem por uma mulher é legítimo, e inquestionável. “Na peça, por mais que falemos sobre sexualidade, não é só sobre isso. É sobre todas as escolhas que a gente faz na nossa vida, e os padrões que a gente tem. É possível quebrá-los. As pessoas não precisam ser as mesmas a vida inteira”. Seu último personagem na TV, por exemplo, na novela “Sangue Bom”, foi mais ou menos assim: Xande passou a novela namorando uma menina e, na última semana, engatou um romance com Filipinho (personagem do Josafá Filho).

“Cock – Briga de Galo” coloca os paradigmas sociais do avesso para ressaltá-los. Se na novela, e na vida real, um hetero se apaixonar por alguém do mesmo sexo pode gerar preconceito, na peça é o contrário. Há ainda o pai do parceiro do John, que entra em cena para defender o relacionamento dos dois, contra a nova paixão heterossexual. É a subversão dos valores historicamente e religiosamente consagrados. “Quando a gente estava montando essa peça, vimos que tem países na África com pena de morte para homossexuais. Isso é uma coisa impensável nos dias de hoje. Tem muita coisa que precisa mudar”, lamenta o ator. “’Cock’ não é uma peça cabeça. É super divertida. É comédia. Isso é o mais incrível: discutir temas importantes com humor. Acho que é isso”.

Serviço
Teatro Poeira
Rua São João Batista, 104 – Botafogo. Telefone: 2537.8053.
Temporada: 20 de maio até 24 de julho.
Dias e horários: terças a quintas, às 21h.
Ingresso: R$ 40 (terça e quarta) / R$ 50,00 (quinta).
Duração: 80 minutos
Classificação Etária: 14 anos