(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

O ator Reiner Tenente (de “Bilac Vê Estrelas”) está estreando um musical em São Paulo pela primeira vez. Ele já se apresentou na cidade outras vezes, mas sempre com temporadas vindas originalmente do Rio. Desta vez, faz o processo inverso: “O Primeiro Musical a Gente Nunca Esquece” é introduzido na cena paulista, com temporada no Theatro Net SP, antes de chegar ao público carioca. Para ter essa oportunidade, Reiner teve que suar. Literalmente. “Foi uma exigência, uma sugestão exigida do diretor, que o ator que fosse fazer o personagem fosse malhado. Ele me queria, mas falou ‘só vou te convidar se você malhar’. Falei ‘claro, topo, adoro um desafio’”, conta ao Teatro em Cena. E assim começou sua rotina nova.

Além de administrar o CEFTEM e ensaiar o musical, como diretor musical Tony Lucchesi (de “Godspell”) e o diretor geral Rodrigo Nogueira (dramaturgo de “Chacrinha – O Musical” e “BarbarIdade”), Reiner passou a frequentar a academia. Ele, que nunca foi fã da malhação, perdeu 2,5kg de gordura e ganhou 9kg de massa magra em dois meses de preparo. Tudo para o personagem. “É quase uma vida paralela. É um mundo de suplementos, de academia e de marmita dentro da mochila, porque tem hora certa para comer cada coisa”, especifica. “Mas é tudo em prol da arte, e eu amo o que faço. É um sacrifício, sem dúvida nenhuma, mas vale a pena, porque é pelo que amo”.

A exigência do diretor tem explicação: uma cena em que o personagem fica só de samba-canção. O musical conta a história de um casal em crise, formado por uma mulher apaixonada por musicais (Amanda Costa, de “Bilac Vê Estrelas”) e um publicitário fissurado por televisão (Marcelo Várzea, de “Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, o Musical”). Reiner interpreta Eliseo, sócio do protagonista na agência de publicidade. Ele é descrito como nerd, retrô e introspectivo. Quando fica de samba-canção e exibe o corpo, é uma surpresa que seja sarado. Reiner nunca tinha se exposto tanto fisicamente em qualquer trabalho.

Rodrigo Nogueira apostou nele pela qualidade artística. “Temos um texto completamente inédito para o grande público, então precisávamos ter nomes que coubessem perfeitamente em cada personagem, que cantassem e dançassem muito. Demoramos a definir o elenco, mas acreditamos que a nossa escolha tenha sido perfeita!”, diz o diretor, que também assina o texto e três músicas da trilha, que é formada majoritariamente por jingles nacionais e clássicos de musicais.

O espetáculo fica em São Paulo até 20 de dezembro, com temporada prevista para 2016 no Rio de Janeiro.

(Foto: Julia Torres)
(Foto: Julia Torres)