Além do sucesso de crítica no Brasil, “Tom na Fazenda”, dirigido por Rodrigo Portella (de “Insetos”, “Nerium Park”), também caiu nas graças dos críticos de teatro canadenses. Ele foi eleito o melhor espetáculo internacional no “Prix de la Critique”, em decorrência de suas apresentações no Festival Trans Amériques em Montreal em junho.

(Foto: José Limongi/Divulgação)

“Caraca! Não sei se pulo, bebo ou choro! Obrigado a toda essa equipe enorme e talentosíssima! Obrigado Armando! Te amo num grau! Obrigado Oi Futuro, Roberto! Obrigado a todos aqueles que torceram e que encheram nossas plateias e nos deram tanta força e carinho. Obrigadooooo!”, Portella escreveu no Facebook.

A peça é de um autor canadense, Michael Marc Bouchard, e foi traduzida para o português por Armando Babaioff (de “Na Solidão dos Campos de Algodão”), protagonista da montagem brasileira. Foi o próprio dramaturgo quem convidou a equipe para levar o espetáculo ao Canadá neste ano. “Nunca pensei que um projeto que nasceu no meu quarto fosse chegar tão longe (…) Gratidão a cada um envolvido nesse projeto, a quem acreditou e acredita até hoje”, disse o ator.

“Tom na Fazenda” trata de preconceito, mentiras e manipulações psicológicas. Na história, o publicitário Tom viaja para a fazenda distante onde mora a sogra, a fim de participar do funeral de seu namorado. Chegando lá, descobre que a mãe e seu amado nunca soube do relacionamento dos dois e sequer que o filho era gay. A partir disso, envolve-se em uma rede de mentiras – forçado pelo cunhado – para “poupá-la de mais uma tristeza”.

A primeira montagem da peça se deu em Montreal em 2011. Dois anos depois, ela já havia virado filme, sob direção de Xavier Dolan. O thriller cult foi exibido no Festival de Toronto. Foi graças ao filme que a história chegou a Babaioff: a dica veio de um amigo cinéfilo. Sabendo que o longa-metragem era baseado em uma peça, o ator preferiu buscar o texto para lê-lo, ao invés de assistir à adaptação cinematográfica. O resto é história.

(Foto: Ricardo Brajterman)